Aguarde...

Desastres com petróleo provocam riscos em alto mar




Gland, Suíça - Desastres recentes com vazamentos ou plataformas de petróleo em alto mar - inclusive a presente catástrofe envolvendo a empresa Deepwater Horizon no Golfo do México - reforçam a necessidade de uma mudança mundial para uma energia mais segura e mais limpa, declarou hoje (03.05.2010) a rede ambientalista WWF.

Um mundo que busca uma quantidade cada vez maior de petróleo e gás nas águas profundas e em locais cada vez mais difíceis e delicados precisa incluir, nessa equação, o fato de que se movimenta num território com maior probabilidade de acidentes e que, quando eles ocorrem, a resposta é mais difícil e as conseqüências maiores.

“A infraestrutura bem desenvolvida do Golfo do México, assim como o acesso aos métodos tecnologicamente mais avançados para responder ao vazamento, constitui o melhor conjunto possível de circunstâncias para enfrentar um desastre dessa ordem”, disse William Eichbaum, vice-presidente para o Ártico e Políticas Marinhas do WWF-Estados Unidos. “Apesar de todas essas vantagens, no entanto, a crise está cada vez pior,” concluiu.

Estima-se que 400 a 600 espécies estejam potencialmente em risco à medida que o petróleo da Deepwater Horizon se espalha e atinge a costa da Louisiana, nos Estados Unidos, num dos piores momentos para as aves migratórias.  A área atingida é local de hibernação ou descanso para quase três quartos das aves aquáticas dos Estados Unidos.  E este momento é o pico do período em que as aves migram e fazem seus ninhos, quando os primeiros filhotes se aventuram nas lagoas e pântanos situados na trajetória dessa mancha de óleo.

A área do vazamento de petróleo é uma das principais áreas de desova do Atum Azul do Atlântico Ocidental e essa espécie volta agora para sua restrita estação de desova.  A ameaça recai também sobre uma das maiores indústrias de frutos do mar dos Estados Unidos, responsável por cerca da metade do camarão silvestre desembarcado e 40% das ostras - que também se encontram em fase reprodutiva.

"A devastação ecológica e econômica em curso no Golfo do México serve para lembrar que a exploração de petróleo em alto mar é, na realidade, profundamente perigosa e de que deveríamos pensar duas vezes antes de liberar esse desenvolvimento em águas ainda mais delicadas e traiçoeiras”, declarou o diretor geral da Rede WWF Internacional, James Leape.

Em meio aos indicativos recentes do fracasso da indústria petrolífera na abordagem de esperar o melhor, mas planejar para o pior, a Rede WWF detalhou como as avaliações de impacto ambiental e os planos de contingência para vazamentos de óleo e a exploração de petróleo no inóspito Mar de Chukchi consideram “insignificante” o risco de aumento da mancha e deixam de analisar os impactos potenciais ou a reação ao plano.

O óleo é altamente tóxico para o meio ambiente marinho e costeiro e seu impacto sobre a vida silvestre pode permanecer durante décadas.  Ainda é possível encontrar óleo do pior vazamento em área marinha dos Estados Unidos - o desastre da Exxon Valdez em 1989  -- que ainda causa impacto. A empresa Deep Horizon, que segundo estimativas vaza cerca de 5 mil barris de óleo por dia, está determinada a superar a quantidade de óleo da Exxon Valdez no início desta semana.

No final de 2009, o WWF se envolveu na avaliação de riscos ambientais e danos do aumento da exploração da Montara no Mar do Timor.

Por meio de menos do que um décimo da escala do desastre no Golfo do México (estimado em 400 barris diários contra os atuais 5 mil) e em função de sua localização em mares muito mais rasos (cerca de 90 metros ou 300 pés em contraste com os cerca de 1.500 metros ou 5 mil pés), o vazamento exigiu quatro tentativas e 73 dias para fechar.

O óleo se espalhou por 90 mil quilômetros quadrados no mar e alcançou as águas da Indonésia e o Triângulo dos Corais, que é uma área prioritária mundial para a conservação do meio ambiente.

