Aguarde...

Autoridades lançam Plano Estadual de Recursos Hídricos durante o “Acre Day”




Por Jorge Eduardo Dantas

Rio de Janeiro (RJ) - Com o objetivo de institucionalizar a gestão dos seus recursos hídricos, as autoridades do Acre lançaram, na manhã da quarta-feira dia 20, o Plano Estadual de Recursos Hídricos daquele Estado. A solenidade ocorreu na manhã da última quarta-feira, no Espaço Tom Jobim, no Jardim Botânico, e contou com a presença de diversas autoridades e convidados. O WWF-Brasil contribuiu com a elaboração do Plano desde a sua concepção até a sua versão final.

O Plano conta com 244 páginas e cinco capítulos, e estabelece diretrizes para o uso das águas naquela unidade da federação. Com isso, o Acre tornou-se o único Estado da região amazônica a institucionalizar a gestão de seus recursos hídricos. 

As linhas de ação prevêem ações nas seis sub-bacias do Acre – Abunã, Acre, Iquiri, Juruá, Purus e Tarauacá – que vão priorizar, entre outras medidas, o apoio à gestão municipal de bacias hidrográficas; a modernização e ampliação da rede hidrometeorológica para monitoramento de eventos extremos como secas e cheias; e o estabelecimento de rede de monitoramento da qualidade de água. Também há perspectivas para a formação e capacitação em recursos hídricos e a adoção de programas de conservação e recuperação de nascentes e matas ciliares.

Elaboração participativa

O analista de conservação do WWF-Brasil, Angelo Lima, afirmou que a elaboração do Plano foi feita de forma participativa desde o começo. “O importante, nesse caso, não foi apenas promover discussões entre as autoridades e a sociedade civil, mas também capacitar a sociedade para participar dessas discussões, algo que não é feito normalmente neste tipo de processo. Neste caso, conseguimos”, disse o especialista. 
 
Coordenador do Programa de Águas do WWF-Brasil, Glauco Kimura contou que a participação da sociedade civil é importante por possibilitar que ‘outras visões’ da água sejam consideradas durante a elaboração do documento. “Para algumas populações, a água tem um valor cultural e religioso que deve ser levado em conta. Com este processo, pudemos refletir sobre isso e inserir esta visão dentro do Plano”, declarou o coordenador. 

“É importante ter uma visão estratégia da água, não apenas aquela visão utilitarista de um bem à disposição, mas também como um recurso produtor de seus próprios ecossistemas e protetor dos ecossistemas dos arredores”, afirmou Angelo.

Saindo do discurso, passando à ação

A secretária-geral do WWF-Brasil, Maria Cecília Wey de Britto, disse que o Acre é hoje o melhor exemplo de Estado brasileiro que sai do discurso e passa à ação.  “É algo que estamos dizendo ser necessário desde o início desta Rio+20. O governo acreano realizou ações ousadas, observando os anseios e desejos da sociedade, mas ao mesmo tempo buscando a conservação”, afirmou.

Maria Cecília lembrou ainda que o plano investe no futuro (“ele tenta prevenir problemas e cuidar dos recursos antes que os problemas surjam”, disse ) e afirmou que o plano é o primeiro passo de um processo que deve ser posto em prática. “Um Plano é como uma bicicleta. Só funcionando enquanto estiver andando”, declarou. 

O Governador do Acre, Tião Viana, afirmou que o Acre vive um momento de “grande esperança”. “Estamos vivendo os anos dos menores índices de desmatamento em nosso Estado, implementando ações simples, mas ousadas, que rompem preconceitos e que assumem o desafio da conservação”, afirmou.  

O “Acre Day”

Para celebrar seus resultados de conservação e apresentá-los aos participantes da   Rio+20, o governo do Acre organizou, no dia 20 de junho, o “Acre Day”. Realizada no Espaço Tom Jobim, no Jardim Botânico, a programação foi composta de vários painéis e seminários que discutiram temas como empreendedorismo sustentável, financiamento do desenvolvimento sustentável, novos desafios para as políticas de Educação, Ciência e Tecnologia, exposições e exibições de filmes.

O Coordenador do Programa Amazônia, Mauro Armelin, participou como convidado do painel que discutiu “A inovação e conservação das ideias de desenvolvimento sustentável”. Em sua fala, Mauro ressaltou a necessidade de, no âmbito do poder público, existir um trabalho integrado entre secretarias e autarquias de várias áreas para tratar a questão da sustentabilidade. 

“A Secretaria de Educação, por exemplo, deve trabalhar em conjunto com o Fundo Florestal e com vários outros órgãos. Educação Ambiental hoje não é mais nicho, é ferramenta de conservação. É esse tipo de inovação que precisamos na Amazônia, como fazer essa inovação política é a nossa grande necessidade”, declarou. 
 


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (3)

Álbum de fotos (3)

Marcadores

Comentários



IPCC: Não há mais tempo a perder, é preciso combater as mudanças climáticas agora
IPCC: Não há mais tempo a perder, é preciso combater as mudanças climáticas agora
Vetos do Presidente da República à MP da Grilagem atendem parcialmente pedidos de ambientalistas
Vetos do Presidente da República à MP da Grilagem atendem parcialmente pedidos de ambientalistas
Cúpula de Clima aquece negociações
Cúpula de Clima aquece negociações
Movimento social “fecha” Ministério do Meio Ambiente
Movimento social “fecha” Ministério do Meio Ambiente
Mais de 150 projetos da Rede WWF estão disponíveis no Google Earth
Mais de 150 projetos da Rede WWF estão disponíveis no Google Earth
ARTIGO: Para saudar Iemanjá
ARTIGO: Para saudar Iemanjá
Novas análises sobre Código Florestal apresentadas na Frente Parlamentar Ambientalista
Novas análises sobre Código Florestal apresentadas na Frente Parlamentar Ambientalista
Hora do Planeta mobiliza cidades brasileiras
Hora do Planeta mobiliza cidades brasileiras
WWF-Brasil apoia simpósio sobre sustentabilidade na construção civil
WWF-Brasil apoia simpósio sobre sustentabilidade na construção civil
Expedição foi um marco nas atividades de campo, diz chefe do parque
Expedição foi um marco nas atividades de campo, diz chefe do parque
Coquetel lança parceria entre WWF-Brasil e Companhia Athletica
Coquetel lança parceria entre WWF-Brasil e Companhia Athletica
Exposição mostra área inexplorada da Amazônia
Exposição mostra área inexplorada da Amazônia
ONGs cobram de Lula criação de reservas extrativistas na Amazônia
ONGs cobram de Lula criação de reservas extrativistas na Amazônia
Efeito estufa poderá custar 20% do PIB mundial
Efeito estufa poderá custar 20% do PIB mundial
Descobertas na Amazônia são extraordinárias: na última década, novas espécies foram encontradas a cada três dias
Descobertas na Amazônia são extraordinárias: na última década, novas espécies foram encontradas a cada três dias
Imposto pode apoiar ações contra as mudanças climáticas
Imposto pode apoiar ações contra as mudanças climáticas
Gestão de resíduos: Rio Branco formaliza parceria com Água Brasil
Gestão de resíduos: Rio Branco formaliza parceria com Água Brasil
Banimento de agrotóxicos na pauta da soja responsável
Banimento de agrotóxicos na pauta da soja responsável
Trajetória de Nogueira-Neto lançada na capital federal
Trajetória de Nogueira-Neto lançada na capital federal
Marina Silva homenageada com a Medalha Duque de Edimburgo
Marina Silva homenageada com a Medalha Duque de Edimburgo