Aguarde...

Mosaico promove uso equilibrado do Cerrado




por Aldem Bourscheit*

Decretado pelo governo federal em abril de 2009, o mosaico Sertão Veredas–Peruaçu reúne doze unidades de conservação federais, estaduais e particulares, além de uma terra indígena. São 1,5 milhão de hectares destinados à proteção da natureza distribuídos em onze municípios do norte e noroeste de Minas Gerais e sudoeste da Bahia. A região tem metade do tamanho do estado de Alagoas e, sem a zona de amortecimento no entorno das unidades de conservação, representa quase 8% da área hoje protegida no Cerrado.

Previstos na legislação federal, os mosaicos devem funcionar como pólos de desenvolvimento em bases que respeitem a ecologia regional, com gerenciamento integrado e participativo das áreas protegidas e seus entornos. Trata-se de algo fundamental para regiões como a do Sertão Veredas-Peruaçu, que abriga um dos mais belos patrimônios do Cerrado. Lá encontramos culturas e paisagens que inspiraram a literatura brasileira, sítios arqueológicos e cavernas, veredas, chapadas e campos, o ponto onde o rio Pandeiros forma o chamado Pantanal Mineiro, o curioso Vão dos Buracos e as águas vagarosas do São Francisco cruzando o sertão.

A implantação de uma “estrada-parque” com cerca de 400 quilômetros (hoje 85 são asfaltados), com passagens para animais, estacionamentos e mirantes, facilitará o acesso a locais que guardam parte da história e da cultura dos “Gerais” – antigamente treze milhões de hectares de vegetação conservada à margem esquerda do São Francisco, no norte e noroeste mineiro, oeste da Bahia, norte goiano, leste de Tocantins e sul do Piauí e do Maranhão.

Arquitetura preservada, festas e produtos regionais oriundos em grande parte do extrativismo e riquezas naturais incomparáveis têm grande potencial para melhorar a qualidade de vida em municípios predominantemente rurais onde o índice médio pobreza chega aos 60%. Os frutos do Cerrado local têm proporcionado a produção, venda e até exportação de óleo e polpa de pequi, artesanato, mel, doces, compotas e geléias, de araçá, cajá, mangaba, maracujá nativo e araticum.

Cooperativas de extrativistas e roteiros turísticos vêm sendo estruturados, mas o maior desafio para a implementação do mosaico será levar à região uma economia menos dependente da extração de Cerrado nativo para produção de carvão e lenha, atividade presente na maioria daqueles onze municípios.

A área também é visada para plantios somando pelo menos 500 mil hectares de eucaliptos, atividade que depende, no mínimo, de um zoneamento ecológico-econômico e de regras claras para seu licenciamento.

“A estruturação das equipes para fiscalização e administração das unidades de conservação (do mosaico) vão gerar centenas de empregos. Com o turismo ecocultural, teremos muitas outras atividades gerando renda com a venda de produtos regionais e prestação de serviços, como guias turísticos, transporte local, pousadas e restaurantes”, destacou em entrevista ao Jornal do Mosaico Cesar Victor do Espírito Santo, secretário-executivo do Conselho Consultivo do Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu e superintendente-executivo da Funatura – Fundação Pró-Natureza.

Entre 2006 e 2008, com recursos do Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA) e em parceria com o Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais, Instituto Chico Mendes (ICMBio), prefeituras e entidades civis regionais, a Funatura elaborou um plano de desenvolvimento para o território do mosaico com diretrizes conservacionistas, focado na gestão integrada das unidades de conservação, no extrativismo sustentável e no turismo.

Está programado ainda para novembro o lançamento de um edital pelo FNMA para apoiar com R$ 4 milhões a implantação do plano de desenvolvimento. “Os recursos trazem a possibilidade de fortalecer o mosaico e seu território com uma identidade forte e desenvolvimento em bases sustentáveis, respeitando o meio ambiente e as tradições”, disse Rose Mary Paes de Araújo, do Ministério do Meio Ambiente (MMA).

