Aguarde...

Expedição científica pode gerar novas descobertas para a Ciência




Cerca de 30 pessoas formam a equipe, que percorre o setor Sul da unidade de conservação, no Norte do Mato Grosso. Quatro gestores do parque, funcionários do ICMBio, participam da expedição, acompanhando os trabalhos realizados por 16 pesquisadores, dividos entre as áreas de: artrodopofauna; ictiofauna; mastofauna; avifauna; herpetofauna; vegetação e uso público. Cinco piloteiros e uma cozinheira da região completam o time. Todo trabalho está sendo registrado por profissionais de comunicação, com vasta experiência em Amazônia: Adriano Gambarini, fotógrafo; Robson Maia, cinegrafista e diretor de fotografia; Cléber Maia, assistente e a jornalista Denise Cunha, comunicadora do Programa de Áreas Protegidas e Apoio ao Arpa, do WWF-Brasil.

Organizar uma expedição de tal magnitude não é tarefa simples. De difícil acesso, para alcançar a região a ser estudada, parte da equipe segue 406 km de caminhão (Mercedes Bens 1979!) e em uma pick up, que transporta dois barcos com motores de popa de 25 hp, um motor gerador, 22 barracas, equipamentos para as pesquisas, comida e muito mais. Um avião monomotor com capacidade para cinco passageiros faz o transporte do restante da equipe: pesquisadores, gestores do parque e comunicadores. Todo material de comunicação gerado durante a expedição será disponibilizado para o banco de imagens do ICMBio.

Um acampamento grande montado próximo à região do garimpo do Juruena serve de base fixa para os pesquisadores, que se locomovem de barcos e voadeiras até, no máximo, um ponto acima da cachoeira do Salto Augusto. Alguns deles devem montar bases menores dentro da mata, onde passarão alguns dias desenvolvendo suas pesquisas.

Pouquíssimos estudos científicos foram registrados para a área a ser pesquisada. “A expectativa é grande quanto à possibilidade de serem encontradas novas espécies para a ciência, já que a expedição percorrerá uma região com rara pesquisa científica registrada”, afirmou Marcos Pinheiro, técnico de conservação do WWF-Brasil e coordenador das ações do WWF-Brasil na região do Parque Nacional do Juruena.

A segunda expedição está prevista para o segundo trimestre do próximo ano e deverá contemplar estudos científicos no setor Norte do Parque Nacional do Juruena, localizado no estado do Amazonas.

Relatos, curiosidades, fotos e possíveis novas descobertas poderão ser acompanhados pelo site do WWF-Brasil, a partir do dia 07 de dezembro.


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (0)

Álbum de fotos (0)

Marcadores

Comentários



Representantes do WWF-Brasil vão a jantar com Marina Silva
Representantes do WWF-Brasil vão a jantar com Marina Silva
Começam debates para a próxima rodada de negociações sobre os cortes nas emissões de carbono
Começam debates para a próxima rodada de negociações sobre os cortes nas emissões de carbono
Os desafios da gestão do maior parque nacional do Brasil
Os desafios da gestão do maior parque nacional do Brasil
Expedição conclui estudos sobre unidade de conservação
Expedição conclui estudos sobre unidade de conservação
O G20 e o clima
O G20 e o clima
Indústria e ONGs querem banir madeira ilegal
Indústria e ONGs querem banir madeira ilegal
Aumenta a pressão aos senadores contra alterações no Código Florestal
Aumenta a pressão aos senadores contra alterações no Código Florestal
Nota pública: Código Florestal, Desmatamento Zero e competividade agrícola
Nota pública: Código Florestal, Desmatamento Zero e competividade agrícola
Mudanças Climáticas: agir é mais que necessário, é urgente
Mudanças Climáticas: agir é mais que necessário, é urgente
Hora do Planeta avança com a adesão de 31 cidades e novos patrocinadores da edição de 2012
Hora do Planeta avança com a adesão de 31 cidades e novos patrocinadores da edição de 2012
Começam as reuniões do IPCC em Bruxelas
Começam as reuniões do IPCC em Bruxelas
Florestas seguem carentes de mais proteção
Florestas seguem carentes de mais proteção
Ações imediatas são necessárias para preservar as florestas do planeta
Ações imediatas são necessárias para preservar as florestas do planeta
É possível expandir a produção agrícola sem desmatar a Amazônia e o Cerrado
É possível expandir a produção agrícola sem desmatar a Amazônia e o Cerrado
Cidades apagam as luzes para alertar sobre mudanças do clima
Cidades apagam as luzes para alertar sobre mudanças do clima
Conhecer para educar
Conhecer para educar
DM9DDB cria campanha para Hora do Planeta
DM9DDB cria campanha para Hora do Planeta
A reforma do Código Florestal e a redução do salário mínimo ambiental
A reforma do Código Florestal e a redução do salário mínimo ambiental
Expedição científica percorre áreas não estudadas no Pará
Expedição científica percorre áreas não estudadas no Pará
Quatro dias para o apagar das luzes. O que você vai fazer durante a Hora do Planeta?
Quatro dias para o apagar das luzes. O que você vai fazer durante a Hora do Planeta?