Aguarde...

Mudanças climáticas causam aquecimento das águas e ameaçam cardumes




O aumento da temperatura de oceanos, rios e lagos associado a mudanças climáticas ameaça cada vez mais os peixes, segundo relatório da Rede WWF. De acordo com o documento, água mais quente significa menor reprodução, menos alimento e oxigênio para peixes de água doce e salgada. Peixes são uma fonte de proteína para 2,6 bilhões de pessoas no mundo, e a indústria pesqueira movimenta US$ 130 bilhões por ano, além de gerar 200 milhões de empregos.

O relatório, intitulado “Estamos lançando os peixes em água quente?”, indica que o aquecimento global é a causa do aumento de temperatura das águas e da alteração do regime de chuvas e dos padrões de correntes e nível do mar.

“As mudanças no clima vão ameaçar os estoques pesqueiros, que já sofrem com a sobrepesca, a, poluição dos ecossistemas aquáticos e a degradação de habitats” diz Antonio Oviedo, técnico do Programa Amazônia do WWF-Brasil. “Juntamente com os estoques pesqueiros, os ecossistemas aquáticos serão os primeiros a refletir os impactos das mudanças climáticas”.

No Brasil, em regiões como a Amazônia, o eventual aumento de temperatura poderia tornar as condições letais para os peixes. Muitas espécies já sofrem com temperaturas elevadas durante a parte mais quente do dia. Um aumento de 1 ou 2 graus pode causar a morte de cardumes inteiros. Com a água mais quente, a aceleração do metabolismo e a redução do oxigênio dissolvido afetariam diretamente os cardumes.
Temperaturas mais altas poderiam ainda provocar a migração de cardumes para águas mais frias. Com isso, espécies que se alimentam de peixes perderiam sua fonte de alimento. No Golfo do Alasca, em 1993, 120 mil aves, incapazes de alcançar os peixes, morreram de fome. Na Amazônia, aves como o mergulhão precisariam mergulhar mais fundo para capturar a presa, o que causaria impacto sobre a espécie.

A uma semana da décima-primeira Conferência das Partes da Convenção Sobre Mudanças Climáticas (COP11), que será realizada em Montreal entre os dias 28 de novembro e 9 de dezembro, o WWF-Brasil considera fundamental o apoio do governo brasileiro ao lançamento das negociações sobre o futuro do Protocolo de Quioto.

“À medida que os impactos das mudanças climáticas ganham força e freqüência, é obvia a necessidade de fortalecer o Protocolo de Quioto e aprovar reducões mais ambiciosos de gases poluidores” diz Giulio Volpi, Coordenador para Mudanças Climáticas da Rede WWF na América Latina.

A reunião é a primeira que reúne as partes do Protocolo, único acordo multilateral do mundo que estabelece metas de redução absoluta de emissão de dióxido de carbono e outros gases que causam as mudanças climáticas, desde que o tratado entrou em vigor, em fevereiro 2005. Neste ano serão iniciadas as negociações sobre o segundo período de compromisso, que começa em 2012.

“O Brasil deve apoiar o começo dessas negociações com uma data clara para o término dos trabalhos” diz Volpi. “O país também deve adotar e efetivamente implementar metas nacionais quantitativas de redução do desmatamento na Amazônia, e então reduzir a principal fonte de emissão de gás de efeito estufa no Brasil. Será um sinal claro ao mundo da seriedade com que o pais trata do assunto, e de como está pronto para assumir seu papel” concluiu Volpi.


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (0)

Álbum de fotos (0)

Marcadores

Comentários



Declaração da Rede WWF sobre a reunião da OMC
Declaração da Rede WWF sobre a reunião da OMC
Em Portugal, pelo menos, um terço das cidades deverá celebrar a Hora do Planeta
Em Portugal, pelo menos, um terço das cidades deverá celebrar a Hora do Planeta
Oito capitais do País e, no total, 41 cidades confirmadas até agora na Hora do Planeta 2012
Oito capitais do País e, no total, 41 cidades confirmadas até agora na Hora do Planeta 2012
Esforços para controle do desmatamento precisam alcançar o Cerrado
Esforços para controle do desmatamento precisam alcançar o Cerrado
Senadores apontam imperfeições em texto que muda Código Florestal
Senadores apontam imperfeições em texto que muda Código Florestal
Livros revelam situação de unidades de conservação do Amazonas, Pará e Rondônia
Livros revelam situação de unidades de conservação do Amazonas, Pará e Rondônia
Ibama e WWF-Brasil lançam estudo sobre efetividade de gestão em unidades de conservação
Ibama e WWF-Brasil lançam estudo sobre efetividade de gestão em unidades de conservação
WWF-Brasil e AmBev se unem para a conservação e gestão de bacia hidrográfica no Distrito Federal
WWF-Brasil e AmBev se unem para a conservação e gestão de bacia hidrográfica no Distrito Federal
Arara-azul, um dos animais mais amados do mundo, agora na TV
Arara-azul, um dos animais mais amados do mundo, agora na TV
Vaga: Especialista em Energia e Desenvolvimento Hidroelétrico Sustentável
Vaga: Especialista em Energia e Desenvolvimento Hidroelétrico Sustentável
Pesquisadores do WWF-EUA criam mapas de grande precisão dos rios do mundo
Pesquisadores do WWF-EUA criam mapas de grande precisão dos rios do mundo
WWF-Brasil apoia consolidação de Resex no Mato Grosso
WWF-Brasil apoia consolidação de Resex no Mato Grosso
WWF-Brasil promove curso de manejo florestal madeireiro em Apuí (AM)
WWF-Brasil promove curso de manejo florestal madeireiro em Apuí (AM)
Submarino e Wal-Mart Brasil apoiam WWF-Brasil no Dia do Meio Ambiente
Submarino e Wal-Mart Brasil apoiam WWF-Brasil no Dia do Meio Ambiente
Brasil discute pecuária orgânica na BioFach América Latina
Brasil discute pecuária orgânica na BioFach América  Latina
Senado aprova texto que modifica Código Florestal
Senado aprova texto que modifica Código Florestal
“Ação Faça a Diferença” do WWF-Brasil chega ao Rio de Janeiro
“Ação Faça a Diferença” do WWF-Brasil chega ao Rio de Janeiro
Relatório indica dez maravilhas da natureza ameçadas
Relatório indica dez maravilhas da natureza ameçadas
Além de capitais, cidades menores apoiam
Além de capitais, cidades menores apoiam
Inscrições para o concurso de foto e vídeo do WWF-Brasil na reta final
Inscrições para o concurso de foto e vídeo do WWF-Brasil na reta final