Aguarde...

Milhões de pessoas estão prontas para desligar as luzes e ir além da hora




Dentro de algumas horas, um número recorde de pessoas em mais de 130 países ao redor do globo irá desligar as luzes durante uma hora, demonstrando apoio a ações por um futuro sustentável.

Centenas de monumentos, outras edificações e residências em milhares de cidades ficarão às escuras entre as 20h30min e 21h30min deste sábado (26) - hora local, quando milhões de pessoas se unirem a um dos maiores atos voluntários em prol do meio ambiente no globo.  Indivíduos, organizações e governos estão comprometidos em levar a ação além da hora, pois o compromisso não termina com o reacender das luzes. 

"Ao entrarmos na quinta edição mundial da Hora do Planeta, com a participação de um número recorde de países e de territórios, é inspirador vermos o que se pode conseguir quando nos unimos em torno de um objetivo comum", afirmou Andy Ridley, co-fundador e diretor-executivo da Hora do Planeta. "Imagine o que poderemos obter se formos além da hora", ressaltou. 

O evento irá percorrer o globo ao longo de 24 horas, desde o momento em que as primeiras luzes forem apagadas nas ilhas Fiji e na Nova Zelândia, até o reacender das luzes no arquipélago de Samoa. A trajetória mais longa será na Rússia, onde a Hora do Planeta atravessará 11 fusos horários. 

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, também apoiará à Hora do Planeta. "Vamos celebrar juntos e buscar ações para proteger o planeta e assegurar o bem-estar da humanidade. Vamos usar esses 60 minutos de escuridão para ajudar o mundo a encontrar a luz", disse. 

No sábado, monumentos e outros pontos de referência bem conhecidos no mundo ficarão às escuras em todo o mundo durante uma hora. Entre eles, a Torre Eiffel (Paris); a roda gigante London Eye e o relógio Big Ben (Londres); o edifício do Empire State (Nova Iorque); o prédio em formato de vela gigante do hotel Burj Al Arab (Dubai); o castelo da Alhambra (Granada/Espanha); a estátua do Cristo Redentor e os Arcos da Lapa(Rio de Janeiro); a Acrópole de Atenas (Grécia); o Portal da Índia (Nova Délhi); a Grande Mesquita do Sheik Zayed (Emirados Árabes Unidos); e o teatro da Ópera de Sydney (Austrália). 

Quatro dos cinco edifícios mais altos do mundo também terão suas luzes apagadas. Só a Torre do Califa (Dubai) tem meio milhão de pontos de luz. 

Durante a Hora do Planeta, também serão apagados os holofotes de monumentos naturais espetaculares, como as cataratas do Niágara (entre Canadá e Estados Unidos) e as cataratas de Vitória (entre Zâmbia e Zimbábue, na África), e a barragem de Itaipu (Brasil) assim como a Montanha da Mesa (Cidade do Cabo/África do Sul).  

Residências reais e presidenciais, castelos e palácios no Peru, Tailândia, Suécia, Madagascar e Honduras também terão suas luzes desligadas.  A maior unidade residencial africana, uma propriedade conhecida como Gwarimpa Housing Estate, em Lagos (Nigéria), também participará.

Este ano, o apoio ao evento cresceu na África, Oriente Médio, Ásia Central e nas Américas, onde um grande número de países aderiu pela primeira vez à Hora do Planeta. Entre eles estão a Jamaica, Uganda, Suazilândia, Irã, Tadjikistão, Chade, Azerbaijão, Palestina, Suriname, Gibraltar, Uzbequistão, Trinidad & Tobago, Lesoto e Líbano. 

Mídias online irão, mais uma vez, desempenhar um papel fundamental na Hora do Planeta, unindo a comunidade global. O YouTube, por exemplo, exibirá uma página personalizada da Hora do Planeta, onde se poderá clicar em um interruptor e escurecer a página. 

