Aguarde...

Presidenciáveis assumem compromisso em defesa das florestas




Por SOS Florestas

Os quatro principais candidatos à Presidência da República que receberam o questionário de 12 organizações socioambientalistas brasileiras coligadas no SOS Florestas, sobre as mudanças no Código Florestal, responderam às perguntas e se manifestaram contra os principais pontos da proposta, em especial o que anistia quem desmatou ilegalmente. Os candidatos rejeitaram as medidas que fragilizam a proteção às florestas no Brasil. Responderam ao questionário Dilma Rousseff (PT),  José Serra (PSDB), Marina Silva (PV) e Plínio de Arruda Sampaio (PSOL). Leia aqui as respostas de cada candidato e a análise das respostas.
 
Na terça-feira, 21/09, membros do SOS Florestas encaminham ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Ricardo Lewandowski, as respostas dos candidatos com o pedido de que sejam anexadas aos programas de governo apresentado por eles.
 
Todos, de alguma forma, reconheceram que eventos catastróficos, como deslizamentos de encostas e inundações, registrados no país com expressivo número de vítimas, estão diretamente relacionados à falta de cobertura vegetal e ocupação irregular de áreas frágeis. Além da postura contrária à anistia a quem desmatou ilegalmente, defenderam a necessidade de recuperar as áreas e estimular a regularização das propriedades sem ter que mudar a lei. Dessa forma, se colocam em oposição à posição defendida pelos ruralistas e acolhida pelo deputado Aldo Rebelo.
 
Para os quatro candidatos, é um pressuposto equivocado considerar a proteção às florestas como entrave ao agronegócio, como defendem os que apoiaram o relatório do deputado Rebelo. Uma equipe de pesquisadores da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq-USP), liderada pelo professor doutor Gerd Sparovek, mostra que há no país 61 milhões de hectares de pastagens em terras com elevada ou média aptidão agrícola, tamanho equivalente a toda a área agrícola utilizada até hoje (67 milhões de hectares). Ao mesmo tempo, a maior parte da pecuária brasileira tem baixíssima produtividade (1,1 boi/hectare), embora já seja amplamente dominada a tecnologia para aumentar esse índice. Há, portanto, desperdício e mau uso das terras já disponíveis.
 
Todas as respostas consideraram ser dever dos particulares manter florestas em suas propriedades, e não só do Estado. O candidato do PSOL, Plínio de Arruda Sampaio, é mais explícito ao defender a necessidade de criação de legislação que obrigue os particulares a manter as florestas em seus imóveis.
 
Questionados sobre a relação entre as possíveis alterações no Código Florestal e a Política Nacional de Mudanças Climáticas, todos os candidatos afirmaram que não é possível cumprir as metas de redução das emissões brasileiras se o projeto for sancionado da maneira como foi aprovado na comissão especial, em 6 de julho deste ano. Os candidatos admitiram a necessidade de desenvolver uma economia genuinamente florestal, zerar o desmatamento, adotar novos instrumentos e desenvolver pesquisas.
 
Os quatro presidenciáveis reforçaram a necessidade de mais diálogo com a sociedade para que não se aprove uma proposta que atenda apenas a interesses imediatos de um determinado setor. Os candidatos da oposição acusaram o governo Lula de ter sido dúbio na questão, enquanto Dilma afirma que o governo já estaria caminhando nesse sentido.
 
Para as organizações socioambientalistas que formularam o questionário, as discussões que levaram à proposta de alteração aprovada na comissão especial não conseguiram envolver adequadamente todos os setores, sobretudo a Academia. Grande parte das reuniões realizadas pelo país foram organizadas pelos sindicatos rurais, e só foram levadas em consideração as manifestações que corroboravam as posições pré-concebidas dos ruralistas. Agora os candidatos prometem tomar as rédeas desse processo, com uma metodologia mais participativa.
 
