Aguarde...

COP 11 na Índia revitaliza expectativa em torno dos compromissos assumidos em 2010




A 11a Conferência das Partes (COP-11) da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB) que acontecerá entre os dias 8 e 19 de outubro será a primeira conferência após a adoção do Plano Estratégico da CDB e suas Metas de Aichi para 2020 e do Protocolo de Nagoia, que trata do acesso e repartição dos benefícios da biodiversidade e conhecimento tradicional associado. Representantes dos 193 países signatários da CDB, além de outras instituições da sociedade civil e organismos intergovernamentais, se reunirão nos próximos dias em Hyderabad para acordar caminhos, instrumentos e recursos necessários para garantir que os compromissos acordados na COP-10 sejam realmente alcançados.

Tanto o Plano Estratégico, quanto o Protocolo de Nagoia, representam os principais mecanismos que orientam as ações mundiais para o combate da perda de biodiversidade até 2020. No entanto, após cerca de dois anos de sua adoção pela Convenção, pouco progresso foi observado no alcance dos compromissos acordados em 2010. A grande maioria dos países ainda precisa definir metas nacionais para 2020 e atualizar suas estratégias e planos de ação, inclusive identificando os recursos necessários para sua implementação, além de ratificar o Protocolo de Nagoia, e estabelecer os instrumentos necessários para sua operacionalização nas esferas nacionais.

O governo brasileiro foi um dos primeiros a ratificar o Protocolo de Nagoia junto à CDB, mas ainda precisa aprovar o novo marco legal que regulamenta a repartição dos benefícios na esfera nacional já sob o que emana deste Protocolo. Em relação ao Plano Estratégico da CDB, o Ministério do Meio Ambiente, em parceria com a UICN, IPÊ e WWF-Brasil conduziram a iniciativa Diálogos sobre Biodiversidade, que envolveu mais de 280 instituições e 400 representantes de diferentes setores (privado, governamental, academia, sociedade civil, comunidades locais e populações indígenas) para debater as metas nacionais da estratégia de biodiversidade para 2020. O processo resultou em uma proposta de 20 metas nacionais, 18 delas com consenso total entre os diversos setores consultados, e que agora irá subsidiar a revisão da estratégia nacional de biodiversidade e elaboração de um plano de ação governamental. Outro resultado importante foi o estabelecimento de uma estrutura intersetorial de debate sobre o tema e de possíveis apoiadores do processo de implementação e monitoramento das metas. Com apenas oito anos restando para o prazo de alcance das metas globais, a definição da estratégia nacional deve ser uma prioridade. As metas, além dos indicadores, dos instrumentos e dos arranjos necessários para atingi-las precisam ser rapidamente definidas.

Um dos pontos centrais das negociações durante a COP-11 será a estratégia de mobilização de recursos financeiros, incluindo a definição de metas de aumento nos financiamentos voltados à conservação. Múltiplas fontes de recursos, tais como agências internacionais, orçamentos dos países e mecanismos financeiros inovadores deverão ser considerados para garantir um aumento gradual na disponibilidade de recursos. O WWF-Brasil acredita que o aumento anual de 20% nos fluxos internacionais de recursos e de 10% nos recursos nacionais disponíveis entre 2013 e 2020, com base na média anual de recursos mobilizados entre 2006 e 2010, representam valores possíveis e necessários para cobrir a atual lacuna financeira na implementação das Metas de Aichi.

Outro tema de atenção será a conservação dos ambientes marinhos. Com apenas 1,6% da área marinha global sob proteção formal, é necessário um esforço e comprometimento de todos para o alcance dos 10% de área marinha protegida definida pela Meta 11 do Plano Estratégico para 2020, além do reconhecimento da importância de áreas além da jurisdição dos países e encaminhamento de recomendações sobre a conservação dessas áreas para a Assembleia Geral das Nações Unidas. O Brasil possui menos de 2% de sua área marinha em unidades de conservação e terá que definir uma estratégia robusta de proteção dos ambientes costeiros e marinhos frente às diversas perspectivas de exploração econômica desses ambientes.

Ainda, espera-se que os resultados da COP-11 garantam maior integração da biodiversidade no desenvolvimento, por meio da consideração das Metas de Aichi no processo de elaboração dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio pós 2015, do fortalecimento e reconhecimento nacional de alto nível do papel do IPBES (International Panel on Biodiversity and Ecosystem Services), do apoio as capacitações e iniciativas voltadas à integração do valor dos ecossistemas e da biodiversidade relacionados na economia, e da eliminação ou reforma dos subsídios econômicos perversos.

