Aguarde...

Programa Madeira é Legal comemora dois anos de bons resultados




Evento aconteceu nesta quarta (29/06), em SP, com representantes de governos, sociedade civil e setor produtivo. Foram lançadas duas publicações sobre sustentabilidade na cadeia produtiva madeireira. Sérgio Besserman, conselheiro do WWF-Brasil, fez a palestra de abertura.

Bruno Taitson, de São Paulo

São Paulo tem conseguido reduzir de forma significativa a entrada e a comercialização de madeira ilegal no estado nos últimos anos, segundo dados da Secretaria de Meio Ambiente do Estado e da Polícia Militar Ambiental. O programa Madeira é Legal, lançado em 2009, tem dado uma importante contribuição para a legalização progressiva da cadeia madeireira no território paulista.

Nesta quarta, 29 de junho, foi realizado um seminário na capital, para mostrar à sociedade os resultados da iniciativa, que busca incentivar e promover o uso da madeira de origem legal e certificada na construção civil no Estado e no Município de São Paulo. As instituições que participam do Programa também lançaram duas publicações, que buscam contribuir para a construção de cadeias produtivas madeireiras sustentáveis, desde a floresta até o ponto de venda.

O economista Sérgio Besserman, conselheiro do WWF-Brasil, fez a palestra magna do evento. Ele destacou a crise ambiental sem precedentes vivida pela humanidade e elogiou o programa Madeira é Legal. “É uma iniciativa extraordinária. As diferenças entre produtos certificados e não-certificados estão sendo mostradas, bem como a necessidade de se pagar mais pelo que é sustentável. Trata-se de construir uma nova precificação de produtos em função de uma visão estratégica”, avaliou.

Também foram lançadas duas publicações. O guia Aquisição responsável de madeira na construção civil, assinado pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil de São Paulo (SindusCon-SP) e pelo WWF-Brasil, mostra com números e informações técnicas a importância da utilização de madeira de origem legal ou, idealmente, certificada, no setor da construção. As experiências positivas do Madeira é Legal também são relatadas pelos representantes das instituições envolvidas no programa.

A FGV apresentou para o público o livro Madeira de ponta a ponta: o caminho desde a floresta até o consumo. Segundo Malu Villela, do Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas (GVces), o objetivo da publicação é apresentar um diagnóstico do segmento madeireiro no Brasil. “O livro revela a diversidade de fraudes na cadeia de produção, transporte e comercialização da madeira, bem como iniciativas e boas práticas que se disseminam”, afirmou.

Lilian Sarrouf, coordenadora técnica do Comitê de Meio Ambiente (Comasp) do SindusCon-SP, entende que, se a construção civil consumir produtos madeireiros de forma consciente, abandonará de vez a imagem de vilão do desmatamento e passará a ser o setor que mais contribui para proteger a floresta. “Estamos nesse caminho. Madeira legal é obrigação, o próximo passo é a madeira certificada, que já sabemos que é viável”, avaliou.

Francisco Antunes Vasconcelos Neto, vice-presidente de meio ambiente do SindusCon-SP, ressaltou o aspecto multissetorial do programa. “Soluções para problemas de alta complexidade têm, necessariamente, que ser desenvolvidas em conjunto”, disse.

Ele também entregou, a representantes das construtoras Barbara, DMO, EBM, Inmax, Tarjab, e Tecnisa, certificados de adesão à Rede Global de Floresta e Comércio (GFTN). A GFTN congrega, em todo o mundo, cerca de 400 organizações comprometidas com o manejo e consumo responsável de produtos florestais, abrindo mercados internacionais para seus associados.

Entre os resultados do Madeira é Legal também está a capacitação de diversos atores envolvidos, direta ou indiretamente, na cadeia produtiva madeireira. Houve treinamentos para centenas de policiais militares ambientais, para que o processo de fiscalização da entrada e venda de madeira ilegal fosse aprimorado. Empresários e representantes de construtoras também foram capacitados.

De acordo com Dimitrios Paleologos, vice-presidente do Sindicato do Comércio Atacadista de Madeiras do Estado de São Paulo (Sindimasp), os cursos e palestras ministrados para madeireiros no âmbito do Madeira é Legal têm sido de grande importância. “A desinformação no setor é grande, por isso é fundamental disseminar as práticas legais e corretas. Para o madeireiro, o desmatamento é péssimo. Se acabarem as florestas, acaba o nosso negócio”, observou.

