Aguarde...

Milhões de pessoas estão prontas para desligar as luzes e ir além da hora




Dentro de algumas horas, um número recorde de pessoas em mais de 130 países ao redor do globo irá desligar as luzes durante uma hora, demonstrando apoio a ações por um futuro sustentável.

Centenas de monumentos, outras edificações e residências em milhares de cidades ficarão às escuras entre as 20h30min e 21h30min deste sábado (26) - hora local, quando milhões de pessoas se unirem a um dos maiores atos voluntários em prol do meio ambiente no globo.  Indivíduos, organizações e governos estão comprometidos em levar a ação além da hora, pois o compromisso não termina com o reacender das luzes. 

"Ao entrarmos na quinta edição mundial da Hora do Planeta, com a participação de um número recorde de países e de territórios, é inspirador vermos o que se pode conseguir quando nos unimos em torno de um objetivo comum", afirmou Andy Ridley, co-fundador e diretor-executivo da Hora do Planeta. "Imagine o que poderemos obter se formos além da hora", ressaltou. 

O evento irá percorrer o globo ao longo de 24 horas, desde o momento em que as primeiras luzes forem apagadas nas ilhas Fiji e na Nova Zelândia, até o reacender das luzes no arquipélago de Samoa. A trajetória mais longa será na Rússia, onde a Hora do Planeta atravessará 11 fusos horários. 

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, também apoiará à Hora do Planeta. "Vamos celebrar juntos e buscar ações para proteger o planeta e assegurar o bem-estar da humanidade. Vamos usar esses 60 minutos de escuridão para ajudar o mundo a encontrar a luz", disse. 

No sábado, monumentos e outros pontos de referência bem conhecidos no mundo ficarão às escuras em todo o mundo durante uma hora. Entre eles, a Torre Eiffel (Paris); a roda gigante London Eye e o relógio Big Ben (Londres); o edifício do Empire State (Nova Iorque); o prédio em formato de vela gigante do hotel Burj Al Arab (Dubai); o castelo da Alhambra (Granada/Espanha); a estátua do Cristo Redentor e os Arcos da Lapa(Rio de Janeiro); a Acrópole de Atenas (Grécia); o Portal da Índia (Nova Délhi); a Grande Mesquita do Sheik Zayed (Emirados Árabes Unidos); e o teatro da Ópera de Sydney (Austrália). 

Quatro dos cinco edifícios mais altos do mundo também terão suas luzes apagadas. Só a Torre do Califa (Dubai) tem meio milhão de pontos de luz. 

Durante a Hora do Planeta, também serão apagados os holofotes de monumentos naturais espetaculares, como as cataratas do Niágara (entre Canadá e Estados Unidos) e as cataratas de Vitória (entre Zâmbia e Zimbábue, na África), e a barragem de Itaipu (Brasil) assim como a Montanha da Mesa (Cidade do Cabo/África do Sul).  

Residências reais e presidenciais, castelos e palácios no Peru, Tailândia, Suécia, Madagascar e Honduras também terão suas luzes desligadas.  A maior unidade residencial africana, uma propriedade conhecida como Gwarimpa Housing Estate, em Lagos (Nigéria), também participará.

Este ano, o apoio ao evento cresceu na África, Oriente Médio, Ásia Central e nas Américas, onde um grande número de países aderiu pela primeira vez à Hora do Planeta. Entre eles estão a Jamaica, Uganda, Suazilândia, Irã, Tadjikistão, Chade, Azerbaijão, Palestina, Suriname, Gibraltar, Uzbequistão, Trinidad & Tobago, Lesoto e Líbano. 

Mídias online irão, mais uma vez, desempenhar um papel fundamental na Hora do Planeta, unindo a comunidade global. O YouTube, por exemplo, exibirá uma página personalizada da Hora do Planeta, onde se poderá clicar em um interruptor e escurecer a página. 

Além da Hora

Este ano, a Hora do Planeta pede aos indivíduos, empresas e governos para ir além da hora. Isso requer um comprometimento com uma ação duradoura que se estenda após o evento de desligamento das luzes. Para isso, foi criado um programa online em www.earthhour.org/beyondthehour, onde serão registradas e mostradas ações com as quais as pessoas e organizações de todo o mundo se comprometeram. 