A biodiversidade e os serviços ecossistêmicos são essenciais às sociedades, fornecendo água, alimento, fibras, medicamentos e toda a base para o desenvolvimento econômico. Os líderes mundiais precisam reconhecer esse fato e agir no sentido de proteger esses recursos e serviços, garantindo o alcance dos compromissos acordados em 2010 para combater a perda de biodiversidade global. Serão necessárias novas formas de fazer negócios e mobilizar recursos e parcerias para garantir um futuro sustentável a todos, e o Brasil pode e deve ser um líder nesse processo.

COP - 11

A 11ª Conferência das Partes (COP-11) da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), realizada pela Organização das Nações Unidas (ONU), teve início nesta segunda-feira (08/10), e vai até 19 de outubro, em Hyderabad, na Índia. Participam representantes de cerca de 190 países. O encontro se realiza depois da Sexta Reunião das Partes do Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança (MOP-6), realizada de 1º a 5 de outubro, no mesmo local.

A COP-11 retoma as discussões de dois anos atrás, na COP-10, em Nagoya, no Japão, quando foi aprovado o Protocolo de Nagoia. O Brasil assinou o documento, mas o Congresso Nacional ainda não o aprovou. Também em Nagoia, foram aprovadas metas para o período 2010-2020, que os países devem cumprir. Em Hyderabad, espera-se que os países apresentem estratégias para atingirem metas de proteção aos ecossistemas, proteção de espécies ameaçadas de extinção e de ampliação de áreas protegidas, entre outros temas.



Fonte: WWF - Brasil


Álbum (1)

Álbum de fotos (1)

Marcadores

Comentários



Rio de Janeiro é palco da próxima manifestação contra reforma do Código Florestal
Rio de Janeiro é palco da próxima manifestação contra reforma do Código Florestal
Estudos ressaltam importância ambiental do Código Florestal
Estudos ressaltam importância ambiental do Código Florestal
Áreas protegidas: Soluções Naturais para a crise de mudanças climáticas
Áreas protegidas: Soluções Naturais para a crise de mudanças climáticas
Encontro com pecuaristas vai discutir conservação da onça-pintada no Pantanal
Encontro com pecuaristas vai discutir conservação da onça-pintada no Pantanal
Body Shop anuncia uso de óleo sustentável para reduzir ameaças ao meio ambiente
Body Shop anuncia uso de óleo sustentável para reduzir ameaças ao meio ambiente
SOS FLORESTAS mobiliza público e artistas do festival Black na Cena
SOS FLORESTAS mobiliza público e artistas do festival Black na Cena
Já estamos na região amazônica
Já estamos na região amazônica
Um planeta vivo, mas com consumo insustentável
Um planeta vivo, mas com consumo insustentável
WWF-Brasil apoia ação do Greenpeace em defesa do Código Florestal
WWF-Brasil apoia ação do Greenpeace em defesa do Código Florestal
Projeto inédito monitora tartarugas na Amazônia
Projeto inédito monitora tartarugas na Amazônia
Especialistas debatem vulnerabilidades da Bacia do Rio Acre
Especialistas debatem vulnerabilidades da Bacia do Rio Acre
Comitês de bacia aprovam moção contra mudanças no Código Florestal
Comitês de bacia aprovam moção contra mudanças no Código Florestal
Esec-AE lança seu terceiro almanaque de educação ambiental
Esec-AE lança seu terceiro almanaque de educação ambiental
Reta final na COP da biodiversidade: chegou a hora da ação
Reta final na COP da biodiversidade: chegou a hora da ação
Marina Silva é nomeada Membro Honorário da UICN
Marina Silva é nomeada Membro Honorário da UICN
Experiências de trabalho com Resex são sistematizadas
Experiências de trabalho com Resex são sistematizadas
Entrevista: “Já existem diversos compradores dispostos a pagar mais por produtos ambientalmente adequados”
Entrevista: “Já existem diversos compradores dispostos a pagar mais por produtos ambientalmente adequados”
WWF-Brasil apoia consolidação de Resex no Mato Grosso
WWF-Brasil apoia consolidação de Resex no Mato Grosso
Encontro discute sistema de áreas úmidas Paraguai-Paraná
Encontro discute sistema de áreas úmidas Paraguai-Paraná
Nota à sociedade brasileira e ao Senado Federal
Nota à sociedade brasileira e ao Senado  Federal