Aguarde...

Reserva do Iratapuru antenada com o mundo




Por Nathália Clark

A criação de unidades de conservação (UC) é uma tarefa complicada. E assegurar a gestão adequada das mesmas é tão desafiador quando criá-las, principalmente em regiões muito isoladas. Porém, as UCs – ou áreas protegidas, como também são chamadas – são muito importantes para a conservação dos ecossistemas e dos recursos naturais. Na Amazônia, cerca de 37% da redução do desmatamento se deve à criação de unidades de conservação. O WWF-Brasil, visando apoiar esse difícil trabalho de implementação e manutenção correta das unidades, assinou, na semana passada, um termo de doação de equipamento de radiocomunicação para uma unidade de uso sustentável no Amapá. 

Os aparelhos foram doados à comunidade de São Miguel do Cupixi, uma das cinco que contornam a Reserva de Desenvolvimento Sustentável do rio Iratapuru (RDS do Iratapuru), no Amapá. O kit radiofônico, que já está sendo usado, inclui aparelho de rádio, antena, suporte e placa solar que alimenta a bateria, tornando o funcionamento do rádio auto-suficiente. Segundo o coordenador do Programa Áreas Protegidas da Amazônia do WWF-Brasil, Francisco Oliveira, o estabelecimento de meios de comunicação é essencial para a proteção, fiscalização e monitoramento das atividades dentro da unidade de conservação.

“Por ser uma área de difícil contato, o rádio ajuda na comunicação direta com a Secretaria de Estado do Meio Ambiente, na capital, Macapá, que, por sua vez, aciona o batalhão ambiental, dando maior agilidade à fiscalização”, explicou.

O recurso para compra desse material provém do Fundo Gradual Amazônia Viva, uma parceria coorporativa entre o WWF-Brasil e a Gradual Investimentos. Parte dos recursos levantados a partir das taxas de administração do fundo de investimento é revertido, anualmente, aos projetos que o WWF-Brasil apoia na Amazônia brasileira. Qualquer pessoa, física ou jurídica, que busca retornos próximos ao CDI – ou Certificado de Depósito Interfinanceiro – em Renda Fixa, com perfil de investimento conservador, e que tenha interesse em contribuir na conservação da Floresta Amazônica pode aplicar no fundo.

Importância geológica e biológica da reserva

Com 806.184 hectares, a RDS do rio Iratapuru foi criada por meio da Lei Estadual nº 0392 de 11 de dezembro de 1997. Situada nos municípios de Laranjal do Jari, Mazagão e Pedra Branca do Amapari, a unidade tem o objetivo de promover a conservação e o uso sustentável da rica biodiversidade de que é guardiã. A reserva possui como limites a Terra Indígena Waiãpi, ao norte, o curso do rio Jarí a oeste e parte da Estação Ecológica do Jarí, ao sul.

Por interligar estrategicamente o Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque à Reserva Extrativista do rio Cajari, a RDS é considerada uma área de grande importância para o Corredor da Biodiversidade do Amapá, que compreende mais de 10 milhões de hectares. Além disso, expedições à região registraram até o momento a existência de cerca de 300 espécies de aves, 125 de peixes, 105 de herpetofauna (anfíbios e répteis), mais de 80 de mamíferos (incluindo morcegos) e 20 de crustáceos.

A área é considerada de altíssima prioridade para a conservação da biodiversidade no Estado do Amapá e eleita pelo WWF-Brasil como uma das áreas de importância para a conservação da Amazônia.

Entre as centenas de espécies registradas, destaca-se a ocorrência de vários animais raros para a ciência ou ameaçados de extinção. Exemplos disso são o sapo venenoso Atelopus spumarius, somente encontrado na região, tamanduás-bandeira, ariranhas e onças-pintadas. São características da região também espécies vegetais como a castanheira, enviras, abiuranas, breus e matamatás, bem como alguns tipos de mogno.

A RDS do rio Iratapuru se localiza ao sudoeste do Amapá, na calha norte do rio Amazonas, no chamado Escudo das Guianas, região geologicamente muito antiga e biologicamente única, que compreende o norte da bacia do Amazonas. O escudo abarca, além das Guianas, parte do Suriname e Brasil. As rochas mais antigas desse escudo datam de mais de 2 bilhões de anos atrás. São chamados escudos, pois abrigam as maiores áreas de afloramento de rochas pré-cambrianas da América do Sul. É uma região geológica separada de todas as outras pelos rios Negro e Amazonas.

Uso sustentável dos recursos

A reserva, portanto, guarda sua importância na mostra significativa de fauna e flora que representam as espécies endêmicas do Escudo das Guianas, além do fato de permitir o uso sustentável desses recursos. O Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) permite que famílias vivam no entorno e dentro desse tipo de unidade de conservação, a partir da exploração sustentável dos recursos naturais ali existentes.

Na RDS do Iratapuru, os moradores exploram principalmente a castanha-do-Brasil, mas também outras espécies de valor comercial, como a andiroba, a copaíba e o camu-camu; tendo ainda potencial para pesca.

Plano de manejo

Administrada pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente (SEMA/AP), a RDS tem sua ocupação humana estimada em 150 famílias. Elas são distribuídas em cinco comunidades localizadas no seu entorno, que vivem da extração da castanha.

