Aguarde...

O que o Brasil vai levar à conferência sobre biodiversidade?




Ligia Paes de Barros, de Brasília

Conhecer a posição política do governo brasileiro para a 10º Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica (COP-10/CDB), que ocorrerá em outubro no Japão, foi o objetivo da audiência pública convocada pela Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados na quarta-feira (9/6). 

A concorrida audiência contou com a participação da ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, o chefe da Divisão de Meio Ambiente do Ministério das Relações Exteriores, Paulino de Carvalho Neto e o coordenador-geral substituto de Biodiversidade e Ecossistemas do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ricardo Melamed.

Entre os três objetivos da CDB – conservação da biodiversidade, o uso sustentável de seus componentes e a distribuição equitativa e justa dos benefícios da biodiversidade, este último foi o mais citado pelos representantes do governo federal durante a audiência.

O investimento em estudos sobre a biodiversidade brasileira, a proteção dos oceanos e zonas costeiras e a aprovação de uma lei brasileira sobre acesso a recursos genéticos e repartição de benefícios, foram apontados como pontos mais sensíveis e que precisam ser trabalhados para a COP.

Por outro lado, a criação e implementação de áreas protegidas, a redução do desmatamento na Amazônia, o início do monitoramento do desmatamento em outros biomas, o levantamento de espécies ameaçadas, e a criação do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) foram considerados avanços obtidos pelo Brasil para o cumprimento das metas da CDB.

Para a ministra Izabella Teixeira, “o Brasil deve trabalhar numa convergência das agendas nacionais e chegar à COP com um posicionamento forte e com uma delegação brasileira condizente com o tamanho da nossa biodiversidade”.

Repartição de benefícios
Sobre a expectativa do Brasil em relação à COP 10, a ministra Izabella Teixeira apontou que um dos pontos centrais a serem debatidos na Conferência será a definição, no Plano Estratégico da Convenção sobre Diversidade Biológica para 2011 a 2020, de mecanismos de implementação das metas de conservação da biodiversidade que contemplem recursos financeiros.

Segundo Izabella Teixeira, para se sustar a perda de biodiversidade até 2020, meta proposta pela CDB, é preciso ter um grande volume de recursos que permitam realizar o trabalho, principalmente no que diz respeito aos países em desenvolvimento, que são países estratégicos para a conservação. No entanto, essa alocação de recursos ainda não está prevista de forma adequada.

“Os recursos financeiros são um impasse entre os países desenvolvidos e em desenvolvimento. A Convenção de Clima já conseguiu definir a alocação de recursos e a CDB ainda não”, disse a ministra.

Diretamente ligado à alocação de recursos financeiros está o debate sobre a repartição justa dos benefícios fornecidos pela biodiversidade. E este ponto também foi abordado na apresentação do representante do Ministério de Relações Exteriores. Paulino de Carvalho Neto ressaltou a inexistência de regras que disciplinem o uso dos recursos da biodiversidade e afirmou que isso representa uma lacuna no debate internacional.

“A reunião do grupo de trabalho da CDB sobre repartição de benefícios no Canadá, em julho, será a última oportunidade para definir essas regras internacionalmente antes da COP. É nessa etapa que a delegação brasileira deve garantir que o patrimônio do país seja preservado e os recursos assegurados”, completou Carvalho Neto.

Para Cláudio Maretti, superintendente de conservação do WWF-Brasil, “é preciso reconhecer o valor econômico, social e cultural da biodiversidade. Os países, e o Brasil inclusive, precisam começar a incluir o valor da biodiversidade nas contas nacionais e cobrar as externalidades das empresas”, diz Maretti.

O superintendente acredita que “o debate acerca da biodiversidade não deve ficar restrito à esfera ambiental, mas ser ampliado para outras esferas da sociedade, como a econômica, que dependem diretamente dela”.

