Aguarde...

Audiência pública discute impactos da usina de Belo Monte




Nesta terça-feira, 1º de dezembro, a 6ª Câmara de Coordenação e Revisão (Índios e Minorias) do Ministério Público Federal promove audiência pública sobre a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte na bacia do rio Xingu, maior obra do programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo Lula. A obra trará impactos à vida dos povos indígenas e demais populações que habitam a região. A audiência pública será  às 14 horas no Auditório JK, no prédio da Procuradoria Geral da República, em Brasília - DF.

O principal objetivo da audiência é obter explicações definitivas sobre a insistência do governo em construir o empreendimento e seus reais impactos e conseqüências. Após tentativas infrutíferas de diálogo com o governo federal sobre o assunto, a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), entidade que faz parte da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) e representantes dos Povos Indígenas do Xingu conseguiram, junto à 6ª Câmara, a realização da audiência com a presença das autoridades envolvidas na construção da usina. Foram convocados para prestar esclarecimentos representantes do Ministério das Minas e Energia, Ibama, Ministério do Meio Ambiente, da Assessoria especial do Gabinete da Presidência da República e da Fundação Nacional do Ìndio (Funai).

Mais de 250 lideranças são esperadas em Brasília para a audiência, entre elas indígenas, ribeirinhos, trabalhadores rurais, representantes de populações tradicionais, dos movimentos sociais, organizações não governamentais, especialistas em meio ambiente, pesquisadores e estudantes. Também participam da reunião as organizações que compõem o Fórum de Defesa dos Direitos dos Povos Indígenas (FDDI) – Instituto Socioambiental (ISA), Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Centro de Trabalho Indigenista (CTI), Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), além dos dirigentes das organizações regionais indígenas que integram a Apib (Arpinsul, Arpipan, Arpinsudeste, Apoinme, Coiab e Aty Guassu). Técnicos do WWF-Brasil acompanharão a audiência.

Impactos de Belo Monte

A construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte na bacia do rio Xingu foi contestada desde o início. Especialistas de todo País têm alertado para o impacto sem precedentes que a obra terá sobre o ecossistema local, inclusive com a redução do volume de água no trecho conhecido como Volta Grande, o que pode afetar de maneira irreparável a pesca e a fauna. Além disso, serão alagados cerca de 51 mil hectares de floresta.

Outra conseqüência danosa da obra será o incremento populacional. Segundo o Estudo de Impacto Ambiental de Belo Monte, serão atraídas para a região mais de 100 mil pessoas, o que agravará a pressão sobre os recursos naturais. O aumento populacional que o empreendimento trará afetará também as comunidades locais porque incentivará um consequente aumento do desmatamento, da pesca e caça ilegal, da exploração madeireira e garimpeira.

O governo federal, interessado na concretização de Belo Monte, a qualquer custo, violou o legítimo direito à consulta livre, prévia e informada das comunidades indígenas, ribeirinhos e demais afetados pelo empreendimento - direitos esses garantidos na Constituição Federal e na legislação internacional (Convenção 169 da OIT e Declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas).  As audiências públicas obrigatórias que antecederam o projeto estão sob investigação do Ministério Público Federal por não contarem com a participação de todas as comunidades indígenas e outras populações do Xingu. Nem mesmo o próprio Ministério Público Federal participou das reuniões.

A Fundação Nacional do Índio (Funai), órgão que tem a responsabilidade de zelar pelo bem-estar dos povos indígenas, apresentou parecer favorável à usina, contrariando a posição de seus próprios técnicos e de especialistas de renome nacional e internacional, mas sobretudo dos povos indígenas contrários à construção da usina de Belo Monte e de qualquer outro empreendimento que afete o curso do rio Xingu.


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (0)

Álbum de fotos (0)

Marcadores

Comentários



Mata Atlântica pode ter 15 milhões de hectares restaurados
Mata Atlântica pode ter 15 milhões de hectares restaurados
Na Argentina, aumenta o número de municípios que dizem sim à Hora do Planeta
Na Argentina, aumenta o número de municípios que dizem sim à Hora do Planeta
Parlamentares: ouçam a voz das florestas!
Parlamentares: ouçam a voz das florestas!
Gestão de resíduos: Pirenópolis se mobiliza para implementar política para o setor
Gestão de resíduos: Pirenópolis se mobiliza para implementar política para o setor
Amazônia no palco das discussões na Conferência de Clima
Amazônia no palco das discussões na Conferência de Clima
Consumidor desconhece a carne orgânica
Consumidor desconhece a carne orgânica
WWF-Brasil lança publicação sobre aves migratórias no Pantanal
WWF-Brasil lança publicação sobre aves migratórias no Pantanal
Cadeias produtivas sustentáveis ganham força no Acre
Cadeias produtivas sustentáveis ganham força no Acre
Cientistas enviam alerta sobre clima
Cientistas enviam alerta sobre clima
Dia Internacional da Limpeza da Água
Dia Internacional da Limpeza da Água
Concurso do WWF-Brasil leva vencedor ao Acre
Concurso do WWF-Brasil leva vencedor ao Acre
Seminário discute ações em defesa das cabeceiras do Pantanal
Seminário discute ações em defesa das cabeceiras do Pantanal
Encontros no Mato Grosso do Sul incentivam criação de reservas particulares
Encontros no Mato Grosso do Sul incentivam criação de reservas particulares
Brasil se mobiliza em defesa do Código Florestal
Brasil se mobiliza em defesa do Código Florestal
WWF-Brasil participa do São Paulo Fashion Week
WWF-Brasil participa do São Paulo Fashion Week
Marina Silva é nomeada Membro Honorário da UICN
Marina Silva é nomeada Membro Honorário da UICN
Exemplo ecológico
Exemplo ecológico
Confirmado o clima de expectativa nos primeiros dias da COP 11
Confirmado o clima de expectativa nos primeiros dias da COP 11
Congresso mira nas áreas protegidas
Congresso mira nas áreas protegidas
Representantes da sociedade civil se retiram de reunião no Palácio do Planalto sobre desmatamento
Representantes da sociedade civil se retiram de reunião no Palácio do Planalto sobre desmatamento