Aguarde...

Tendência mundial das áreas protegidas é unir biológico e social




A criação de áreas protegidas que permitem o uso sustentável dos recursos naturais tem sido uma das principais estratégias para responder ao desafio da conservação. Elas são classificadas pela UICN - União Mundial pela Conservação como categoria VI, cuja definição está em debate na “Oficina Internacional sobre a Categoria VI da UICN”, que começou hoje (14) na sede do WWF-Brasil, em Brasília, e vai até sexta-feira (16).

A UICN é uma das mais antigas e respeitadas uniões de instituições  e pessoas do mundo inteiro interessadas na defesa do meio ambiente. Com pouco mais de 60 anos de existência, atualmente é formada por cerca de mil membros institucionais, governamentais e não-governamentais, de atuação local, nacional e/ou internacional. Possui ainda em torno de 10 mil voluntários, dos quais aproximadamente 1,5 mil são especialistas em áreas protegidas.

Há seis categorias de áreas protegidas definidas pela UICN em 1992 e aprovadas pela assembléia geral da rede em 1994. Como a natureza não conhece fronteiras político-administrativas, o debate entre os países sobre suas estratégias de conservação é fundamental. “As categorias da UICN funcionam como um nome científico, para uniformizar a linguagem com relação às discussões em torno das áreas protegidas em todo o mundo”, explicou a vice-presidente da Comissão Mundial de Áreas Protegidas da UICN, Sônia Rigueira.

Em 2004 foi iniciado um processo mundial de revisão dessas seis categorias, com o objetivo de aprofundar o debate conceitual sobre elas e detalhar melhor suas características. A oficina é umas das reuniões preparatórias que acontecem no mundo inteiro, antes da reunião geral que ocorrerá em maio, na Espanha. Nela, os especialistas devem consolidar suas propostas em um texto a ser submetido aos participantes do Congresso Mundial de Conservação, que acontece a cada quatro anos e que em 2008 também será realizado na Espanha.

O superintendente de Programas Regionais do WWF-Brasil, Cláudio Maretti, coordena o sub-grupo de trabalho responsável pelo processo de revisão da Categoria VI. Ele citou alguns pontos que precisam ser aprofundados nesse debate, entre eles: o limite máximo da unidade a ser destinada ao uso sustentável (há uma diretriz da IUCN de que 2/3 da área seja mantida em estado natural) e os direitos e as responsabilidades dos seus moradores e usuários.

“O Brasil vem historicamente contribuindo para os esforços internacionais de conceituação das áreas protegidas. Um dos marcos de construção da categoria VI foi justamente a aliança entre os movimentos sociais e os ambientalistas na Amazônia”, afirmou Maretti. “A categoria VI é a mais promissora, mas justamente por isso a mais desafiadora, porque une uso sustentável e conservação”, completou.

O assessor de Política Social da UICN, Gonzalo Oviedo, concordou com a avaliação de Maretti de que haverá um crescimento das áreas protegidas da categoria VI. “Para resolver os problemas técnicos é preciso, compreender os fenômenos sócio-políticos dos países. A tendência é realmente a de conjugar a questão biológica com a social”, declarou.

Atualmente há cerca de 44 mil áreas protegidas que ocupam 10% da superfície terrestre. Cerca de 23% dessa área é formado por unidades de conservação da categoria VI. No Brasil, há três tipos de áreas protegidas que se enquadram nela: as Reservas Extrativistas (Resex), as Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDS) e as Florestas (Nacionais, Estaduais e Municipais). Dados do Cadastro Nacional de Unidades de Conservação, de julho do ano passado, informam que havia no país 63 Florestas Nacionais, 39 Florestas Estaduais, 48 Reservas Extrativistas Federais, 24 Reservas Extrativistas Estaduais, uma Reserva de Desenvolvimento Sustentável Federal e 13 Reservas de Desenvolvimento Sustentável Estaduais.



Fonte: WWF - Brasil


Álbum (1)

Álbum de fotos (1)

Marcadores

Comentários



Tensão em alta na fronteira com a Guiana Francesa
Tensão em alta na fronteira com a Guiana Francesa
WWF-Brasil participa de Simpósio de Áreas Protegidas
WWF-Brasil participa de Simpósio de Áreas Protegidas
Redescubra o Cerrado no metrô de São Paulo
Redescubra o Cerrado no metrô de São Paulo
Biodiversidade é retratada no Foto Arte 2007
Biodiversidade é retratada no Foto Arte 2007
WWF-Brasil é homenageado nos 50 anos do Estado do Acre
WWF-Brasil é homenageado nos 50 anos do Estado do Acre
3ª edição do Prêmio Personalidade Ambiental vai para o casal Lélia Wanick e Sebastião Salgado
3ª edição do Prêmio Personalidade Ambiental vai para o casal Lélia Wanick e Sebastião Salgado
Veja quem votou contra ou a favor das alterações no Código Florestal
Veja quem votou contra ou a favor das alterações no Código Florestal
Inimigos das florestas querem ampliar anistia a desmatadores
Inimigos das florestas querem ampliar anistia a desmatadores
Movimento Cyan lança sistema de descontos para quem economizar água
Movimento Cyan lança sistema de descontos para quem economizar água
Tendência mundial das áreas protegidas é unir biológico e social
Tendência mundial das áreas protegidas é unir biológico e social
Seminário avalia Plano BR-163 Sustentável com sociedade civil e governo
Seminário avalia Plano BR-163 Sustentável com sociedade civil e governo
Copenhague apagará suas luzes contra mudanças climáticas
Copenhague apagará suas luzes contra mudanças climáticas
DE OLHO NO CLIMA: Estados Unidos pisam na bola em Bonn
DE OLHO NO CLIMA: Estados Unidos pisam na bola em Bonn
ONGs cobram metas mais ambiciosas da CDB
ONGs cobram metas mais ambiciosas da CDB
Seminário debate justiça social em áreas protegidas
Seminário debate justiça social em áreas protegidas
ONGs ambientalistas discutem com Carlos Minc Pacto pela Valorização da Floresta e pelo Fim do Desmatamento na Amazônia
ONGs ambientalistas discutem com Carlos Minc Pacto pela Valorização da Floresta e pelo Fim do Desmatamento na Amazônia
Governo planeja construir sete hidrelétricas na bacia do rio Aripuanã
Governo planeja construir sete hidrelétricas na bacia do rio Aripuanã
PRIMATAS: Nova espécie de macaco é tombada no Museu Emílio Goeldi, em Belém (PA)
PRIMATAS: Nova espécie de macaco é tombada no Museu Emílio Goeldi, em Belém (PA)
Movimento CYAN e WWF-Brasil iniciam recuperação do Córrego Crispim
Movimento CYAN e WWF-Brasil iniciam recuperação do Córrego Crispim
No Pantanal, professores unidos pela sustentabilidade
No Pantanal, professores unidos pela sustentabilidade