Aguarde...

É vital proibir o comércio do atum-azul do Atlântico




Porto de Galinhas, Brasil - A Comissão do Atum do Atlântico produziu apenas medidas inadequadas ou atrasadas para assegurar a recuperação do atum-azul do Atlântico Leste. O alerta foi feito no domingo (15/11) pela rede ambientalista mundial WWF. A sobrevivência do atum depende, agora, em grande parte, da proibição do comércio internacional, o que será discutido em março próximo.

A Comissão Internacional para a Conservação do Atum do Atlântico (ICCAT) apoiou hoje a proposta de seu coordenador, da União Européia, Japão, Marrocos e Tunísia para diminuir, em 2010, a quota de pesca do atum-azul do Leste, de 19.500 toneladas para 13.500 toneladas, uma quantidade que ainda é muito elevada para possibilitar a recuperação dos estoques.

Um estudo apresentado à ICCAT em Recife mostrou que mesmo uma quota de 8.000 toneladas, implementada com severidade, teria uma chance de apenas 50% de propiciar a recuperação do atum-azul no Atlântico Leste até 2023. Outro estudo da ICCAT demonstrou que somente a interrupção total da pesca proporcionaria uma chance significativa de recuperar suficientemente a população do atum-azul e impedir que a espécie se qualifique para sofrer grandes restrições ao comércio até 2019.

Mais do que nunca é preciso que os países membros da Convenção sobre Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Silvestres Ameaçadas de Extinção (CITES) se unam no apoio à restrição do comércio mundial do atum-azul do Atlântico. A CITES deve considerer a proposta do Principado de Mônaco, segundo a qual, na reunião de Doha programada para março próximo, o atum-azul deve entrar na lista do nível mais alto de restrições ao comércio.

"O resultado de hoje é completamente não-científico e totalmente inaceitável", afirmou Sergi Tudela, coordenador do Programa de Pesca do WWF-Mediterrâneo. "Essa redução da quantidade permitida da pesca não está baseada em nenhuma recomendação científica específica para atingir alta probabilidade de recuperação dos estoques - trata-se apenas de uma medida política arbitrária e somente com duração de um ano. Para o WWF, a proibição do comércio mundial é agora, mais do que nunca, a única esperança que resta para o atum-azul do Atlântico".

Tudela afirmou que, no caso da espécie identificada como em grave risco, uma nova medida para a suspensão da pesca em 2011 é difícil de conciliar com os últimos dados do comitê científico, que apontam que os estoques já se encontram em nível inferior a 10 ou 15% em relação aos níveis sem pesca. "As tendências do atum-azul estão muito claras e para evitar o colapso nós precisamos agir olhando à frente em vez de nos guiarmos pelo retrovisor", concluiu Tudela.


Durante a reunião, a Rede WWF fez pressão a favor da suspensão da pesca e pediu providências contra a pesca illegal. Calcula-se que as estimativas mais recentes (2008) da quantidade pescada, que é de 34.120 toneladas, estejam infladas pela pesca ilegal. No evento em Recife, quase todos os países que capturam o atum foram formalmente identificados pela ICCAT como infratores das regras - é o caso das fazendas de engorda de atum da União Européia, que aceitam peixes sem a documentação correta.

A capacidade excessiva das frotas industriais no Mediterrâneo também continua a prejudicar os esforços de conservação. No entanto, esse problema não foi suficientemente abordado pela Comissão do Atum.

A estação da pesca industrial do atum-azul foi reduzida de dois meses para um mês no caso das frotas pesqueiras que utilizam grandes redes. Mesmo assim, a pesca está permitida no auge do período da desova, que vai de 15 de maio a 15 de junho, e então o atum torna-se mais vulnerável. A ICCAT também continua ignorando os contínuos apelos para que se crie santuários nos locais chaves de desova do atum-azul, como é o caso das Ilhas Baleares, na Espanha.

"O senso comum indica que uma proibição do comércio, apoiada por uma suspensão temporária da pesca, é o que faz falta para recuperar o atum do Atlântico", afirmou Tudela. "Acabar com a pesca é o que a ICCAT precisava fazer para salvar o atum -- e também para salvar a reputação da Comissão."

Tudela fez um apelo aos países membros da CITES para que eles "não se deixem enganar pelas promessas da ICCAT, de que vai salvar o atum-azul do Atlântico nos anos vindouros. Nós já vimos promessas vazias demais durante esses 40 anos em que a ICCAT não conservou o atum. A Comissão do Atum falhou no momento mais crucial de sua história - como é possível esperar que aja melhor agora? Chegou a hora de adotar providências em outro lugar".

