Aguarde...

Pnuma e FAO lançam campanha para reduzir desperdício de alimentos no mundo


A cada ano, 1,3 bilhão de toneladas de alimento são perdidas ou desperdiçadas no mundo. Diante da expectativa de alguns especialistas, que acreditam que essas perdas podem ser revertidas com mudanças de padrões de produção e consumo, representantes do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) e da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) lançaram na última terça-feira (22), em Genebra, uma campanha intitulada “Pensar, Comer, Preservar” para tentar estimular novas ações em todo o planeta.

Segundo o sub-secretário-geral e diretor executivo do Pnuma, Achim Steiner, a proposta é revelar a situação atual e apresentar modelos que foram adotados com sucesso para minimizar o desperdício. Steiner acredita que essas informações podem estimular um novo debate no mundo e uma reflexão sobre o que deve ser feito para reverter o cenário.

O representante do Pnuma lembrou as projeções que indicam que a população mundial deve passar de sete bilhões de pessoas para nove bilhões até 2050, o que significa um crescimento da demanda por alimentos. “Não faz sentido, economicamente, ambientalmente e eticamente, desperdiçar alimentos”, disse, destacando o impacto do desperdício e da pressão pela maior produção de alimentos sobre o meio ambiente.

“São desperdiçados também recursos como água, terras cultiváveis, insumos agrícolas e tempo de trabalho, sem contar a geração de gases estufa pela comida em decomposição e pelo transporte dos alimentos. Para termos uma vida verdadeiramente sustentável, precisamos transformar a maneira como produzimos nossos alimentos”, acrescentou Steiner.

De acordo com dados divulgados por representantes da FAO, 20% de todas as terras do mundo já são cultivadas pela agricultura, que também responde pelo consumo de 70% da água doce do mundo. A organização também destaca que quase metade da comida descartada nas regiões industrializadas ainda poderia ser consumida. O volume de desperdício das nações mais ricas soma quase 300 toneladas por ano, quantidade que, segundo a FAO, é equivalente à toda a produção de alimentos da África Subsaariana e suficiente para alimentar 870 milhões de pessoas.

Diretora do departamento de Infraestrutura Rural e Agroindústrias da FAO, Eugenia Serova, defendeu uma profunda mudança nas formas de consumo e produção de alimentos. Ela lembrou que, apesar de os países desenvolverem diferentes padrões agrícolas, “todos desperdiçam comida, em maior ou menor volume”. Dados da FAO revelam que um terço dos alimentos produzidos no mundo é perdido durante os processos de produção e venda, o equivalente a US$ 1 trilhão.

O movimento lançado hoje pelos órgãos das Nações Unidas é resultado de debate que ganhou força durante a Rio +20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, que ocorreu em junho do ano passado, no Rio de Janeiro. Durante o encontro, os chefes de Estado que participaram das negociações concordaram em adotar iniciativas para mudar os padrões de consumo e produção em seus países.

A campanha reúne em um portal da internet informações em mais de quatro idiomas, incluindo o português, sobre ações organizadas em todo o mundo. O site destaca dicas para os consumidores sobre o que fazer para reduzir as perdas, como elaborar listas e comprar vegetais que, mesmo não atendendo o padrão dos mercados, estão plenamente adequados para o consumo. As orientações também são voltadas para comerciantes que podem medir melhor o desperdício e evitar algumas perdas.

Carolina Gonçalves, da Agência Brasil


Álbum (1)

Álbum de fotos (1)

Marcadores

Comentários



Praça Victor Civita exibe filmes ao ar livre
Praça Victor Civita exibe filmes ao ar livre
Inglês constrói escritório flutuante para estudar impactos das mudanças climáticas
Inglês constrói escritório flutuante para estudar impactos das mudanças climáticas
Brasil consegue apoio de 120 países para coibir comércio de animais em extinção
Brasil consegue apoio de 120 países para coibir comércio de animais em extinção
Projeto une jovens de todo o mundo para transformar 11 comunidades brasileiras
Projeto une jovens de todo o mundo para transformar 11 comunidades brasileiras
Alckmin lança Programa São Paulo Orgânico
Alckmin lança Programa São Paulo Orgânico
7 dicas para montar um guarda-roupa ecológico
7 dicas para montar um guarda-roupa ecológico
Novo Código Florestal não anula multas anteriores, decide STJ
Novo Código Florestal não anula multas anteriores, decide STJ
Boeing cria avião movido a energia elétrica
Boeing cria avião movido a energia elétrica
Água Schin doa mais de 1t de garrafas PET a cooperativa em SP
Água Schin doa mais de 1t de garrafas PET a cooperativa em SP
Saiba como fazer um cofrinho reaproveitando garrafas PET
Saiba como fazer um cofrinho reaproveitando garrafas PET
Projeto ensina técnicas de empreendedorismo a mulheres de baixa renda
Projeto ensina técnicas de empreendedorismo a mulheres de baixa renda
10 melhores maneiras de reciclar no escritório ou em casa
10 melhores maneiras de reciclar no escritório ou em casa
ONG luta por inclusão de deficientes nas praias cariocas
ONG luta por inclusão de deficientes nas praias cariocas
Expectativa de vida cresce, porém vivemos mais tempo doentes
Expectativa de vida cresce, porém vivemos mais tempo doentes
Projeto de edifício em madeira pode inspirar novo modelo de construções
Projeto de edifício em madeira pode inspirar novo modelo de construções
ONG faz bikes adaptadas para deficientes com materiais reaproveitados
ONG faz bikes adaptadas para deficientes com materiais reaproveitados
Indianos usam raízes de árvores para "plantar" pontes
Indianos usam raízes de árvores para "plantar" pontes
Pesquisa prova que jovens brasileiros estão dispostos a lutar por causas ambientais
Pesquisa prova que jovens brasileiros estão dispostos a lutar por causas ambientais
Conheça os remédios naturais mais eficientes
Conheça os remédios naturais mais eficientes
Poluição aumenta chances de bebês nascerem com baixo peso
Poluição aumenta chances de bebês nascerem com baixo peso