Aguarde...

Autoridades precisam salvar a Rio+20 da falta de ambição




Rio de Janeiro - O texto em negociação apresentado hoje pela manhã na Rio+20 não foi bem recebido pelas entidades civis nem por países que participam diretamente das negociações.

Países árabes e União Europeia pedem "mais ambição" ao documento e impactos nos objetivos de desenvolvimento sustentável, por exemplo. Já países africanos e em desenvolvimento pedem maiores comprometimentos em relação a financiamentos.

Para o WWF-Brasil, está claro que os diplomatas estão fracassando na definição de um texto ambicioso e na tomada de decisões fortes sobre assuntos relevantes. Não há um compromisso com um texto ambicioso e estão priorizando interesses nacionais em detrimento de acordos que beneficiem todo o planeta.

"Não há sentido falar em interesses nacionais sem um planeta saudável. Por isso, esperamos que os chefes e ministros de Estado salvem a Rio+20 nos próximos três dias. Nossos governantes não foram eleitos nem são pagos para fugirem de suas obrigações", ressaltou Maria Cecília Wey de Brito, secretária-geral do WWF-Brasil.

Confira a avaliação do WWF sobre alguns pontos do texto apresentado:

Economia Verde: Muitas oportunidades foram desperdiçadas. A definição de outros indicadores além do PIB para avaliar o desenvolvimento dos países não evoluiu. O documento final reabre um processo de mais 20 anos, nos colocando na mesma posição em que estávamos ao final da Rio 92. Sobre produção e consumo sustentável, o documento estabelece a estrutura de um programa voluntário dentro de um período de 10 anos, quando ideal seria um compromisso mandatório dos países.

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs): O que poderia ser o grande sucesso da Rio +20 ficou limitado a um novo processo de negociação para sua definição. Não estão sendo definidas áreas temáticas para esses objetivos, o que é essencial para direcionar o processo. Outro ponto lamentável é que esses objetivos estão sendo considerados ‘voluntários’.

Energia: A linguagem sobre o tema é muito fraca e não enfatiza a necessidade do aumento do uso de energia de fontes renováveis, além de não apresentar nenhum comprometimento neste ponto. Este processo não criou o compromisso entre os países para trabalhar de forma integrada por energia sustentável para todos.

Água: Apesar de reconhecer o papel fundamental da água e dos serviços dos ecossistemas para desenvolvimento sustentável, o texto não é orientado a ações. Não há novos compromissos em relação ao gerenciamento da água além do que foi definido em Johanesburgo 10 anos atrás. Há pouco direcionamento para a cooperação entre os países para manutenção da qualidade da água.

Oceanos: Nos últimos dias criou-se uma expectativa grande em torno de compromissos concretos em relação a um instrumento de implementação da Convenção das Nações Unidas sobre a Lei dos Direitos do Mar. No entanto, texto final ficou fraco no que diz respeito à conservação e uso sustentável da biodiversidade em áreas além de jurisdições nacionais, levando a apenas um instrumento voluntário.

Três dias de negociações

Nos próximos três dias, chefes de Estado e autoridades dos países irão discutir o documento apresentado pelos diplomatas e definir o que de fato ‘sairá’ da Rio+20.

Diante da pouca ambição do documento apresentado até o momento, a esperança é que eles ‘salvem’ a Rio + 20 de ficar marcada como uma conferência que definiu apenas uma nova agenda de negociação. “Os processos de discussões que estão acontecendo são sempre relevantes, mas as decisões até agora são incrivelmente fracas e não podemos correr o risco de sair daqui sem soluções”, afirmou a secretária-geral do WWF-Brasil.

Para Maria Cecília, os líderes precisam mostrar a que vêm e tomar atitudes de peso que mudem o rumo das negociações feitas até o momento.

Diálogos sobre Desenvolvimento Sustentável também não satisfazem

O processo de consulta à sociedade civil - que aconteceu durante três dias no evento Diálogos sobre Desenvolvimento Sustentável - para definir recomendações que serão incluídas no documento entregue aos chefes de estado para as negociações também não foi satisfatório, avalia o WWF-Brasil.

