Aguarde...

WWF-Brasil coordena expedição científica na Terra do Meio




A cidade de Itaituba, no Sudoeste do Pará, foi o ponto departida da expediçãoTerra do Meio. A parceria Museu Paraense Emílio Goeldi, WWF-Brasil e Instituto Chico Mendes têm como objetivo estudar a fauna e flora da Floresta Nacional (Flona) de Altamira. Uma unidade de conservação federal com 712 mil hectares que faz parte do Distrito Florestal da BR-163.  As pesquisas que vão acontecer nas próximas semanas são fundamentais para dar suporte ao plano de manejo da Flona. “Essa é a etapa que falta para tirar a unidade de conservação do papel e dar suporte a uma retirada sustentável de madeira. É uma das saídas para combater a extração ilegal e o roubo de terras nessa região”, afirma Naiane Peres de Menezes, a chefe da Flona de Altamira.

A região é um dos locais na Amazônia mais afetado pela ação de madeireiros ilegais. Em 2005, para tentar modificar essa realidade, foi criado o Distrito Florestal com 19 milhões de hectares. São oito Florestas Nacionais que podem ser utilizadas para a concessão de corte ambientalmente correto de madeira, que ocorre por meio do manejo florestal. Umaatividade econômica compatível com a preservação da floresta em pé. Para a idéia ser colocada na prática, falta para as Flonas o estudo do plano de manejo.

A expedição conta com o apoio do Exército Brasileiro. Vinte e quatro homens do Batalhão Tapajós, o 53º Batalhão de Infantaria de Selva (BIS), vão dar apoio nos acampamentos e transporte. “Para nossos homens é bom acompanhar esse tipo de missão porque eles também adquirem mais conhecimento técnico sobre a região”, diz o Major Francisco Assis, subcomandante do Batalhão.  O BIS também dá suporte às ações do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) no combate ao desmatamento ilegal na região.  Fundado em 1975, durante a construção da estrada Transamazônica (BR-230), a sede do Batalhão em Itaituba foi o primeiro ponto de apoio da expedição.

Às margens do rio Tapajós, os cientistas debateram as dificuldades a serem superadas no caminho. Os pesquisadores irão percorrer três mil quilômetros em estradas de difícil acesso ao longo da BR-163 (Cuiabá-Santarém). Além da Flona de Altamira também vão acontecer visitas de campo no Parque Nacional do Jamanxi. ”Nosso objetivo principal é concluir a Avaliação Ecológica Rápida que vai orientar ao plano de manejo da Flona”, diz Roberto Antonelli Filho, o coordenador científico da expedição. Participam das pesquisas especialistas em aves (ornitologia), flora (botânica), águas (ictiologia), répteis e anfíbios (herpetologia) e animais mamíferos (mastofauna).

Ontem, um dos obstáculos da equipe foi conseguir sair de Belém (PA) com 60 quilos de bagagem extra. A razão do excesso foram os equipamentos técnicos necessários para os estudos, como baldes de coleta e instrumentos científicos de medição. O grande desafio dos próximos dias será levar meia tonelada de equipamento para dentro da Floresta Amazônica.

A expedição começou no dia 19 de novembro e acaba no dia 08 de dezembro. O percurso será feito entre os municípios de Altamira e Itaituba, na região paraense conhecida como Terra do Meio.


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (1)

Álbum de fotos (1)

Marcadores

Comentários



Vídeo mostra riquezas, impactos e alternativas para o Pantanal
Vídeo mostra riquezas, impactos e alternativas para o Pantanal
Curitiba agitada para Hora do Planeta, hoje às 20h30
Curitiba agitada para Hora do Planeta, hoje às 20h30
Código Florestal: comitês de bacia ignorados, sociedade fora do debate
Código Florestal: comitês de bacia ignorados, sociedade fora do debate
Fim da COP de clima em Brasília
Fim da COP de clima em Brasília
Conselheiros discutem conservação da Amazônia Meridional
Conselheiros discutem conservação da Amazônia Meridional
Sting e outros artistas pedem um acordo de clima justo e eficiente
Sting e outros artistas pedem um acordo de clima justo e eficiente
Conheça a nossa Equipe
Conheça a nossa Equipe
WWF-Brasil lança publicação voltada para madeira legal
WWF-Brasil lança publicação voltada para madeira legal
Lançamentos do WWF-Brasil movimentam terceiro dia do V Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação
Lançamentos do WWF-Brasil movimentam terceiro dia do V Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação
Energia elétrica para o Brasil: uma outra abordagem é possível
Energia elétrica para o Brasil: uma outra abordagem é possível
O futuro das florestas nas mãos de Dilma
O futuro das florestas nas mãos de Dilma
Acampados às margens do Jari
Acampados às margens do Jari
Entidades ambientalistas se retiram da negociação sobre código florestal e pedem ao Presidente seriedade por parte do governo
Entidades ambientalistas se retiram da negociação sobre código florestal e pedem ao Presidente seriedade por parte do governo
Governo planeja construir sete hidrelétricas na bacia do rio Aripuanã
Governo planeja construir sete hidrelétricas na bacia do rio Aripuanã
Código Florestal faz aniversário: 46 anos e muitas ameaças
Código Florestal faz aniversário: 46 anos e muitas ameaças
Especialista em ecologia do Pantanal profere palestra no WWF-Brasil
Especialista em ecologia do Pantanal profere palestra no WWF-Brasil
Molocopote foi aldeamento dos índios wayana
Molocopote foi aldeamento dos índios wayana
Áreas úmidas no combate aos efeitos das mudanças climáticas
Áreas úmidas no combate aos efeitos das mudanças climáticas
IDIS e WWF-Brasil promovem 1 seminário de Sustentabilidade Corporativa
IDIS e WWF-Brasil promovem 1 seminário de Sustentabilidade Corporativa
Viagem ao Tumucumaque: Serra do Navio – portal de entrada do parque nacional
Viagem ao Tumucumaque: Serra do Navio – portal de entrada do parque nacional