Aguarde...

Países em desenvolvimento tentam garantir financiamento para ações de sustentabilidade


Na tentativa de garantir o financiamento de ações relativas ao desenvolvimento sustentável, a partir de janeiro negociadores de países em desenvolvimento buscarão alternativas. A ideia é fechar até dezembro um documento no qual estarão definidos os detalhes, o calendário e até a estratégia para assegurar os recursos. A iniciativa foi provocada pela ausência de acordo entre os países desenvolvidos em relação aos financiamentos.

"Há uma ameaça concreta aos esforços internacionais na medida em que se percebe uma retração muito forte dos países ricos quanto ao financiamento de ações na área de desenvolvimento sustentável", disse à Agência Brasil o embaixador Luiz Alberto Figueiredo Machado, subsecretário-geral de Meio Ambiente, Energia, Ciência e Tecnologia do Ministério das Relações Exteriores e coordenador-geral da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20.

"O caso do Brasil é emblemático. Tivemos as mais baixas taxas de desmatamento desde que o país começou a medir por satélite", destacou o embaixador. "Os países em desenvolvimento têm sido responsáveis ao fazer seu dever de casa e, portanto, têm direito de exigir que os países industrializados, que são os responsáveis pelas mudanças do clima, façam sua parte, não só na questão de redução de emissões, mas também no cumprimento de suas obrigações no financiamento das ações nos países em desenvolvimento", acrescentou Figueiredo.

Em junho, durante a Rio+20, quando ficou clara a resistência dos países desenvolvidos em aportar recursos para promover um novo modelo de desenvolvimento sustentável para o mundo, houve o acordo entre os países em desenvolvimento para buscar uma alternativa. Na Rio+20, os representantes de economias desenvolvidas justificaram que a crise econômica internacional os impedia de assumir compromissos financeiros, pois o cenário futuro era considerado incerto.

Reação semelhante dos países desenvolvidos foi repetida durante uma série de negociações específicas das Nações Unidas, como a Conferência sobre Mudanças Climáticas, a COP18, que ocorreu em Doha, no Catar. Pela Convenção sobre Mudança do Clima, os países desenvolvidos têm a obrigação de financiar ações de adaptação aos efeitos extremos das mudanças climáticas e de redução das emissões de gases de efeito estufa em países em desenvolvimento.

"Houve grande retração e o resultado de Doha na área financeira ficou muito aquém do necessário", disse Figueiredo. Segundo ele, os recursos são indispensáveis, principalmente no caso das nações mais pobres, pois são avaliadas como regiões mais vulneráveis aos efeitos dos desastres naturais provocados pelas mudanças de clima no mundo.

 "Ações, especialmente nas áreas de adaptação, muitas vezes são caras. São obras de infraestrutura para lidar com enchentes, inundações, furacões e toda a destruição dos fenômenos extremos. São países vulneráveis que necessitam de ajuda o mais rápido possível para fazer face às mudanças do clima", acrescentou o embaixador.

Segundo Figueiredo, a questão climática é um "caso típico em que vários países em desenvolvimento assumiram a liderança", ao mencionar os esforços de redução de emissões de gases de efeito estufa. De acordo com ele, o Brasil chegou às conferências deste ano com resultados históricos sobre a redução de desmatamento que colaboraram para reduzir as emissões de gás nocivas à atmosfera.

Carolina Gonçalves e Renata Giraldi, da Agência Brasil


Álbum (1)

Álbum de fotos (1)

Marcadores

Comentários



Australiana costura seu próprio vestido de noiva com materiais reaproveitados
Australiana costura seu próprio vestido de noiva com materiais reaproveitados
Reserva biológica chilena oferece aulas de esqui gratuitas
Reserva biológica chilena oferece aulas de esqui gratuitas
Bicicletas vendidas no Brasil são as mais caras do mundo
Bicicletas vendidas no Brasil são as mais caras do mundo
Conheça 4 substitutos sustentáveis do açúcar
Conheça 4 substitutos sustentáveis do açúcar
Mate orgânico brasileiro conquista mercado norte-americano
Mate orgânico brasileiro conquista mercado norte-americano
ONU estuda o uso de nanotecnologia para despoluir água
ONU estuda o uso de nanotecnologia para despoluir água
Lamborghini lança linha exclusiva de bicicletas de luxo
Lamborghini lança linha exclusiva de bicicletas de luxo
Designer britânico cria bicicleta que purifica ar poluído
Designer britânico cria bicicleta que purifica ar poluído
Empresa de Eike Batista é acusada por desastre ambiental no RJ
 Empresa de Eike Batista é acusada por desastre ambiental no RJ
Adolescentes que vão a pé para a escola têm notas mais altas
Adolescentes que vão a pé para a escola têm notas mais altas
Desfiles na Sapucaí produziram mais lixo do que carnaval de rua no Rio
Desfiles na Sapucaí produziram mais lixo do que carnaval de rua no Rio
Folheto do Ministério do Meio Ambiente dá dicas de como tratar o lixo
Folheto do Ministério do Meio Ambiente dá dicas de como tratar o lixo
CEMPRE entrega plano de reciclagem de embalagens à Ministra do Meio Ambiente
CEMPRE entrega plano de reciclagem de embalagens à Ministra do Meio Ambiente
Site brasileiro oferece doação, troca e venda de uniformes escolares usados
Site brasileiro oferece doação, troca e venda de uniformes escolares usados
Hospital Oswaldo Cruz reduz em 50% desperdício de alimentos
Hospital Oswaldo Cruz reduz em 50% desperdício de alimentos
Pesquisa prova que jovens brasileiros estão dispostos a lutar por causas ambientais
Pesquisa prova que jovens brasileiros estão dispostos a lutar por causas ambientais
Prefeitura de SP obriga prédios a oferecerem vagas para bicicletas
Prefeitura de SP obriga prédios a oferecerem vagas para bicicletas
1,3 bilhão de toneladas de comida são desperdiçadas anualmente
1,3 bilhão de toneladas de comida são desperdiçadas anualmente
NY instala estações móveis de recarga solar para celulares
NY instala estações móveis de recarga solar para celulares
Leões africanos estão à beira da extinção
Leões africanos estão à beira da extinção