Aguarde...

Entidades ambientalistas se retiram da negociação sobre código florestal e pedem ao Presidente seriedade por parte do governo




Enquanto o Presidente Lula assume metas para redução do desmatamento e das emissões de gases de efeito estufa no Brasil - e Santa Catarina contabiliza centenas de mortos, milhares de desabrigados e bilhões em prejuízos, decorrentes da ocupação irregular e consentida de áreas que deveriam ser de preservação permanente - o Ministro Reynhold Stephanes da Agricultura, em proposta já acordada com parte da bancada parlamentar ruralista no Congresso Nacional, se empenha em aprovar, ainda em dezembro, um pacote que ofende o interesse público, a legalidade e os agricultores que cumprem com a mesma. Vejamos:

1) Anistia geral e irrestrita para as ocupações irregulares em Área de Preservação Permanente existentes até 31 de julho de 2007
- incluindo topos de morros, margens de rios, restingas, manguezais, nascentes, montanhas, terrenos com declividade superior a 45º. Isso comprometeria não apenas os recursos hídricos, mas até mesmo os próprios ocupantes de áreas de risco, em função de enchentes e desmoronamentos como aqueles vistos em Santa Catarina.

2) Redução dos percentuais de reserva legal na Amazônia sem a realização do zoneamento ecológico-econômico, instrumento previsto por lei para garantir a adequação das ocupações do solo rural, um dos poucos elementos de consenso entre ruralistas e ambientalistas até o momento. Enquanto o Plano Nacional sobre Mudanças Climáticas propõe a necessidade de recuperação de mais de 100 milhões de hectares de pastos abandonados ou degradados, o Ministério da Agricultura cogita a consolidação de ocupações independentemente da confirmação da aptidão do solo.

3) Escambo de áreas desmatadas na Mata Atlântica ou no Cerrado por floresta na Amazônia
,  quebrando por completo a lógica prevista na Lei da equivalência ecológica na compensação de áreas e permitindo a consolidação de grandes extensões de terra sem vegetação nativa, o que se agrava com a consolidação de todas as ocupações ilegais em área de preservação permanente até 2007 e citada acima.

4) Possibilidade, para os estados, de reduzir todos os parâmetros referentes às áreas de preservação permanente, acabando com o piso mínimo de proteção estabelecido pelo código florestal, o que pode ensejar mais desmatamento em todos os biomas no Brasil e a competição pela máxima ocupação possível.

A proposta apresentada pelo Ministério da Agricultura e Frente Parlamentar da Agropecuária é uma verdadeira bomba-relógio para fomentar novas situações como aquelas de Santa Catarina, legalizando e incentivando a ocupação de áreas ambientalmente vulneráveis.

Não é possível discutir e negociar com um ministério que, em detrimento do interesse público, se preocupa apenas em buscar anistias para particulares inadimplentes. Para ter credibilidade, o processo de negociação sobre código florestal deve ser vinculado à obtenção do desmatamento zero, conforme assumido pelo presidente da república, e ao cumprimento da legalidade em todo o território nacional.

As organizações ambientalistas abaixo assinadas acompanharam as duas primeiras reuniões do grupo de trabalho formado pelos Ministérios da Agricultura, do Meio Ambiente  e do Desenvolvimento Agrário acreditaram na seriedade e no compromisso do grupo para com a produção agrícola sustentável no país e propuseram soluções viáveis de interesse geral. Agora, em respeito à sociedade nacional, às vitimas atuais e futuras do desflorestamento e aos produtores rurais que vêm cumprindo a lei, se retiram do referido grupo e denunciam mais uma iniciativa unilateral e desprovida de base técnica e  jurídica. O fato que esta iniciativa seja oriunda do próprio poder executivo federal, contrariando o anúncio do chefe do executivo, requer que o Presidente crie condições para discutir, com legitimidade e equilíbrio, como aprimorar e implementar melhor o código florestal, para que possa mais efetivamente contribuir para o desmatamento zero.

Amigos da Terra - Amazônia Brasileira

Conservação Internacional

Greenpeace

IMAZON

Instituto Centro de Vida (ICV)

Instituto Socioambiental (ISA)

IPAM

TNC Brasil

WWF-Brasil


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (0)

Álbum de fotos (0)

Marcadores

Comentários



Governo do Amazonas avalia políticas de conservação ambiental no estado
Governo do Amazonas avalia políticas de conservação ambiental no estado
Grupo Pão de Açúcar convida clientes e funcionários a aderirem
Grupo Pão de Açúcar convida clientes e funcionários a aderirem
Mata Atlântica pode ter 15 milhões de hectares restaurados
Mata Atlântica pode ter 15 milhões de hectares restaurados
Novas imagens do Pantanal
Novas imagens do Pantanal
TicTacTicTac: festa para entrar no clima
TicTacTicTac: festa para entrar no clima
Congresso trará novidades e possibilidade de negócios no setor de Eficiência e Co-geração de Energia
Congresso trará novidades e possibilidade de negócios no setor de Eficiência e Co-geração de Energia
Viagem tranqüila até a foz do rio Cuc
Viagem tranqüila até a foz do rio Cuc
WWF-Brasil promove curso de manejo florestal madeireiro em Apuí (AM)
WWF-Brasil promove curso de manejo florestal madeireiro em Apuí (AM)
COP 11 termina com avanços na proteção dos oceanos, mas acordo alcançado sobre financiamento decepciona
COP 11 termina com avanços na proteção dos oceanos, mas acordo alcançado sobre financiamento decepciona
WWF-Brasil não revisou conteúdo do livro da Dutch Soy Coalition
WWF-Brasil não revisou conteúdo do livro da Dutch Soy Coalition
Comunidade se mobiliza em defesa do Córrego do Urubu
Comunidade se mobiliza em defesa do Córrego do Urubu
Para WWF-Brasil Fundo Amazônia é bom, mas não é a única opção
Para WWF-Brasil Fundo Amazônia é bom, mas não é a única opção
ONU oficializa Ano Internacional da Biodiversidade
ONU oficializa Ano Internacional da Biodiversidade
Número de cidades participantes da Hora do Planeta sobe para 60
Número de cidades participantes da Hora do Planeta sobe para 60
WWF-Brasil convoca para Hora do Planeta 2010
WWF-Brasil convoca para Hora do Planeta 2010
Acre preparado para a Hora do Planeta 2010
Acre preparado para a Hora do Planeta 2010
Ministros amazônicos manifestam interesse na conservação integrada da região em Nagoia
Ministros amazônicos manifestam interesse na conservação integrada da região em Nagoia
Estrada da soja ameaça patrimônio da humanidade
Estrada da soja ameaça patrimônio da humanidade
Brasil não cumpriu metas de conservação da Mata Atlântica
Brasil não cumpriu metas de conservação da Mata Atlântica
WWF-Brasil participa do São Paulo Fashion Week
WWF-Brasil participa do São Paulo Fashion Week