Carlos Beduschi, da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, apresentou os resultados do Cadmadeira, cadastro que registra e atesta a legalidade dos comerciantes de madeira nativa no estado. “Existem mais de 300 empresas cadastradas. Desde junho de 2009 é obrigatório fazer parte desse cadastro para participar de processos de compras públicas envolvendo produtos madeireiros”, explicou Beduschi.
Malu Villela, do GVces, acrescentou que um importante desafio é acrescentar, em nível nacional, critérios de sustentabilidade nas aquisições governamentais de madeira. “É fundamental que a lei 8.666 [lei que rege as licitações no país] passe a incluir a certificação entre critérios de compras. Seria um passo muito importante a ser dado”, concluiu.
Também participaram do seminário o secretário municipal do Verde e do Meio Ambiente de São Paulo, Eduardo Jorge, o gerente do Programa Nacional de Florestas do Ministério do Meio Ambiente, Hélio Pereira, e Márcio Nahuz, pesquisador do Centro de Tecnologia e Recursos Florestais do IFT.
São signatárias do programa Madeira é Legal as seguintes organizações: governos estadual e Municipal de São Paulo, Sindicato da Indústria da Construção Civil de Grandes Estruturas do Estado de São Paulo (SindusCon–SP), a Associação Paulista de Empresários de Obras Públicas (APEOP), a Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura (AsBEA), o WWF-Brasil, o Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas (GVCes), o Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social, o Conselho Brasileiro de Construção Sustentável (CBCS), a Associação de Produtores Florestais Certificados na Amazônia (PFCA), o Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo (SECOVI-SP), a Associação de Pequenas e Médias Empresas de Construção Civil do Estado de São Paulo (APeMEC), o Conselho Brasileiro de Manejo Florestal (FSC Brasil), o Sindicato do Comércio Atacadista de Madeiras do Estado de São Paulo (SINDIMASP), a Associação Nacional dos Produtores de Pisos de Madeira (ANPM), o Sindicato da Indústria do Mobiliário de São Paulo (SINDIMOV), a Associação das Empresas de Loteamento e Desenvolvimento Urbano (AELO), a Sociedade Brasileira de Silvicultura (SBS), o Instituto de Engenharia, o Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (INMETRO), o ICLEI - Governos Locais pela Sustentabilidade, o Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT), e o Instituto São Paulo Sustentável (Movimento Nossa São Paulo). O programa permanece aberto para novas adesões.


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (2)

Álbum de fotos (2)

Marcadores

Comentários



Expedição desvenda área úmida na Amazônia
Expedição desvenda área úmida na Amazônia
Repams e WWF-Brasil estimulam criação de reservas particulares no MS
Repams e WWF-Brasil estimulam criação de reservas particulares no MS
Criação da Resex Baixo Rio Branco- Jauaperi é cada vez mais urgente
Criação da Resex Baixo Rio Branco- Jauaperi é cada vez mais urgente
Hora do Planeta pelo mundo: Vaticano, escoteiros e um salto para a história
Hora do Planeta pelo mundo: Vaticano, escoteiros e um salto para a história
WWF doa US$ 3,3 milhões para Amazônia
WWF doa US$ 3,3 milhões para Amazônia
Ministra do Meio Ambiente recebe manifesto de ONGs contra obras de infraestrutura no sul da Bahia
Ministra do Meio Ambiente recebe manifesto de ONGs contra obras de infraestrutura no sul da Bahia
Os desafios da gestão do maior parque nacional do Brasil
Os desafios da gestão do maior parque nacional do Brasil
Rede WWF marca presença no primeiro dia das negociações sobre clima
Rede WWF marca presença no primeiro dia das negociações sobre clima
Falta coerência à política climática no Brasil, dizem ONGs
Falta coerência à política climática no Brasil, dizem ONGs
Professor quer ver o patrimônio natural de Oiapoque valorizado
Professor quer ver o patrimônio natural de Oiapoque valorizado
Já estamos na região amazônica
Já estamos na região amazônica
Brasil dá exemplo de conscientização e Hora do Planeta bate todos os recordes
Brasil dá exemplo de conscientização e Hora do Planeta bate todos os recordes
Plano de Manejo da Reserva Extrativista Cazumbá-Iracema é oficializado
Plano de Manejo da Reserva Extrativista Cazumbá-Iracema é oficializado
Semana da Mata Atlântica
Semana da Mata Atlântica
Ibope: brasileiro quer cuidar do lixo, mas não é atendido
Ibope: brasileiro quer cuidar do lixo, mas não é atendido
Reunião do conselho do mosaico da amazônia meridional
Reunião do conselho do mosaico da amazônia meridional
Notícias da Hora do Planeta da Noruega até a Inglaterra
Notícias da Hora do Planeta da Noruega até a Inglaterra
Participantes da Expedição Científica Juruena descrevem dinâmica da pesquisa em campo
Participantes da Expedição Científica Juruena descrevem dinâmica da pesquisa em campo
O alerta que vem do cerrado
O alerta que vem do cerrado
Descobertas na Amazônia são extraordinárias: na última década, novas espécies foram encontradas a cada três dias
Descobertas na Amazônia são extraordinárias: na última década, novas espécies foram encontradas a cada três dias