Aguarde...

São Paulo apagará as luzes na Hora do Planeta 2011




A cidade de São Paulo confirmou nesta segunda-feira sua adesão à Hora do Planeta 2011. Participante do movimento global desde a sua primeira realização no Brasil, em 2009, a cidade apagará luzes de monumentos e ícones  no próximo dia 26, de 20h30 às 21h30 (hora local) para mostrar sua preocupação com o meio ambiente e a saúde do planeta.

"Cada ano vamos agregando novos monumentos paulistanos, e assim aumentando a participação da cidade de São Paulo na Hora do Planeta", afirmou o prefeito Gilberto Kassab, ao confirmar a adesão da cidade. Este ano serão apagados em São Paulo: a Ponte Octávio Frias de Oliveira (Ponte Estaiada), o Obelisco do Ibirapuera, o Monumento às Bandeiras, o Teatro Municipal, o Mercado Municipal e o Estádio do Pacaembu. A Biblioteca Municipal Mário de Andrade, re-inaugurada no último mês de janeiro, também terá suas luzes apagadas. 

Durante a audiência de adesão, o prefeito lembrou o recente falecimento do jornalista Sidnei Basile, conselheiro do WWF-Brasil e vice-presidente de relações institucionais do Grupo Abril. "Ele foi um baluarte da participação da cidade de São Paulo na Hora do Planeta, desde a primeira edição em 2009. Foi ele a primeira pessoa que me falou sobre esse ato simbólico contra o aquecimento global", disse o prefeito, antes de assinar o termo de adesão. 

Presente na solenidade, o presidente do Conselho Diretor do WWF-Brasil, Álvaro de Souza, afirmou que a participação da cidade de São Paulo é fundamental para a disseminação da Hora do Planeta no Brasil, e consequentemente a conscientização da população brasileira para a ameaça das mudanças climáticas. "A meta da Rede WWF era conquista a adesão das 25 megacidades do mundo, o WWF-Brasil contribuiu para ultrapassar essa meta com a inclusão de São Paulo ao movimento", disse Souza.

"As luzes apagadas dos monumentos da maior cidade do país são uma forma muito especial de chamar a atenção de cerca de 11 milhões de pessoas para a importância de se agir pela conservação do planeta", afirmou Regina Cavini, superintendente de Desenvolvimento Organizacional do WWF-Brasil e diretora geral da Hora do Planeta. 

Nesse ano de 2011, o WWF-Brasil tem incentivado as cidades participantes do movimento que, além do apagar das luzes, se comprometam com a conservação da natureza e desenvolvam projetos que visem sua sustentabilidade ambiental.  Ações de promoção do uso de meios de transporte menos poluentes e da coleta de lixo seletiva, são alguns exemplos do que pode ser feito.  A população de São Paulo, que tem sofrido constantemente com as consequências das fortes chuvas a cada ano - que geram diversos pontos de alagamento, complicando ainda mais o intenso trânsito da cidade e causando inclusive mortes - será a principal beneficiada. 

Além disso, em 2011, o apagar das luzes no dia 26 de março na capital do Estado de São Paulo terá também um motivo de celebração: no fim do ano de 2010, foi criado o Parque Estadual Restinga de Bertioga, uma unidade de conservação que protege 9,3 mil hectares de Mata Atlântica. Esta área protegida ajudará a manter a biodiversidade e serviços ambientais úteis a toda a sociedade, e será um espaço dedicado ao ecoturismo, lazer e educação ambiental para os brasileiros.

Hora do Planeta no Brasil:

Até o momento, 35 cidades, incluindo 8 capitais, formalizaram a adesão à Hora do Planeta 2011. A maior parte delas também participa pela terceira vez. Outras 17 prefeituras encontram-se já na fase final de entrega do documento, que traz a indicação de quais monumentos serão apagados.  As outras sete capitais que aderiram são Aracaju (SE), Goiânia (GO), Natal (RN), Rio de Janeiro (RJ), Vitória (ES), Rio Branco (AC) e Campo Grande (MS).

A Frente Nacional de Prefeitos (FNP), representando 400 municípios, é parceira da Hora do Planeta no Brasil neste ano.

Hora do Planeta no mundo:

A cinco dias da Hora do Planeta, o movimento global já bateu o recorde de participações do ano passado. Em 2011, 131 países e territórios ao redor do mundo irão apagar as luzes de seus monumentos ícones e espaços públicos celebrando a ação pela conservação do planeta.

Já são cerca de 3.800 cidades, em 131 países, sendo 26 megacidades, entre as quais, Délhi, Mumbai, Buenos Aires, Moscou, Teerã, Istambul, Londres e Rio de Janeiro. Os sete continentes e todos os países que compõem o G-20 também estão representados.

Representantes de prefeituras podem aderir oficialmente o município enviando e-mail para: cidades@wwf.org.br.

26 de março de 2011, de 20h30 às 21h30, apague as luzes para ver um mundo melhor. Cadastre-se no hotsite Hora do Planeta 2011:  www.horadoplaneta.org.br


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (1)

Álbum de fotos (1)

Marcadores

Comentários



Pegada Ecológica é lançada em Campo Grande
Pegada Ecológica é lançada em Campo Grande
ONGs cobram de Lula criação de reservas extrativistas na Amazônia
ONGs cobram de Lula criação de reservas extrativistas na Amazônia
Expedição foi um marco nas atividades de campo, diz chefe do parque
Expedição foi um marco nas atividades de campo, diz chefe do parque
Comunidades locais e povos indígenas contribuem para a conservação da biodiversidade
Comunidades locais e povos indígenas contribuem para a conservação da biodiversidade
Representantes do WWF-Brasil vão a jantar com Marina Silva
Representantes do WWF-Brasil vão a jantar com Marina Silva
Hora do Planeta já começou no mundo
Hora do Planeta já começou no mundo
Onda de ecosurfistas invade o Ibirapuera
Onda de ecosurfistas invade o Ibirapuera
Reserva do Iratapuru antenada com o mundo
Reserva do Iratapuru antenada com o mundo
O G20 e o clima
O G20 e o clima
WWF-Brasil faz oficina para discutir indicadores de governança das águas do país
WWF-Brasil faz oficina para discutir indicadores de governança das águas do país
Chuva e lama na foz do rio Cuc
Chuva e lama na foz do rio Cuc
Município de Apiacás terá Casa de Meio Ambiente e Cultura
Município de Apiacás terá Casa de Meio Ambiente e Cultura
ARTIGO: A natureza merece esse estímulo
ARTIGO: A natureza merece esse estímulo
Legislação florestal brasileira segue indefinida e sob risco
Legislação florestal brasileira segue indefinida e sob risco
Inimigos das florestas querem ampliar anistia a desmatadores
Inimigos das florestas querem ampliar anistia a desmatadores
Secretária-geral do WWF-Brasil discute desenvolvimento sustentável no parlamento britânico
Secretária-geral do WWF-Brasil discute desenvolvimento sustentável no parlamento britânico
A natureza guia a pesquisa na expedição científica do Juruena
A natureza guia a pesquisa na expedição científica do Juruena
Brasil e Reino Unido juntos pela conservação e uso sustentável da biodiversidade
Brasil e Reino Unido juntos pela conservação e uso sustentável da biodiversidade
WWF: negociações de Durban são oportunidade para passar do discurso à prática
WWF: negociações de Durban são oportunidade para passar do discurso à prática
Um Código para valorizar as florestas e a produção sustentável da biodiversidade
Um Código para valorizar as florestas e a produção sustentável da biodiversidade