Aguarde...

“Vamos entupir o Planalto de cartas e e-mails”




Bruno Taitson, de Porto Alegre

As lideranças que participaram nesta quinta (26/01) do debate sobre as mudanças no Código Florestal no Fórum Social Temático foram unânimes em dizer que somente a mobilização da sociedade brasileira conseguirá impedir que os retrocessos contidos no texto em tramitação no Congresso obtenham sanção presidencial e se transformem em lei.

“É hora de agir. Vamos para as ruas e vamos entupir o Palácio do Planalto de cartas e e-mails para que a presidenta Dilma honre seus compromissos, se não conosco, com as gerações futuras”, avaliou João Pedro Stédile, coordenador do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra e da Via Campesina. “As mudanças propostas são para liberar a apropriação privada da nossa biodiversidade, pois anistiam a todas as agressões praticadas e abrem margem para mais desmatamentos”, completou o líder.

A ex-senadora e ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, seguiu na mesma direção de Stédile. “Pesquisas mostram que 80% da população não quer as mudanças no Código e, surpreendentemente, 80% dos parlamentares votaram em outra direção. A presidente se comprometeu, de próprio punho, a vetar a anistia a desmatamentos e projetos que promovam mais desmatamento. Se houver mobilização popular, ela se sentirá respaldada para vetar”, afirmou Marina Silva.

Padre Ari Antônio dos Reis, representante da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil, defendeu que o debate sobre o Código seja baseado na ética e pautado pela garantia da qualidade de vida das próximas gerações, e não em interesses econômicos imediatistas. “Há um grande hiato entre aquilo que pensa o Congresso e o que pensa a sociedade civil”, lamentou.

Maria Cecília Wey de Brito, secretária-geral do WWF-Brasil, lembra que o movimento social tentou, durante as discussões no Congresso, melhorar o texto, mas ficou claro que não havia espaço para isso. “O substitutivo foi feito às escuras no Congresso, as contribuições dadas pela ciência e pelo movimento social foram ignoradas”, disse.

A secretária-geral do WWF-Brasil classificou de “falaciosa” a argumentação do Governo Federal e de ruralistas de que foi feito o melhor acordo para o Brasil. “Não podemos concordar com a discussão do ‘possível’. Não dá para ficar discutindo se o melhor será empurrar as florestas do 25º. ou do 10º. andar, nos dois casos ela vai morrer. É preciso pressionar pelo veto, e a credibilidade da presidenta Dilma Rousseff e do Brasil depende da decisão que ela tomar”, avaliou Maria Cecília.

Os participantes salientaram, ainda, que a tentativa de modificar o Código Florestal faz parte de uma série de ações voltadas para enfraquecer as legislações ambientais e sociais no Brasil. Foram citadas, ainda, a retirada de poderes do Ibama no combate ao desmatamento, a alteração do Sistema Nacional de Unidades de Conservação, as propostas de mudar as leis que regulam a atividade de mineração e a flexibilização de critérios para demarcar e criar terras indígenas, entre outros pontos.

“Querem acabar com todos os avanços da Constituição de 1988, esse é o grande projeto dos ruralistas”, criticou Nilo d’Ávila, do Greenpeace. O deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) afirmou que a agricultura familiar, principal responsável pela produção de alimentos no país, foi esquecida no substitutivo. “O Brasil que o agronegócio quer é aquele que concentra renda e terra, é o Brasil desigual que só dá lucro para os exportadores de soja e cana”, criticou.

O universitário Rodolfo Mohr, diretor de movimentos sociais da União Nacional dos Estudantes (UNE), destaca que os estudantes brasileiros estão prontos para saírem às ruas exigindo que a presidente da República vete os dispositivos que promovam novos desmatamentos e que anistiem crimes ambientais. “Temos assistido, nos últimos governos, à traição sistemática de compromissos populares feitos nas campanhas de 2002, 2006 e 2010, por causa de acordos com banqueiros e com o agronegócio. Só com pressão Dilma vai cumprir suas promessas”, concluiu o líder estudantil.

Vamos, então, entupir o Palácio do Planalto de e-mails, como disse João Pedro Stédile. Acesse o site http://bit.ly/sp9jre e participe da campanha “Veta, Dilma”.


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (3)

Álbum de fotos (3)

Marcadores

Comentários



Parceria inédita entre Acre e o Sabá, na Malásia, é apresentada na Rio+20
Parceria inédita entre Acre e o Sabá, na Malásia, é apresentada na Rio+20
Show de percussão e DJs animam a Hora do Planeta em Brasília
Show de percussão e DJs animam a Hora do Planeta em Brasília
Programa oficial pretende recuperar e proteger o que resta do Cerrado
Programa oficial pretende recuperar e proteger o que resta do Cerrado
No dia mundial da água, faça sua parte
No dia mundial da água, faça sua parte
Governo federal anuncia novas unidades de conservação no Amazonas, mas frustra expectativas
Governo federal anuncia novas unidades de conservação no Amazonas, mas frustra expectativas
Contas nacionais e o incalculável valor da natureza
Contas nacionais e o incalculável valor da natureza
Um eco distante
Um eco distante
CONSUMO CONSCIENTE: A conta que não fecha
CONSUMO CONSCIENTE: A conta que não fecha
Posição internacional forte e mais atenção à biodiversidade no país
Posição internacional forte e mais atenção à biodiversidade no país
Relatório Anual traz destaques e prestação de contas das atividades do WWF-Brasil em 2007
Relatório Anual traz destaques e prestação de contas das atividades do WWF-Brasil em 2007
Senado pode corrigir rumos do debate sobre Código Florestal
Senado pode corrigir rumos do debate sobre Código Florestal
Rede WWF: 50 anos de sucesso em conservação
Rede WWF: 50 anos de sucesso em conservação
Projeto ensina a colher sementes do Cerrado
Projeto ensina a colher sementes do Cerrado
Primeiro passo para implementação das metas de conservação da biodiversidade no Brasil
Primeiro passo para implementação das metas de conservação da biodiversidade no Brasil
Mais de 50 voluntários participam do lançamento da exposição sobre água em SP
Mais de 50 voluntários participam do lançamento da exposição sobre água em SP
Do Carecuru ao porto de Itacoaquera
Do Carecuru ao porto de Itacoaquera
COP-18 precisa colocar negociações do clima de volta ao trilho da ciência
COP-18 precisa colocar negociações do clima de volta ao trilho da ciência
Expedição Juruena-Apuí: 180 anos depois da Langsdorff
Expedição Juruena-Apuí: 180 anos depois da Langsdorff
Novo visual nos 15 anos do WWF-Brasil
Novo visual nos 15 anos do WWF-Brasil
Expedição marca o lançamento do Movimento pelas Águas de Reserva do Cabaçal
Expedição marca o lançamento do Movimento pelas Águas de Reserva do Cabaçal