O WWF-Brasil apoia a elaboração do Plano de Manejo e a reestruturação do conselho deliberativo da unidade. Em de viagens a campo, foram identificadas as lacunas de comunicação e fiscalização na comunidade de São Miguel do Cupixi. Na parte nordeste da unidade, o acesso se dá através do rio Cupixi, sendo a comunidade a mais próxima da reserva e que também possui papel estratégico para a região.

O plano de manejo irá estabelecer, entre outros aspectos, as atividades que poderão ser executadas na área protegida. O documento já está em fase de finalização e deve ficar pronto até setembro. Dentre as ações pendentes estão uma oficina de planejamento participativo, prevista para fins de agosto; e a formação do conselho deliberativo, com expectativa de concluir-se no mesmo momento.

O conselho delibera sobre a gestão da unidade, e é uma das instâncias para implementação e cobrança do que está previsto no plano. A pauta da primeira reunião do conselho será justamente a discussão e aprovação do plano. O WWF-Brasil ajudou no processo de mobilização das comunidades por meio de reuniões para escolha dos membros do conselho, e mantém o apoio aos consultores e à população do entorno.

De onde vem o nome "Iratapuru"?

O nome Iratapuru é derivado do pássaro, de nome muito semelhante, Uirapuru (Cyphorhinus aradus). O Uirapuru é uma ave nativa da Amazônia e seu nome tem origem no termo do Tupi-guarani, wirapu`ru.  Esse pássaro é cercado de lendas graças ao seu canto, considerado um dos mais belos do mundo. A espécie é territorialista e defende seu território de forma bem agressiva, utilizando o canto como forma de intimidar invasores.

O Uirapuru é também um bio-indicador de ambientes íntegros e preservados. É uma ave difícil de visualizar, pois fica em ambientes escuros, sombreados, nos sub-bosques da mata. Porém, ele se alimenta de insetos, e os procura nos galhos caídos das castanheiras. Quando os galhos pendem, abre uma brecha na floresta densa e escura, por onde passa um feixe de luz e surgem comunidades de insetos.

A comunidade que trabalha com a extração de castanha-do-Brasil na região costuma ouvir bastante o canto do Uirapuru e deu ao rio e, consequentemente, à Reserva de Desenvolvimento Sustentável, uma versão adaptada do nome.


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (2)

Álbum de fotos (2)

Marcadores

Comentários



Brasil pode regredir em proteção ambiental
Brasil pode regredir em proteção ambiental
Comitê da Bacia do Rio Miranda (MS) recebe recursos do Governo Federal para revitalização
Comitê da Bacia do Rio Miranda (MS) recebe recursos do Governo Federal para revitalização
Tempo de estudar
Tempo de estudar
Brasil, Argentina, Bolívia e Paraguai definem programa para gestão da bacia do Paraguai
Brasil, Argentina, Bolívia e Paraguai definem programa para gestão da bacia do Paraguai
Relatório do WWF mostra por que salvar a natureza é salvar pessoas
Relatório do WWF mostra por que salvar a natureza é salvar pessoas
Parceiros da Alemanha e Estados Unidos visitam o Amazonas
Parceiros da Alemanha e Estados Unidos visitam o Amazonas
Mosaico de Áreas Protegidas é tema de debate no CBUC
Mosaico de Áreas Protegidas é tema de debate no CBUC
Setor privado se engaja na conservação da biodiversidade
Setor privado se engaja na conservação da biodiversidade
O jogo não acabou para as florestas brasileiras
O jogo não acabou para as florestas brasileiras
Seminário discute ações em defesa das cabeceiras do Pantanal
Seminário discute ações em defesa das cabeceiras do Pantanal
Um novo modelo de gestão territorial para Rondônia
Um novo modelo de gestão territorial para Rondônia
Concurso do WWF-Brasil leva vencedor ao Acre
Concurso do WWF-Brasil leva vencedor ao Acre
Sabores do Pantanal
Sabores do Pantanal
Tragédias expõem riscos de mudanças no Código Florestal
Tragédias expõem riscos de mudanças no Código Florestal
ONGs ambientalistas discutem com Carlos Minc Pacto pela Valorização da Floresta e pelo Fim do Desmatamento na Amazônia
ONGs ambientalistas discutem com Carlos Minc Pacto pela Valorização da Floresta e pelo Fim do Desmatamento na Amazônia
Países debatem repartição de benefícios da biodiversidade
Países debatem repartição de benefícios da biodiversidade
Medidas que têm reduzido desmatamento na Amazônia precisam ser consolidadas e ampliadas
Medidas que têm reduzido desmatamento na Amazônia precisam ser consolidadas e ampliadas
Texto da ONU sobre clima será apresentado pela primeira vez
Texto da ONU sobre clima será apresentado pela primeira vez
Aos 25 anos, Cabo Orange decifra as riquezas que protege
Aos 25 anos, Cabo Orange decifra as riquezas que protege
Araras-azuis-grandes são tema de documentário de TV Inglesa
Araras-azuis-grandes são tema de documentário de TV Inglesa