Para colocar mais fogo na fogueira do fracasso geral da ICCAT, foi feito o endosso a um adicional de dois anos para que o Marrocos continue a utilizar as redes flutuantes ilegais na pesca do peixe-espada (também conhecido como espadarte). Essas redes, chamadas de "muros da morte", matam 4.000 golfinhos e 25.000 tubarões por ano no mar Mediterrâneo.

A proibição de redes flutuantes é objeto de um grande número de acordos internacionais desde 1992, inclusive no âmbito da ONU, da ICCAT, da União Européia - que é o principal mercado para o peixe-espada do Marrocos - e no próprio Marrocos.

"Este ano, todas as partes falaram na necessidade de restaurar a credibilidade da ICCAT. E para isso endossam a matança de mais 50.000 tubarões e 8.000 golfinhos, numa violação das resoluções da ONU? Não dá para acreditar! É mais uma prova da total disfunção da ICCAT como organização séria de manejo da pesca", disse Tudela.


A ICCAT tampouco foi capaz de alcançar um acordo para adotar medidas substanciais para proteger espécies vulneráveis de tubarão.


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (1)

Álbum de fotos (1)

Marcadores

Comentários



Entidades ambientalistas se retiram da negociação sobre código florestal e pedem ao Presidente seriedade por parte do governo
Entidades ambientalistas se retiram da negociação sobre código florestal e pedem ao Presidente seriedade por parte do governo
WWF Brasil e TNC coordenam documento brasileiro para o Fórum Mundial da Água
WWF Brasil e TNC coordenam documento brasileiro para o Fórum Mundial da Água
Conselho aprova UCs em Bertioga
Conselho aprova UCs em Bertioga
Setor privado se engaja na conservação da biodiversidade
Setor privado se engaja na conservação da biodiversidade
Clube Corporativo WWF-Brasil se reúne em São Paulo
Clube Corporativo WWF-Brasil se reúne em São Paulo
Surgem novos agentes de progresso nas conversações da ONU sobre clima em Accra
Surgem novos agentes de progresso nas conversações da ONU sobre clima em Accra
Código Florestal: canetada errada pode condenar milhares de quilômetros de florestas inundáveis
Código Florestal: canetada errada pode condenar milhares de quilômetros de florestas inundáveis
Groupon cria oferta especial para ajudar a Iniciativa Amazônia Viva do WWF
Groupon cria oferta especial para ajudar a Iniciativa Amazônia Viva do WWF
Bailarinos brilhantes iluminaram a Malásia escurecida
Bailarinos brilhantes iluminaram a Malásia escurecida
Rio+20: WWF-Brasil diz que é preciso passar das palavras à ação
Rio+20: WWF-Brasil diz que é preciso  passar das palavras à ação
Pagamento por boas práticas produtivas beneficia famílias no Acre
Pagamento por boas práticas produtivas beneficia famílias no Acre
Natura é a primeira empresa brasileira a aderir ao Programa Defensores do Clima do WWF-Brasil
Natura é a primeira empresa brasileira a aderir ao Programa Defensores do Clima do WWF-Brasil
Acre e Rio Branco aderem à Hora do Planeta
Acre e Rio Branco aderem à Hora do Planeta
Movimento estudantil presente contra mudanças no Código Florestal
Movimento estudantil presente contra mudanças no Código Florestal
Encontro discute uso sustentável da madeira
Encontro discute uso sustentável da madeira
Áreas Protegidas ganham ‘fundo’
Áreas Protegidas ganham ‘fundo’
Apesar da queda do desmatamento, faltam políticas para garantir redução, diz WWF- Brasil
Apesar da queda do desmatamento, faltam políticas para garantir redução, diz WWF- Brasil
Frente Parlamentar Ambientalista anuncia adesão à Hora do Planeta
Frente Parlamentar Ambientalista anuncia adesão à Hora do Planeta
Programa Madeira é Legal une esforços de diferentes setores para incentivar o uso de madeira legal e certificada
Programa Madeira é Legal une esforços de diferentes setores para incentivar o uso de madeira legal e certificada
WWF-Brasil, Greenpeace e SOS Mata Atlântica convidam jornalistas para o workshop sobre Código Florestal
WWF-Brasil, Greenpeace e SOS Mata Atlântica convidam jornalistas para o workshop sobre Código Florestal