Em Uganda, vários indivíduos e organizações que prometeram ir além da hora vão plantar mais de 16 mil árvores.  Em Lumbini, no Nepal, será feito o plantio de 108 mil árvores. 

Na China, todas as 83 cidades da parte continental do país que participam da Hora do Planeta prometeram ir "além da hora" e fazer "uma mudança" em prol do planeta.  A cidade de Xangai vai criar mil hectares de novos espaços urbanos verdes. Em Chengdu, o governo municipal distribuirá 60 mil bicicletas nas áreas centrais da cidade e criará mais de mil estações para aluguel de bicicletas.  

26 de março de 2011, de 20h30 as 21h30, apague as luzes para ver um mundo melhor. Cadastre-se no hotsite Hora do Planeta 2011:  www.horadoplaneta.org.br


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (1)

Álbum de fotos (1)

Marcadores

Comentários



Para WWF-Brasil Fundo Amazônia é bom, mas não é a única opção
Para WWF-Brasil Fundo Amazônia é bom, mas não é a única opção
Expedição científica identifica fragmentos de cerrado isolados na floresta amazônica e possíveis novas espécies
Expedição científica identifica fragmentos de cerrado isolados na floresta amazônica e possíveis novas espécies
Expedição Juruena-Apuí: 180 anos depois da Langsdorff
Expedição Juruena-Apuí: 180 anos depois da Langsdorff
Rede WWF aponta: é possível deter as mudanças climáticas e a chave são os próximos 5 anos
Rede WWF aponta:  é possível deter as mudanças climáticas e a chave são os próximos 5 anos
Seminário reforça proposta de pacto em defesa das cabeceiras do Pantanal
Seminário reforça proposta de pacto em defesa das cabeceiras do  Pantanal
WWF-Brasil e Banco do Brasil promovem treinamento para bancos
WWF-Brasil e Banco do Brasil promovem treinamento para bancos
Belo Horizonte recebe ações de consumo responsável e reciclagem
Belo Horizonte recebe ações de consumo responsável e reciclagem
Marina: pressão popular fará com que Dilma vete mudanças no Código
Marina: pressão popular fará com que Dilma vete mudanças no Código
Cientistas do Inpa pedem mais atenção, no texto do Código Florestal, para áreas úmidas e Áreas de Preservação Permanente
Cientistas do Inpa pedem mais atenção, no texto do Código Florestal, para áreas úmidas e Áreas de Preservação Permanente
Resex Cazumbá-Iracema: modelo de desenvolvimento sustentável
Resex Cazumbá-Iracema: modelo de desenvolvimento sustentável
A difícil missão de proteger a Amazônia
A difícil missão de proteger a Amazônia
Série de artigos acadêmicos do Projeto Diálogos é disponibilizada na web
Série de artigos acadêmicos do Projeto Diálogos é disponibilizada na web
WWF-Brasil abre debate sobre estudo da expansão da cana-de-açúcar
WWF-Brasil abre debate sobre estudo da expansão da cana-de-açúcar
Sob a sombra do Código Florestal, Frente Parlamentar Ambientalista dá início a ciclo de palestras sobre a Rio +20
Sob a sombra do Código Florestal, Frente Parlamentar Ambientalista dá início a ciclo de palestras sobre a Rio +20
Gestão de mosaicos de áreas protegidas volta a ser tema de debate em Manaus
Gestão de mosaicos de áreas protegidas volta a ser tema de debate em Manaus
Cartilha apresenta resultados do diagnóstico no Alto Purus
Cartilha apresenta resultados do diagnóstico no Alto Purus
Conferência de Clima: Bali ameaçada
Conferência de Clima: Bali ameaçada
Filme Money chega aos cinemas de Rio e São Paulo
Filme Money chega aos cinemas de Rio e São Paulo
Corredor ecológico ajuda a diminuir conflitos fundiários
Corredor ecológico ajuda a diminuir conflitos fundiários
Ação pelo IR Ecológico realiza debate na FIESP
Ação pelo IR Ecológico realiza debate na FIESP