Código Florestal
Em meio às discussões sobre a reforma no Código Florestal brasileiro que acontecem essa semana na Câmara dos Deputados, a ministra do Meio Ambiente Izabella Teixeira chamou a atenção para a necessidade de coerência da política nacional de meio ambiente.

Em sua fala a ministra citou o estudo do prof. Gerd Sparovek da ESALQ-USP, apoiado pelo WWF-Brasil, que aponta que as reservas legais e áreas de proteção permanente (APP) juntas formam uma área de cobertura vegetal natural maior que todas as áreas protegidas brasileiras e, portanto, contribuem diretamente para a conservação da biodiversidade.

Diante de tal dado, Teixeira completou que a flexibilização do Código Florestal em relação às reservas e APPs influencia diretamente no cumprimento das metas de biodiversidade assumidas pelo Brasil na Convenção sobre Diversidade Biológica. 

“Isso demonstra a importância e responsabilidade na discussão sobre o Código Florestal. Um desafio nessa discussão é incluir o conceito de conservação de biodiversidade e possibilitar a reflexão sobre a perspectiva de desenvolvimento que queremos para o país. O Brasil precisa modernizar sua legislação, mas adotando conceitos relacionados à sustentabilidade e que sejam coerentes com as metas assumidas internacionalmente. A reflexão para a mudança na legislação tem que ter visão global”, disse a ministra. 


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (1)

Álbum de fotos (1)

Marcadores

Comentários



O que eles disseram
O que eles disseram
Construção de estradas florestais requer qualificação
Construção de estradas florestais requer qualificação
Apesar de conhecer como economizar água, brasileiro desperdiça valioso recurso natural
Apesar de conhecer como economizar água, brasileiro desperdiça valioso recurso natural
“Me tiraram tudo, mas não me tiraram a esperança”
“Me tiraram tudo, mas não me tiraram a esperança”
Câmara, Senado, parlamentares e Ministério do Meio Ambiente estão na Hora do Planeta
Câmara, Senado, parlamentares e Ministério do Meio Ambiente estão na Hora do Planeta
Cenários e riquezas do Cerrado de Guimarães Rosa
Cenários e riquezas do Cerrado de Guimarães Rosa
Jantar comemora os 10 anos do WWF-Brasil
Jantar comemora os 10 anos do WWF-Brasil
Índia mostra liderança na COP 11
Índia mostra liderança na COP 11
WWF-Brasil traz “Montanhas do Tumucumaque” ao Museu Sacaca
WWF-Brasil traz “Montanhas do Tumucumaque” ao Museu Sacaca
WWF-Brasil apoia ampliação de casa de produção do município de Apiacás
WWF-Brasil apoia ampliação de casa de produção do município de Apiacás
O status quo não é uma opção, diz WWF
O status quo não é uma opção, diz WWF
No Mukuru, índios e técnico da expedição com febre
No Mukuru, índios e técnico da expedição com febre
Bertioga: processo de criação de unidade de conservação caminha para audiência pública
Bertioga: processo de criação de unidade de conservação caminha para audiência pública
Abertura oficial da Rio+20: sem avanços nem emoção
Abertura oficial da Rio+20: sem avanços nem emoção
WWF-Brasil faz balanço positivo da III Feira Brasil Certificado
WWF-Brasil faz balanço positivo da III Feira Brasil Certificado
NOTA: Presidenta Dilma avaliza acordo com mais retrocessos?
NOTA: Presidenta Dilma avaliza acordo com mais retrocessos?
Aberta consulta pública sobre plantio florestal de pequena escala
Aberta consulta pública sobre plantio florestal de pequena escala
Estudo aponta maior impacto de desmatamento na parte alta da Bacia do Alto Paraguai
Estudo aponta maior impacto de desmatamento na parte alta da Bacia do Alto Paraguai
De olho nas áreas protegidas brasileiras
De olho nas áreas protegidas brasileiras
Carta de entidades da sociedade civil ao Senado Federal
Carta de entidades da sociedade civil ao Senado Federal