Aguarde...

Cobrar por retenção de CO2 pode ajudar a Amazônia




A destruição da região amazônica pode ser contida se for dado um estímulo financeiro à manutenção dos serviços ecológicos prestados pela floresta como, por exemplo, a quantidade de dióxido de carbono retida em suas árvores. A retenção de CO2, que tem como valor estimado entre *R$ 113 e R$ 226 por hectare por ano, é apenas um dos muitos serviços ecológicos prestados pela Amazônia.

Os dados são apresentados no estudo intitulado Mantendo a floresta amazônica em pé: uma questão de valores (Keeping the Amazon forests standing: a matter of values), encomendado pela Rede WWF e realizado pelo Instituto Copérnico da Universidade de Utrecht, na Holanda.

O objetivo do relatório é determinar o valor econômico dos serviços fornecidos pelo meio ambiente natural da Amazônia.  Entre os exemplos estão a circulação de grandes quantidades de água, o depósito de carbono - o qual, ao ser liberado, é convertido em CO2, um gás de efeito estufa -, além da contribuição da floresta para o equilíbrio térmico do planeta. Já a prevenção da erosão poderia valer aproximadamente R$ 537 por hectare por ano.

A dispersão do pólen nas plantações de café no Equador, que é feita pelos insetos originários das florestas tropicais, valeriam R$ 110 por hectare por ano. Produtos como mel, frutos florestais e cogumelos representariam um valor aproximado de R$ 113 a R$ 226 por hectare por ano.  A recreação e o ecoturismo significariam, em média, entre R$ 7,8 e R$ 15,8 por hectare por ano.

No entanto, a maior parte desses serviços ecológicos, de grande valor econômico e social - sem falar no valor cultural da Amazônia para os que nela vivem e para os brasileiros em geral -, não tem mercado. Ou seja, quem desmata pode até eventualmente ter algum benefício econômico de curto prazo, mas a sociedade perde um valor econômico mais alto, e ainda paga os custos das enchentes e das secas - decorrentes do desequilíbrio climático, por exemplo. 
 
É importante ressaltar que o processo de desmatamento na Amazônia inclui elementos como a falta de clareza sobre a posse de terras, associada à ocupação legal e ilegal de propriedades na região.

 Outras práticas econômicas que em muito colaboram com a destruição das florestas tropicais são a produção predatória ou não-sustentável de carne e soja, principais produtos importados pela Europa. A pecuária extensiva gera de R$ 70 a R$ 202 por hectare anualmente e a soja, de R$ 405 a R$ 828.

 Além da responsabilidade brasileira na destruição de nossas florestas, há também grande parcela de contribuição dos países importadores de commodities. Por exemplo, com relação à carne brasileira, os principais importadores são Rússia, Grã-Bretanha e Egito. Quanto à soja brasileira, a China é o maior importador e a Holanda, quarto maior parceiro comercial do Brasil, é o segundo maior importador mundial de soja.

O relatório da Rede WWF mostra que a renda das atividades econômicas em que o meio ambiente natural permanece intacto - depósito de carbono, água pura e equilíbrio climático - não é suficientemente alta, hoje, para se contrapor às atividades não-sustentáveis. Isso ocorre porque o valor dos serviços ecológicos não é incluído no preço das commodities pago pelo mercado.

Ao calcular o valor financeiro do dióxido de carbono retido pelas árvores e pelo solo da Amazônia, a Rede WWF propõe uma nova solução que pode alterar essa situação.  No mecanismo conhecido por REDD (Redução das Emissões oriundas do Desmatamento e da Degradação florestal), os países industrializados deveriam pagar pela conservação da floresta e o combate às emissões de CO2 nos países tropicais em desenvolvimento.

Os planos para tal mecanismo preveem a disponibilização de grandes fluxos de recursos financeiros para a gestão sustentável das florestas que propicie a redução do desmatamento e a manutenção da floresta em pé.

