Aguarde...

Pesquisadores encontram espécies que podem ser novas para a ciência




Por Ana Cíntia Guazzelli e Cláudio Maretti

Uma espécie desconhecida de copaíba, duas de pererecas, dois peixes diferentes, um novo registro para primata e uma ave de ocorrência na caatinga e no cerrado, que ainda está sendo descrita. Este foi o saldo preliminar das pesquisas de campo realizadas de um a três dias por pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e da Secretaria de Desenvolvimento Sustentável (SDS-AM), nas unidades de conservação do sul do estado, que compõem o Mosaico do Apuí, onde a Expedição Juruena-Apuí realiza sua terceira e última fase. Hoje à noite, estes cientistas se reuniram com os quatro pesquisadores que acompanham a expedição e com seus integrantes, para trocas de impressões e informações, na localidade de Terra Preta, junto ao rio Sucunduri, estado do Amazonas.

A ocorrência de algumas espécies de plantas e animais endêmicas (típicas da região) já era esperada pela maioria dos pesquisadores na área visitada. Isso porque a região tem ambientes particulares para a Amazônia, tanto por ser transição de biomas, como por ter vários ambientes definidos por limites do substrato e do solo. Além disso, quase não sofre pressão humana o acesso é difícil e principalmente por ela ter sido até o momento pouquíssimo estudada.

O biólogo Fabiano Waldez, da Rede de Conservação do Amazonas, da Secretaria Executiva Adjunta de Programas Especiais (Seape), da SDS-AM, está responsável pela pesquisa de sobre os anfíbios e répteis. Em quatro dias de trabalho, ele encontrou 11 espécies de lagartos, 1 de jacaré e 16 de sapos, no geral comuns. Dois destes, entretanto, ainda desconhecidos por ele. “A área é promissora”, garantiu. O que mais impressionou Fabiano foi o tamanho do jacaré-pedra Paleosuchus trigonatus encontrado. “Dificilmente vemos estes animais com mais idade, isto porque, em geral, são caçados ainda jovens. Aqui é diferente”, disse.

Já Charles Zartman, pesquisador de botânica do Inpa, com sua equipe, coletou uma espécie de copaíba Copaifera sp. que aparentemente é nova: “ninguém da equipe soube identificar”, afirmou. Foi Sebastião Salvino de Souza quem chamou a atenção dos demais. Charles ressaltou ainda que 60% das espécies de plantas encontradas na vegetação denominada campinarana e na terra firme da área estudada puderam ser identificadas. Eles amostram tudo, mas “os outros 40 % precisarão das coletadas para serem analisadas e identificadas”, explicou.

O rio Sucunduri também se apresentou riquíssimo em espécies de peixes, segundo a pesquisadora Lúcia Happ. Ela desconhece duas das várias coletadas e garantiu que ficou impressionada com a falta de presença humana. “Foi a área mais remota que já trabalhei. Parece que não tem nenhuma pressão antrópica. A área é extraordinária e possui um potencial fantástico”. O rio Sucunduri está praticamente todo dentro da área protegida.

Para o ornitólogo Mário Kohn-Haff, do Inpa, apesar da coleta de uma ave que ainda está sendo descrita, Herpsilochmus selloe, e que ocorre geralmente na caatinga e no cerrado, a região não guarda grandes novidades com relação aos passarinhos. “A diversidade de aves aqui é baixa, pelas próprias características de grande variabilidade de ambientes, sem espaço suficiente, e pela não ocorrência de florestas amazônicas mais densas e típicas. Não espero grandes surpresas”, disse. Ele acredita que o relevo acidentado encontrado entre as bacias dos rios Tapajós e Madeira pode ser uma barreira natural para as aves, sendo que aquelas que ocorrem em uma bacia, não necessariamente aparecerão na outra.

