Aguarde...

Imposto pode apoiar ações contra as mudanças climáticas




A implementação urgente de um imposto sobre transações financeiras para apoiar os objetivos do milênio é tema da campanha “The Robin Hood Tax”, que conta com o apoio de 115 organizações, incluindo Oxfam, Greenpeace e UNICEF.

Uma carta, assinada por mais de mil economistas de 53 países, foi entregue aos ministros de economia do G-20, grupo das 20 maiores economias do mundo, solicitando a criação do imposto. Economistas de diversas organizações, incluindo de prestigiosas universidades como Oxford, Harvard e Sorbonne, juntaram suas vozes ao apelo já feito por centenas de pessoas, dentre elas os ganhadores do prêmio Nobel de economia Joseh Stiglitz e Paul Krugman.  
 
O WWF-Brasil apoia essa iniciativa e espera que o assunto ganhe força tanto durante a reunião quanto nas negociações internacionais de mudanças climáticas da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (UNFCCC, na sigla em inglês).

Você também pode apoiar a iniciativa. Conheça mais sobre a campanha “The Robin Hood Tax” no site, http://robinhoodtax.org/ (em inglês).

Números

De acordo com a Rede WWF, o mundo em desenvolvimento precisa de US$ 160 bilhões anuais de 2013 a 2017, podendo chegar a US$ 200 bilhões anuais até 2020, para suas ações de mitigação e adaptação às mudanças climáticas. Com essa quantia de recursos públicos, será possível alavancar até US$ 1 trilhão por ano em investimentos do setor privado e levar esses países a adotarem caminhos de desenvolvimento de baixo carbono e se adaptarem aos piores impactos das alterações climáticas.

“Para reduzir em pelo menos 50% as emissões mundiais de gases de efeito estufa até 2050, o mundo precisará de investimentos maciços em ações e políticas apropriadas. Uma solução ótima para conseguir tamanha quantidade de recursos é a introdução de um imposto global sobre transações financeiras”, defende Carlos Rittl, coordenador do Programa de Mudanças Climáticas e Energia do WWF-Brasil.

O imposto seria aplicado sobre todas as transações envolvendo títulos e ações na bolsa, câmbio e derivativos (mercado de futuros e opções). No entanto, não seriam afetadas as operações normais de consumidores como pagamento de bens, saques de dinheiro e crédito pessoal. Com isso, parte do ônus de financiar as mudanças necessárias nas economias do mundo caberia ao setor financeiro que, como evidenciou a crise econômica iniciada em 2008, foi alvo de regulamentação e controle insuficientes.

Por ser um imposto de percentual pequeno, os índices de investimento e poupança não seriam afetados. No entanto, seriam desestimuladas as transações de curto prazo, que são voltadas principalmente à especulação e são responsáveis por boa parte das instabilidades nos mercados financeiros.

O imposto possui grande potencial de arrecadação de recursos. Por exemplo, de acordo com o Instituto Austríaco de Pesquisa Econômica, uma taxa sobre operação financeira da ordem de 0,1% poderia render entre US$ 410 bilhões e US$ 1,06 trilhão por ano. O North-South Institute estima que um imposto de 0,005% sobre as operações de câmbio em todas as principais moedas nos mercados de revenda renderia  US$ 33 bilhões por ano.

Como mostram experiências bem-sucedidas na Inglaterra, Brasil (Imposto sobre Operações Financeiras), Japão, México e Reino Unido, não existe grande desafio prático em sua implementação. A maior dificuldade é política. Já temos à disposição os argumentos científicos, morais e econômicos que justificam a necessidade da mobilização de recursos em grande escala para as ações de mitigação e adaptação às mudanças climáticas.

A Rede WWF defende a criação de um imposto global sobre transações financeiras para apoiar ações de mitigação e adaptação nos países em desenvolvimento. Saiba mais no documento de referência.


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (1)

Álbum de fotos (1)

Marcadores

Comentários



Início do retorno e nova parada no Molocopote
Início do retorno e nova parada no Molocopote
Oficina no MS quer combinar Zoneamento Econômico Ecológico com o Plano Estadual de Recursos Hídricos
Oficina no MS quer combinar Zoneamento Econômico Ecológico com o Plano Estadual de Recursos Hídricos
Conheça nossa equipe: Hora do Planeta
Conheça nossa equipe: Hora do Planeta
WWF-Brasil aposta na gestão da agrofloresta no Acre
WWF-Brasil aposta na gestão da agrofloresta no Acre
Manual para educadores ensina a investigar a biodiversidade
Manual para educadores ensina a investigar a biodiversidade
WWF Internacional tem novo Diretor-Geral
WWF Internacional tem novo Diretor-Geral
Funcionários de empresas parceiras do WWF-Brasil assistem a palestras sobre meio ambiente
Funcionários de empresas parceiras do WWF-Brasil assistem a palestras sobre meio ambiente
Comitês de bacia aprovam moção contra mudanças no Código Florestal
Comitês de bacia aprovam moção contra mudanças no Código Florestal
Bonn deve preparar o caminho para o sucesso político do final do ano
Bonn deve preparar o caminho para o sucesso político do final do ano
Realizado diagnóstico sobre organizações sociais em Apuí (AM)
Realizado diagnóstico sobre organizações sociais em Apuí (AM)
Resultado de Cancún viabiliza acordo global
Resultado de Cancún viabiliza acordo global
BR-163 é tema de filme em Mostra de Cinema
BR-163 é tema de filme em Mostra de Cinema
Viagem tranqüila até a foz do rio Cuc
Viagem tranqüila até a foz do rio Cuc
ARTIGO: Um Código para o desenvolvimento sustentável
ARTIGO: Um Código para o desenvolvimento sustentável
Acre é primeiro estado a realizar transações com REDD+
Acre é primeiro estado a realizar transações com REDD+
Oito capitais do País e, no total, 41 cidades confirmadas até agora na Hora do Planeta 2012
Oito capitais do País e, no total, 41 cidades confirmadas até agora na Hora do Planeta 2012
Financiamento de serviços ambientais rende prêmio da ONU
Financiamento de serviços ambientais rende prêmio da ONU
Setor florestal e ONGs ambientais apresentam propostas para Código Florestal
Setor florestal e ONGs ambientais apresentam propostas para Código Florestal
Expedição Juruena-Apuí: 180 anos depois da Langsdorff
Expedição Juruena-Apuí: 180 anos depois da Langsdorff
Unidades de conservação apoiadas pelo Arpa reduzem em 1,1 bilhão de toneladas as emissões de carbono
Unidades de conservação apoiadas pelo Arpa reduzem em 1,1 bilhão de toneladas as emissões de carbono