Um acordo de cooperação entre o Mosaico Sertão Veredas – Peruaçu e o parque natural francês Escarpe-Escout está sendo viabilizado pelo MMA para difundir na região brasileira experiências em gestão de territórios com base na valorização de riquezas naturais e culturais, algo já tradicional em terras francesas. A cooperação pode ser assinada até o fim do ano.

“Apoiaremos a consolidação do mosaico como forma de ampliar a proteção real das riquezas naturais e culturais do Cerrado, a formação com savanas mais rica em vida no planeta. O bioma tem papel importante no agronegócio brasileiro, mas o avanço da fronteira produtiva não pode seguir nos mesmos moldes que levaram à destruição de metade da vegetação nativa do Cerrado”, ressaltou Michael Becker, coordenador do Programa Cerrado Pantanal no WWF-Brasil.

Veja o mapa em tamanho maior.

* WWF-Brasil e informações do Jornal do Mosaico/IEF/Funatura


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (2)

Álbum de fotos (2)

Marcadores

Comentários



WWF-Brasil e IPÊ realizam curso sobre gestão de unidades de conservação
WWF-Brasil e IPÊ realizam curso sobre gestão de unidades de conservação
Comissão de Constituição e Justiça apresenta parecer sobre reforma do Código Florestal
Comissão de Constituição e Justiça apresenta parecer sobre reforma do Código Florestal
Rio Preto, no interior paulista, confirma presença na Hora do Planeta
Rio Preto, no interior paulista, confirma presença na Hora do Planeta
Alerta: ruralistas tentam votar mudanças no Código Florestal em regime de urgência
Alerta: ruralistas tentam votar mudanças no Código Florestal em regime de urgência
Resultados do Programa de Áreas Protegidas da Amazônia são apresentados em evento na COP 10/CDB
Resultados do Programa de Áreas Protegidas da Amazônia são apresentados em evento na COP 10/CDB
Mobilização para deter as mudanças climáticas
Mobilização para deter as mudanças climáticas
WWF-Brasil invade ruas de São Paulo
WWF-Brasil invade ruas de São Paulo
Personalidades da área ambiental divulgam carta demonstrando insatisfação
Personalidades da área ambiental divulgam carta demonstrando insatisfação
Amazônia boliviana ganha maior área úmida protegida do mundo
Amazônia boliviana ganha maior área úmida protegida do mundo
Pesquisadores avaliam impactos sócio-econômicos da pesca profissional no Pantanal
Pesquisadores avaliam impactos sócio-econômicos da pesca profissional no Pantanal
Nova campanha do WWF-Brasil é alerta para desastre ambiental
Nova campanha do WWF-Brasil é alerta para desastre ambiental
Recuperação de terras degradadas é economicamente viável
Recuperação de terras degradadas é economicamente viável
Falta coerência à política climática no Brasil, dizem ONGs
Falta coerência à política climática no Brasil, dizem ONGs
ONGs se mobilizam contra nova tentativa de derrubada do Código Florestal
ONGs se mobilizam contra nova tentativa de derrubada do Código Florestal
Monitoramento mostra resultados positivos da Moratória da Soja
Monitoramento mostra resultados positivos da Moratória da Soja
Panorama Global da Biodiversidade destaca risco de colapso ambiental
Panorama Global da Biodiversidade destaca risco de colapso ambiental
Rede WWF completa 50 anos de conservação ambiental
Rede WWF completa 50 anos de conservação ambiental
Encontro com pecuaristas vai discutir conservação da onça-pintada no Pantanal
Encontro com pecuaristas vai discutir conservação da onça-pintada no Pantanal
Professores de Feijó (AC) poderão usar a natureza como ferramenta educativa
Professores de Feijó (AC) poderão usar a natureza como ferramenta educativa
Sobre o mosaico verde do Tumucumaque
Sobre o mosaico verde do Tumucumaque