Aguarde...

Relator deve apresentar proposta de mudanças no Código Florestal esta semana




Na semana em que se comemora a Proclamação da República (15 nov), o Senado brasileiro retoma um dos projetos mais polêmicos discutidos no ano de 2011: a reforma do Código Florestal, a lei que protege os diversos ecossistemas.

O projeto está na Comissão de Meio Ambiente (CMA). O relatório do senador Jorge Viana (PT-AC) deverá ser lido na próxima quinta-feira (17). É provável que haja pedido de vista. Nesse caso, a votação deve ficar para a próxima semana.

Após a decisão da CMA, o projeto segue para exame do Plenário do Senado. Em seguida, será reenviado à Câmara, para que os deputados se manifestem sobre as modificações feitas pelos senadores.

Na semana passada, o secretário de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente, Bráulio Ferreira Dias, participou de audiência pública no colegiado. Ele afirmou que o governo espera que seis aspectos do PL sejam melhorados: incentivos econômicos para manutenção de florestas, parâmetros para a recuperação de mata ciliar, regramento para suspensão de multas por desmatamento ilegal, critérios para compensação florestal, estímulos para recuperação de área degradada, e normas para evitar incêndios florestais.

Desmonte da Legislação

Na avaliação do WWF-Brasil, a situação é crítica, pois o texto que tramita no Senado não garante a proteção dos ecossistemas, incentiva o desmatamento e ainda anistia proprietários que fizeram desmatamento ilegal.

O texto em tramitação no Congresso Nacional prevê anistia a quem desmatou ilegalmente, estimulando novos desmatamentos. O projeto estabelece que os fazendeiros que têm até quatro módulos fiscais (área que pode chegar a 440 hectares na Amazônia) e desmataram, até 2008, mais do que a lei permite, ficam desobrigados de recuperar a vegetação nativa nas reservas legais.

A proposta de reforma do Código Florestal também coloca em risco as metas brasileiras de redução nas emissões de gases de efeito estufa. O Brasil assumiu o compromisso de diminuir a curva de crescimento de suas emissões de gases estufa entre 36,1% e 38,9% até 2020. O compromisso foi estabelecido na Lei 12.187/2009, que institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima e foi também informado à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima.

“A proposta em tramitação no Congresso é uma verdadeira bomba de carbono”, avalia o coordenador do programa de mudanças climáticas do WWF-Brasil, Carlos Rittl. “Trata-se de uma enorme ameaça para a biodiversidade brasileira, para as florestas e para o clima do planeta”, diz o especialista.

Sociedade mobilizada

O WWF-Brasil tem procurado conscientizar os senadores com objetivo de aperfeiçoar a proposta em trâmite. A organização ambientalista defende que não haja redução da cobertura vegetal natural em reservas legais e áreas de proteção permanente, ou seja, ao longo dos rios e outros cursos d’água, em mangues, várzeas, áreas inclinadas e topos de morro. Também quer que sejam estabelecidos incentivos econômicos para proprietários que protegem as matas nativas. Para o WWF-Brasil, a anistia a desmatamentos ilegais é inconcebível e inaceitável e estimularia novas agressões à natureza.

A campanha Floresta Faz a Diferença, promovida pelo Comitê Brasil – coalizão de ONGs sociais e ambientais brasileiras, entre elas o WWF-Brasil – está incentivando artistas e cidadãos a assinarem petição contra as mudanças na lei. Esta semana foi lançada cartilha virtual para esclarecer a população sobre as armadilhas contidas no texto. O conjunto de assinaturas será entregue aos senadores antes da votação em plenário.

Acesse: florestafazadiferenca.com.br/home/


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (1)

Álbum de fotos (1)

Marcadores

Comentários



Queimadas assustam o Centro-Oeste do País
Queimadas assustam o Centro-Oeste do País
Audiência no Senado, com juristas, é comentada ao vivo pelo #florestafazadiferenca
Audiência no Senado, com juristas, é comentada ao vivo pelo #florestafazadiferenca
Pesquisadores pedem rigor na implementação do Código Florestal
Pesquisadores pedem rigor na implementação do Código Florestal
Exposição sobre recursos hídricos segue viagem para COP8 em Curitiba
Exposição sobre recursos hídricos segue viagem para COP8 em Curitiba
Brasil tem a maior área certificada FSC da América Latina
Brasil tem a maior área certificada FSC da América Latina
Brasil pode regredir em proteção ambiental
Brasil pode regredir em proteção ambiental
Governo de Goiás propõe a criação de três parques no Cerrado
Governo de Goiás propõe a criação de três parques no Cerrado
Vitória e Rio: as primeiras do Brasil a aderir à Hora do Planeta 2011
Vitória e Rio: as primeiras do Brasil a aderir à Hora do Planeta 2011
Novo visual nos 15 anos do WWF-Brasil
Novo visual nos 15 anos do WWF-Brasil
Nota de esclarecimento
Nota de esclarecimento
Esforço conjunto para recuperar o rio Peruaçu
Esforço conjunto para recuperar o rio Peruaçu
ONU oficializa Ano Internacional da Biodiversidade
ONU oficializa Ano Internacional da Biodiversidade
Natureza Viva ganha prêmio Chico Mendes de Meio Ambiente
Natureza Viva ganha prêmio Chico Mendes de Meio Ambiente
WWF-Brasil e Sanremo anunciam parceria para incentivar uso de produtos com maior durabilidade
WWF-Brasil e Sanremo anunciam parceria para incentivar uso de produtos com maior durabilidade
ONGs entregam manifesto sobre clima a governo
ONGs entregam manifesto sobre clima a governo
ONGs de Brasília se mobilizam pela construção de ciclovias
ONGs de Brasília se mobilizam pela construção de ciclovias
Minc sinaliza criação de novas áreas protegidas em reunião com doadores do Arpa
Minc sinaliza criação de novas áreas protegidas em reunião com doadores do Arpa
WWF-Brasil promove eventos paralelos durante o V Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação
WWF-Brasil promove eventos paralelos durante o V Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação
São Paulo amplia proteção da Mata Atlântica
São Paulo amplia proteção da Mata Atlântica
WWF-Brasil promove exposição de fotos exclusivas da Amazônia
WWF-Brasil promove exposição de fotos exclusivas da Amazônia