O pesquisador de primatas autônomo, Maurício de Almeida Noronha, assim como Mário, também esperava que a serra do Sucunduri fosse um divisor para a fauna de micos, o que tem sido confirmado até agora. Ele identificou nesta etapa de campo o primeiro registro de uma espécie para o Amazonas, o mico (sagüi) Mico melanuro (que já foi descrito no Centro-Oeste e países vizinhos) e o 3º registro ao sul do rio Amazonas para o macaco-aranha (que tem cara preta, com triângulo vermelho no nariz e na boca) Ateles chameki.

Cachoeira de Monte Cristo

Os pesquisadores que vêm desde Mato Grosso fizeram suas próprias incursões por esta área do mosaico do Sucunduri. A área mais especial identificada foi a corredeira de Monte Cristo. Considerado local de grande concentração de animais, eles não esperavam tanta diversidade e tanta quantidade. Avistaram várias antas, catetos, e revoadas de psitacídeos, ou "aves de bico torto", como muitos chamam.

Terra Preta

A corredeira Monte Cristo fica a cerca de 2,5 horas subindo o rio Sucunduri, a partir da localidade de Terra Preta. Esta, na verdade, é uma sede de uma ocupação, não legalizada, com vínculos com interesse minerário. Aqui estabelecemos nosso acampamento por vários dias.


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (3)

Álbum de fotos (3)

Marcadores

Comentários



"Use 60 minutos de escuridão para ajudar o mundo a ver a luz" é o apelo de Ban Ki-moon
"Use 60 minutos de escuridão para ajudar o mundo a ver a luz" é o apelo de Ban Ki-moon
McDonald's junta-se ao movimento da Hora do Planeta e vai apagar as luzes
McDonald's junta-se ao movimento da Hora do Planeta e vai apagar as luzes
Visitantes da ExpoMs fazem teste da pegada ecológica
Visitantes da  ExpoMs fazem teste da pegada ecológica
Estudo da Pegada Ecológica de Campo Grande (MS) é apresentado na USP
Estudo da Pegada Ecológica de Campo Grande (MS) é apresentado na USP
Prefeitura apaga as luzes de ícones cariocas
Prefeitura apaga as luzes de ícones cariocas
Câmara aprova PL da Mata Atlântica
Câmara aprova PL da Mata Atlântica
Indústria e ONGs querem banir madeira ilegal
Indústria e ONGs querem banir madeira ilegal
Queda no desmatamento anunciada pelo governo não reflete momento de hoje, avalia WWF-Brasil
Queda no desmatamento anunciada pelo governo não reflete momento de hoje, avalia WWF-Brasil
Manejo do pirarucu: WWF-Brasil registra em vídeo trabalho de 18 anos no Baixo Amazonas
Manejo do pirarucu: WWF-Brasil registra em vídeo trabalho de 18 anos no Baixo Amazonas
Óleo de Palma poderá ser produzido sem ameaçar florestas
Óleo de Palma poderá ser produzido sem ameaçar florestas
Manual para educadores ensina a investigar a biodiversidade
Manual para educadores ensina a investigar a biodiversidade
Onda de ecosurfistas invade o Ibirapuera
Onda de ecosurfistas invade o Ibirapuera
WWF-BRASIL: discutir hidrelétricas uma a uma é desperdício de energia
WWF-BRASIL: discutir hidrelétricas uma a uma é desperdício de energia
WWF Internacional tem novo Diretor-Geral
WWF Internacional tem novo Diretor-Geral
Recursos naturais diminuem em ritmo alarmante
Recursos naturais diminuem em ritmo alarmante
Dessa vez, tudo será diferente...
Dessa vez, tudo será diferente...
Participação popular tenta barrar proposta de incineração na Rio+20
Participação popular tenta barrar proposta de incineração na Rio+20
São Paulo sedia primeiro Fórum Brasileiro da Água
São Paulo sedia primeiro Fórum Brasileiro da Água
Alerta: ruralistas tentam votar mudanças no Código Florestal em regime de urgência
Alerta: ruralistas tentam votar mudanças no Código Florestal em regime de urgência
Código Florestal: processo de reforma precisa de novos rumos
Código Florestal: processo de reforma precisa de novos rumos