Aguarde...

Biodiversidade: é pra comer, vestir ou passar no cabelo?




Esse é o provocativo título do livro organizado pelo WWF-Brasil, pela TNC (The Nature Conservancy), pelo CEBDS (Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável) e pelo IEB (Instituto Internacional de Educação do Brasil), com o intuito de mostrar o que a sociedade brasileira faz para implementar a Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB). O acordo internacional objetiva promover o desenvolvimento sustentável e a conservação da diversidade biológica, e já foi assinado por mais de 170 países desde sua criação na Rio 92. O lançamento coincide com a 8ª Conferência das Partes da CDB, a chamada COP8, que acontecerá pela primeira vez no Brasil, em Curitiba, entre os dias 20 e 31 de março.

Publicado pela Editora Peirópolis, o livro é dividivido em três partes: 

A primeira “Com a mão na massa” trata das ações de instituições diretamente relacionadas à conservação ou ao uso sustentável da biodiversidade. Elas trabalham no campo, com espécies, recursos genéticos, ecossistemas e comunidades, criando oportunidades de conservação e promovendo formas de uso mais racional dos recursos naturais. Entre elas estão ONGs que trabalham com espécies ameaçadas, como a Fundação Biodiversitas e a Associação Mico Leão Dourado; instituições envolvidas com a conservação de paisagens entre as quais a Companhia Vale do Rio Doce e o SESC Pantanal; e aquelas que lidam com recursos genéticos, como a Extracta Moléculas.

A segunda seção, intitulada “Dê-me uma alavanca e eu moverei o mundo”, apresenta instituições que possuem programas ou conjuntos de ações que estimulam a conservação e o uso sustentável da biodiversidade. Essas organizações alavancam recursos para a conservação, agregando valor aos produtos dela derivados. Patrocinam atividades de outras instituições e incentivam projetos que apresentem sustentabilidade ambiental. São bancos, como o Unibanco e o ABN AMRO; certificadoras, como a Imaflora; e instituições que trabalham potencializando o capital humano, como o IPÊ (Instituto de Pesquisas Ecológicas) e o Sebrae.

A terceira e última seção, “Olho vivo e coração aberto”, traz experiências ligadas à informação sobre a biodiversidade na mídia e ao esforço de valorização do conhecimento dos povos indígenas, principalmente por meio da informação sobre sua importância. Estão reunidos, entre outros, artigos de profissionais de veículos como a Revista Terra da Gente, Ciência Hoje e o Programa Biodiversidade Brasil da TV Cultura, bem como de instituições que trabalham com a proteção dos conhecimentos tradicionais, como o INBRAPI (Instituto Indígena Brasileiro para a Propriedade Intelectual) e a COIAB (Coordenação das Organização Indígenas da Amazônia Brasileira).

Essa publicação, inédita por trazer as contribuições desses diferentes setores para a implementação da Convenção, conta com o apoio financeiro da USAID, do Banco Mundial, da Companhia Vale do Rio Doce e a GTZ (Agência de cooperação técnica da Alemanha).

As editoras, todas mulheres, acreditam que “a amostra aqui apresentada revela a extensão do que tem sido feito pela sociedade brasileira em prol da implementação da biodiversidade e mostra, também, o quanto pode ser feito por meio da promoção de uma maior interação entre os diversos setores da sociedade”.


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (0)

Álbum de fotos (0)

Marcadores

Comentários



Parque Nacional Serra do Pardo (PA) recebe apoio para criação de conselho para gestão
Parque Nacional Serra do Pardo (PA) recebe apoio para  criação de conselho para gestão
Investindo em mídia: encontro em Mato Grosso do Sul reúne jornalistas e pesquisadores para discutir meio ambiente
Investindo em mídia: encontro em Mato Grosso do Sul reúne jornalistas e pesquisadores para discutir meio ambiente
WWF- Brasil e Sol Meliá engajados pela conservação ambiental
WWF- Brasil e Sol Meliá engajados pela conservação ambiental
Em Apiacás (MT), WWF-Brasil une conservação e produção rural
Em Apiacás (MT), WWF-Brasil une conservação e produção rural
Relatório mostra que deter as mudanças climáticas ainda é possível
Relatório mostra que deter as mudanças climáticas ainda é possível
No Rio de Janeiro, cariocas sambaram na Hora do Planeta
No Rio de Janeiro, cariocas sambaram na Hora do Planeta
Equipe da ação Faça a Diferença participa de feira Ambiental
Equipe da ação Faça a Diferença participa de feira Ambiental
Estudantes questionam autoridades sobre defesa do meio ambiente
Estudantes questionam autoridades sobre defesa do meio ambiente
Indústria e ONGs querem banir madeira ilegal
Indústria e ONGs querem banir madeira ilegal
Equipe começa a volta para casa
Equipe começa a volta para casa
Código Florestal: nem toda a terra está disponível para o ser humano
Código Florestal: nem toda a terra está disponível para o ser humano
Dia da Amazônia: público veio às ruas festejar a floresta
Dia da Amazônia: público veio às ruas festejar a floresta
Projeto de manejo do pirarucu apresenta resultados positivos
Projeto de manejo do pirarucu apresenta resultados positivos
Com campanha ambiental, Mato Grosso reduz focos de calor em mais de 30%
Com campanha ambiental, Mato Grosso reduz focos de calor em mais de 30%
Ícones mundiais serão apagados na Hora do Planeta
Ícones mundiais serão apagados na Hora do Planeta
Curitiba agitada para Hora do Planeta, hoje às 20h30
Curitiba agitada para Hora do Planeta, hoje às 20h30
Corra pelo planeta
Corra pelo planeta
Problemas com o batelão Maria Clarini
Problemas com o batelão Maria Clarini
WWF-Brasil apoia ampliação de casa de produção do município de Apiacás
WWF-Brasil apoia ampliação de casa de produção do município de Apiacás
Secretaria de Meio Ambiente de Manaus anuncia adesão à Hora do Planeta
Secretaria de Meio Ambiente de Manaus anuncia adesão à Hora do Planeta