Na reunião de 6 de julho, os integrantes da Comissão Especial que votaram favoráveis aos relatório de Aldo Rebelo foram : Anselmo de Jesus (PT-RO), Homero Pereira (PR-MT), Luis Carlos Heinze (PP-RS), Moacir Micheletto (PMDB-PR), Paulo Piau (PPS-MG), Valdir Colatto (PMDB-SC), Hernandes Amorim (PTB-RO), Marcos Montes (DEM-MG), Moreira Mendes (PPS-RO), Duarte Nogueira (PSDB-SP),  Aldo Rebelo (PCdoB-SP), Reinhold Stephanes (PMDB-PR), Eduardo Seabra (PTB-AP),
 
Contrários ao relatório, votaram: Dr. Rosinha (PT-PR), Ricardo Tripoli (PSDB-SP), Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), Sarney Filho (PV-MA), Ivan Valente (PSOL-SP).
 
A proposta volta a ser analisada pelos deputados depois das eleições. No entanto, não há ainda prazo definido para a inclusão do texto na pauta.

Organizações que apoiam esta iniciativa:
  • Associação Ambientalista Copaíba
  • Fundação SOS Mata Atlântica
  • Greenpeace
  • Grupo Ambientalista da Bahia – GAMBA
  • Instituto Ambiental Vidagua
  • Instituto Centro de Vida (ICV)
  • Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola – IMAFLORA
  • Instituto Socioambiental (ISA)
  • Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais
  • Mira-serra
  • Rede de ONGs da Mata Atlântica
  • WWF-Brasil


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (1)

Álbum de fotos (1)

Marcadores

Comentários



Governo recebe documento sobre áreas protegidas e clima
Governo recebe documento sobre áreas protegidas e clima
Votação do Código é adiada: sociedade deve manter-se vigilante
Votação do Código é adiada: sociedade deve manter-se vigilante
Mosaico de Áreas Protegidas é tema de debate no CBUC
Mosaico de Áreas Protegidas é tema de debate no CBUC
Efetividade de gestão das unidades de conservação do Brasil aumentou nos últimos cinco anos, aponta estudo do WWF-Brasil e ICMBio.
Efetividade de gestão das unidades de conservação do Brasil aumentou nos últimos cinco anos, aponta estudo do WWF-Brasil e ICMBio.
Hora do Planeta chega ao espaço sideral
Hora do Planeta chega ao espaço sideral
Código Florestal: texto é bom, para quem desmatou
Código Florestal: texto é bom, para quem desmatou
IR Ecológico será discutido em Fortaleza
IR Ecológico será discutido em Fortaleza
Hora do Planeta pelo mundo: Vaticano, escoteiros e um salto para a história
Hora do Planeta pelo mundo: Vaticano, escoteiros e um salto para a história
Curso capacita gestores de UCs do Mato Grosso do Sul
Curso capacita gestores de UCs do Mato Grosso do Sul
Saúde humana tem ligação direta com a saúde das florestas
Saúde humana tem ligação direta com a saúde das florestas
Hora do Planeta 2013 registra apoio de 113 cidades
Hora do Planeta 2013 registra apoio de 113 cidades
Videocasts - Encontro setor privado
Videocasts - Encontro setor privado
17 capitais brasileiras estão na Hora do Planeta
17 capitais brasileiras estão na Hora do Planeta
Boto é declarado símbolo de conservação para o departamento de Beni, Bolívia
Boto  é declarado símbolo  de  conservação para o  departamento de Beni, Bolívia
Presidente Dilma tem razões e apoio para vetar
Presidente Dilma tem razões e apoio para vetar
Piquenique, cinema e Código Florestal agitam fim de semana paulistano
Piquenique, cinema e Código Florestal agitam fim de semana paulistano
Juazeiro do Norte, terra de Padre Cícero, de novo presente na Hora do Planeta
Juazeiro do Norte, terra de Padre Cícero, de novo presente na Hora do Planeta
WWF-Brasil discute Reforma Agrária e Meio Ambiente
WWF-Brasil discute Reforma Agrária e Meio Ambiente
Uma pequena vitória para o clima
Uma pequena vitória para o clima
WWF-Brasil lança publicação voltada para madeira legal
WWF-Brasil lança publicação voltada para madeira legal