A exemplo do que aconteceu no Golfo, o vazamento de Montara atingiu baleias e golfinhos, áreas de desova do atum, tartarugas e aves marinhas.

“Infelizmente, nunca chegaremos a conhecer o real prejuízo provocado à vida silvestre”, disse o diretor de Conservação do WWF-Austrália, Gilly Llewellyn, que viajou de barco até o Mar Timor durante a ocorrência do vazamento para poder preencher o vácuo da informação oficial e por parte da empresa envolvida.
 
“Simplesmente não houve suficientes esforços de monitoramento para se ter uma idéia do impacto total.  Nós achamos que o vazamento afetou milhares, ou mesmo dezenas de milhares de criaturas marinhas, como as aves marítimas, baleias e golfinhos que entraram em contato com esse óleo derramado,” continuou Llewellyn.

Cientista marinho familiarizado com o Golfo do México, Llewellyn disse que a riqueza biológica costeira do estado de Louisiana provém da complexa mistura de ilhas nos bancos de areia e pântanos lodosos. “Pode-se limpar a areia, mas não se pode limpar o lodo”, disse Llewellyn.  “Se o óleo atingir o lodo, os efeitos podem ser muito duradouros”.


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (1)

Álbum de fotos (1)

Marcadores

Comentários



Negociações de clima: avanços no texto, mas novos entraves políticos
Negociações de clima: avanços no texto, mas novos entraves políticos
Coração de Bornéu renova uma esperança de uma das áreas mais ricas em biodiversidade do mundo
Coração de Bornéu renova uma esperança de uma das áreas mais ricas em biodiversidade do mundo
WWF-Brasil participa como jurado da final brasileira da Imagine Cup 2008
WWF-Brasil participa como jurado da final brasileira da Imagine Cup 2008
Zig Koch mostra os desafios de fotografar a Amazônia
Zig Koch mostra os desafios de fotografar a Amazônia
Conter o desmatamento na Amazônia requer uma vontade política inédita
Conter o desmatamento na Amazônia requer uma vontade política inédita
Visitantes da ExpoMs fazem teste da pegada ecológica
Visitantes da  ExpoMs fazem teste da pegada ecológica
WWF apoiará reservas particulares de São Paulo
WWF apoiará reservas particulares de São Paulo
IR Ecológico será discutido em Fortaleza
IR Ecológico será discutido em Fortaleza
Lideranças do manejo florestal comunitário entregam reivindicações a Marina Silva
Lideranças do manejo florestal comunitário entregam reivindicações a Marina Silva
Sabores do Pantanal
Sabores do Pantanal
Código Florestal ameaça cumprimento de acordos internacionais no país
Código Florestal ameaça cumprimento de acordos internacionais no país
Audiência pública discute impactos da usina de Belo Monte
Audiência pública discute impactos da usina de Belo Monte
Clima precisa de mais peso na agenda política
Clima precisa de mais peso na agenda política
Panda da Rede WWF é tema de revista infantil em São Paulo
Panda da Rede WWF é tema de revista infantil em São Paulo
Conter o aquecimento global é possível, diz relatório da Rede WWF
Conter o  aquecimento global é possível, diz relatório da Rede WWF
São Paulo sedia primeiro Fórum Brasileiro da Água
São Paulo sedia primeiro Fórum Brasileiro da Água
Ministro alemão lembra saída de Marina Silva do MMA e pede comprometimento de Carlos Minc
Ministro alemão lembra saída de Marina Silva do MMA e pede comprometimento de Carlos Minc
WWF-Brasil, Greenpeace e SOS Mata Atlântica convidam jornalistas para o workshop sobre Código Florestal
WWF-Brasil, Greenpeace e SOS Mata Atlântica convidam jornalistas para o workshop sobre Código Florestal
Comunidades locais e povos indígenas contribuem para a conservação da biodiversidade
Comunidades locais e povos indígenas contribuem para a conservação da biodiversidade
WWF-Brasil, com Brand Finance, realiza pesquisa de percepção da marca
WWF-Brasil, com Brand Finance, realiza pesquisa de percepção da marca