Além da Hora

Este ano, a Hora do Planeta pede aos indivíduos, empresas e governos para ir além da hora. Isso requer um comprometimento com uma ação duradoura que se estenda após o evento de desligamento das luzes. Para isso, foi criado um programa online em www.earthhour.org/beyondthehour, onde serão registradas e mostradas ações com as quais as pessoas e organizações de todo o mundo se comprometeram. 

Em Uganda, vários indivíduos e organizações que prometeram ir além da hora vão plantar mais de 16 mil árvores.  Em Lumbini, no Nepal, será feito o plantio de 108 mil árvores. 

Na China, todas as 83 cidades da parte continental do país que participam da Hora do Planeta prometeram ir "além da hora" e fazer "uma mudança" em prol do planeta.  A cidade de Xangai vai criar mil hectares de novos espaços urbanos verdes. Em Chengdu, o governo municipal distribuirá 60 mil bicicletas nas áreas centrais da cidade e criará mais de mil estações para aluguel de bicicletas.  

26 de março de 2011, de 20h30 as 21h30, apague as luzes para ver um mundo melhor. Cadastre-se no hotsite Hora do Planeta 2011:  www.horadoplaneta.org.br


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (1)

Álbum de fotos (1)

Marcadores

Comentários



Estudo identifica áreas prioritárias na região da rodovia BR-163
Estudo identifica áreas prioritárias na região da rodovia BR-163
Governo cria 6.4 milhões de hectares de áreas protegidas ao longo da rodovia Cuiabá-Santarém
Governo cria 6.4 milhões de hectares de áreas protegidas ao longo da rodovia Cuiabá-Santarém
Parceiros assinam contrato do Projeto Diálogos
Parceiros assinam contrato do Projeto Diálogos
Organizações sociais do Rio Negro cobram a criação da Resex Baixo Rio Branco-Jauaperi
Organizações sociais do Rio Negro cobram a criação da Resex Baixo Rio Branco-Jauaperi
WWF-Brasil concorre ao prêmio GreenBest
WWF-Brasil concorre ao prêmio GreenBest
Proprietários de reservas particulares criam associação em Mato Grosso
Proprietários de reservas particulares criam associação em Mato Grosso
Meliá Hotels International entra na Hora do Planeta 2012
Meliá Hotels International entra na Hora do Planeta 2012
WWF-Brasil traz ao País evento mundial de alerta contra o aquecimento global
WWF-Brasil traz ao País evento mundial de alerta contra o aquecimento global
Sabores do Pantanal
Sabores do Pantanal
Pegada Hídrica incentiva o uso responsável da água
Pegada Hídrica incentiva o uso responsável da água
Professores participam de oficinas sobre biodiversidade
Professores participam de oficinas sobre biodiversidade
Bornéu: tesouro medicinal sob ameaça
Bornéu: tesouro medicinal sob ameaça
Projeto de lei de reforma do Código Florestal trará perdas econômicas para a agricultura brasileira
Projeto de lei de reforma do Código Florestal trará perdas econômicas para a agricultura brasileira
Coletivo Purus denuncia violência contra lideranças extrativistas no Sul do Amazonas
Coletivo Purus denuncia violência contra lideranças extrativistas no Sul do Amazonas
Combate ao comércio ilegal de madeira deve ser acompanhado de políticas de desenvolvimento
Combate ao comércio ilegal de madeira deve ser acompanhado de políticas de desenvolvimento
Despedida do Molocopote e problemas no regresso
Despedida do Molocopote e problemas no regresso
BR-163 é tema de filme em Mostra de Cinema
BR-163 é tema de filme em Mostra de Cinema
Projeto de manejo do pirarucu apresenta resultados positivos
Projeto de manejo do pirarucu apresenta resultados positivos
Encontros no Mato Grosso do Sul incentivam criação de reservas particulares
Encontros no Mato Grosso do Sul incentivam criação de reservas particulares
Comitê afirma que veto parcial mantém florestas sob risco
Comitê afirma que veto parcial mantém florestas sob risco