Apesar de considerar inovadora e importante a ideia do Brasil e da ONU de criar esta plataforma de contribuição, o processo como a consulta foi realizada não foi efetivo como poderia ter sido, de acordo com a secretária-geral do WWF-Brasil. “O tempo para a sociedade se posicionar foi curto e os temas abordados, assim como a abrangência da representatividade de algumas mesas de debate, foram limitados. Além disso, não sabemos ao certo como os resultados irão influenciar na negociação”, ressaltou.

Para Maria Cecília, alguns dos conjuntos de propostas discutidos durantes os diálogos em diferentes mesas não eram muito claros em sua intenção ou pareciam representar o olhar de alguns grupos isolados sobre temas de seu próprio interesse.

“O WWF-Brasil fará uma avaliação crítica de todo o processo da Rio+20, inclusive dos ‘Diálogos’, afirmou Maria Cecília. Mas desde já consideramos ter havido algumas falhas importantes que comprometeram os resultados desta plataforma”, afirmou a Maria Cecília.

Oportunidade de foto

Levem a sério: O balão de 28 metros de altura do WWF estará amanhã na praia do Flamengo, próximo à Cúpula dos Povos, a partir das 16h, com a mensagem #LevemASéRIO+20 – Get SeRIOus+20. O balão foi erguido hoje pela manhã em local próximo ao Riocentro, onde acontece a Rio+20. A ação pede aos negociadores seriedade na definição de acordos que levem o planeta rumo à sustentabilidade.
Veja fotos:



Eventos que o WWF-Brasil participou:

Diálogos sobre Desenvolvimento Sustentável - aproveitamento de resíduos sólidos para geração de energia.

Como resultado da participação da plenária, o painel sobre Cidades Sustentáveis nos Diálogos sobre Desenvolvimento Sustentável (na noite da segunda-feira, 18) repensou uma recomendação que já havia sido aprovada para entrar no documento a ser entregue aos negociadores - por ser a mais votada pelos internautas nos dias que antecederam o painel. Os internautas pediam que os “dejetos” fossem aproveitados para a geração de energia “renovável” em ambientes urbanos. No entanto, da maneira como estava redigida, a proposta abria a possibilidade do uso de incineradores para a queima de resíduos sólidos urbanos para a geração de energia. Após debate, a mesa de mediação aprovou uma ressalva na recomendação – de que é necessário discriminar que tipos de materiais podem ser aproveitados para a geração de energia e como.

O WWF-Brasil se opõe à incineração de resíduos e participa de coalização mundial contra a prática, junto com o Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR). “Defendemos a redução, reuso e reutilização dos resíduos recicláveis e o aproveitamento da fração orgânica para a geração de biogás e para a compostagem”, esclarece o coordenador do programa Educação para Sociedades Sustentáveis do WWF-Brasil, Fábio Cidrin.

Economia florestal sustentável - Cooperação entre Brasil, Acre e Malásia, Sabá
Os Estados do Acre, Brasil e Sabá, na Malásia alcançaram resultados importantes de conservação das florestas e promoção de uma economia verde. O WWF-Brasil, WWF-Malásia e WWF-Reino Unido contribuíram significativamente para tais resultados por meio de intercâmbio entre as duas regiões. Para compartilhar os resultados da experiência, o WWF apresentou esta manhã no Riocentro a publicação “Uma forma diferente de fazer negócios: primeiros passos na construção da Economia Verde no Acre, Brasil; e Sabá, na Malásia”. A publicação demonstra porque os dois estados estão na vanguarda da união entre desenvolvimento sustentável e conservação das florestas.

A secretária-geral do WWF-Brasil, Maria Cecília Wey de Brito, afirmou que, ao contrário do que vem ocorrendo na Rio+20, este trabalho mostra ações concretas e efetivas e não apenas reafirmações e declarações genéricas. “Não precisamos de palavras, mas de metas claras e objetivas. Existe um trabalho a ser feito e precisamos que as instituições o façam. Para garantir água, energia e alimentos para todos, é preciso ter metas e ações claras e objetivas”, afirmou Maria Cecília.