Denise Hamú, secretária-geral do WWF-Brasil, comenta que "REDD não é o único mecanismo para manter a floresta em pé, mas certamente é o mais promissor neste momento.''

"Os seres humanos são muito dependentes dos serviços fornecidos pela Amazônia, embora ainda não se pague por eles: chuvas para a agricultura, inclusive no Sul e Sudeste do Brasil e países vizinhos, água pura para beber, ar puro e o combate ao aquecimento global. Mas, se a tendência atual do desmatamento continuar, esse benefícios serão seriamente comprometidos", afirma Hamú.
 
"As empresas, nacionais e estrangeiras, também devem desempenhar um papel de liderança, selecionando seus fornecedores, limpando e descarbonizando suas cadeias produtivas e, assim, participando ativamente do desenvolvimento sustentável da Amazônia e do país", completa Hamú.

_____________________

 * No relatório, o valor econômico dos serviços ecológicos mencionados acima foi valorado em dólar norte-americano. Neste release para a imprensa, os valores aparecem em reais.  A taxa de câmbio utilizada foi a de 06-02-2009: 1 R$ = 2.26 US$.


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (2)

Álbum de fotos (2)

Marcadores

Comentários



Grupo de saúde paulista confirma adesão de todas as unidades à Hora do Planeta
Grupo de saúde paulista confirma adesão de todas as unidades à Hora do Planeta
Onda de ecosurfistas invade o Ibirapuera
Onda de ecosurfistas invade o Ibirapuera
Parecer de Aldo Rebelo sobre mudanças no Código Florestal é desastroso, dizem ambientalistas
Parecer de Aldo Rebelo sobre mudanças no Código Florestal é desastroso, dizem ambientalistas
Rede WWF: Líderes mundiais precisam acolher meta de desmatamento zero até 2020
Rede WWF: Líderes mundiais precisam acolher meta de desmatamento zero até 2020
Especialistas defendem agricultura verde, pagamento de serviços e regeneração de áreas
Especialistas defendem agricultura verde, pagamento de serviços e regeneração de áreas
Redução do desmatamento é essencial para conter mudanças climáticas
Redução do desmatamento é essencial para conter mudanças climáticas
Financiamento de serviços ambientais rende prêmio da ONU
Financiamento de serviços ambientais rende prêmio da ONU
Entrevista Cláudio Maretti: valor da biodiversidade e repartição de benefícios
Entrevista Cláudio Maretti: valor da biodiversidade e repartição de benefícios
Debate Amazônia: O futuro do Tapajós, o rio mais belo do mundo
Debate Amazônia: O futuro do Tapajós, o rio mais belo do mundo
Brasil, o “Fóssil do Dia”
Brasil, o “Fóssil do Dia”
Clima: Relatório estabelece prazos para mudança
Clima: Relatório estabelece prazos para mudança
Imagens do Pantanal
Imagens do Pantanal
Shopping Hortolândia, em São Paulo, apaga as luzes na Hora do Planeta
Shopping Hortolândia, em São Paulo, apaga as luzes na Hora do Planeta
WWF-Brasil abre debate sobre estudo da expansão da cana-de-açúcar
WWF-Brasil abre debate sobre estudo da expansão da cana-de-açúcar
"Projeto de reforma do Código Florestal é uma bomba de carbono"
"Projeto de reforma do Código Florestal é uma bomba de carbono"
Natureza ganha vigoroso alento com o novo acordo sobre biodiversidade
Natureza ganha vigoroso alento com o novo acordo sobre biodiversidade
Refugiados Ambientais: uma nova expressão nas negociações sobre clima
Refugiados Ambientais: uma nova expressão nas negociações sobre clima
Oficina debate mudanças climáticas e gestão de recursos hídricos
Oficina debate mudanças climáticas e gestão de recursos hídricos
Agricultores de Brasília serão pagos para preservar a natureza
Agricultores de Brasília serão pagos para preservar a natureza
Manual para educadores ensina a investigar a biodiversidade
Manual para educadores ensina a investigar a biodiversidade