Confira a programação do WWF-Brasil para amanhã – quarta-feira, dia 20/06

9h: Seminário Faça do Acre a sua Floresta - Acre Day
O WWF-Brasil apresentará os resultados de sua parceria com o Acre na conservação das florestas do Estado. Na ocasião, o governador Tião Viana vai lançar o Plano Estadual de Recursos Hídricos – o primeiro da região amazônica. Também será anunciada a cooperação entre o Acre e o Estado do Sabá, na Malásia, para questões florestais – intervenção mediada pelo WWF. Além disso, serão apresentadas outras ações de conservação da biodiversidade e promoção do desenvolvimento sustentável. O evento é aberto ao público. Auditório Tom Jobim do Jardim Botânico.

15h - Marcha Global - em Defesa dos Bens Comuns e Contra a Mercantilização da Vida: Saída da Cinelândia, em frente à Cúpula dos Povos.

16h - Balão do WWF na Praia do Flamengo: O Balão do WWF de 30 metros com a #LevemA SéRIO+20 – GetSeRIOus+20, estará na Praia do Flamengo amanhã, a partir das 16h.


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (3)

Álbum de fotos (3)

Marcadores

Comentários



Parlamentares retiram proteção de rios temporários
Parlamentares retiram proteção de rios temporários
Código Florestal pode ser votado esta semana
Código Florestal pode ser votado esta semana
WWF-Brasil é homenageado nos 50 anos do Estado do Acre
WWF-Brasil é homenageado nos 50 anos do Estado do Acre
WWF-Brasil discute áreas prioritárias de conservação na Amazônia na COP9 da CDB
WWF-Brasil discute áreas prioritárias de conservação na Amazônia na COP9 da CDB
Investigando a Biodiversidade atinge público de 650 professores e ganha Blog
Investigando a Biodiversidade atinge público de 650 professores e ganha Blog
Rede WWF leva soluções reais ao mundo virtual do Second Life
Rede WWF leva soluções reais ao mundo virtual do Second Life
Sociedade civil apresenta ao governo sua posição para a COP 10/CDB
Sociedade civil apresenta ao governo sua posição para a COP 10/CDB
Livro aborda consumo responsável da madeira amazônica a partir de políticas públicas
Livro aborda consumo responsável da madeira amazônica a partir de políticas públicas
Florestas ardem em todo o país
Florestas ardem em todo o país
Esforços para controle do desmatamento precisam alcançar o Cerrado
Esforços para controle do desmatamento precisam alcançar o Cerrado
WWF-Brasil convida para um dia de afiliações no evento Nirvana Lounge
WWF-Brasil convida para um dia de afiliações no evento Nirvana Lounge
Amazônia: desaquecimento da agricultura e proteção explicam queda de desmatamento
Amazônia: desaquecimento da agricultura e proteção explicam queda de desmatamento
Defensores das florestas fazem passeata pelo veto ao novo texto do Código Florestal e lotam Câmara dos Deputados
Defensores das florestas fazem passeata pelo veto ao novo texto do Código Florestal e lotam Câmara dos Deputados
Vivendo no norte do Mato Grosso há 19 anos, Seu Daniel quer produzir sem agredir o Meio Ambiente
Vivendo no norte do Mato Grosso há 19 anos, Seu Daniel quer produzir sem agredir o Meio Ambiente
Metas brasileiras de redução de CO2 podem dar novo ânimo às negociações de clima
Metas brasileiras de redução de CO2 podem dar novo ânimo às negociações de clima
Governo do Amazonas Lança Planos de Gestão de Quatro Unidades de Conservação
Governo do Amazonas Lança Planos de Gestão de Quatro Unidades de Conservação
Nota de Repúdio à Tentativa de Redução do Parque Estadual Cristalino
Nota de Repúdio à Tentativa de Redução do Parque Estadual Cristalino
Nota informativa
Nota informativa
2007: ano recorde para o clima
2007: ano recorde para o clima
Bonn deve preparar o caminho para o sucesso político do final do ano
Bonn deve preparar o caminho para o sucesso político do final do ano