Aguarde...

ARTIGO: Um Código para o desenvolvimento sustentável




Artigo
Por Carlos Alberto de Mattos Scaramuzza e Warner Bento Filho


A reforma do Código Florestal dá ao Senado Federal uma excelente oportunidade: a de ajudar o Brasil na construção de um modelo de desenvolvimento sustentável, de baixo carbono, baseado no manejo de nossas florestas e de nossa biodiversidade. Nenhum outro país no mundo tem o potencial que temos para desenvolver uma economia verde a partir daquela que é a nossa maior riqueza: nossos recursos naturais.

A quem interessa que continuemos a trocar nossas florestas por uma agropecuária do passado, marcada pela baixa produtividade e por grandes impactos ambientais? Este é um modelo que, na verdade, empobrece e resulta em prejuízos ao país. Seja delapidando nossos recursos naturais, através da erosão de solos férteis e da contaminação das águas, seja pela perda de serviços ambientais.

Mais que isso, é um modelo que traz imensos prejuízos à saúde da população. Pesquisa da Universidade Federal de Mato Grosso realizada no município de Lucas do Rio Verde, região que lidera a produção de soja no país, mostra que lá 100% do leite materno está contaminado com pelo menos um tipo de agrotóxico. Lucas do Rio Verde, que tem 22 mil habitantes, consumiu, na safra 2009/2010, 5 milhões de litros de veneno, o que dá cerca de 230 litros para cada habitante. 

O que o país ganha exportando produtos que deixam, em troca, uma população envenenada? Com certeza, isso não interessa ao povo brasileiro. E tampouco interessa aos mercados mundiais, que tendem a preferir, cada vez mais, produtos obtidos de maneira sustentável. 

Para garantir a manutenção de nossos recursos naturais e de nossa biodiversidade, o Senado precisa incluir no debate do Código Florestal o pagamento por serviços ambientais, que já é realidade para agricultores em diversos programas desenvolvidos no país, inclusive com o apoio do WWF-Brasil. As florestas não devem ser um estorvo na propriedade, mas um aliado da produção, ajudando a manter a oferta e a qualidade da água, provendo abrigo a polinizadores e possibilitando, ainda, a extração de fibras, óleos, frutas e outros produtos. As reservas legais não são intocáveis. Elas podem e devem ser manejadas de maneira a diversificar a renda do produtor. E elas ainda podem ocupar as áreas com baixo potencial agrícola, aquela parte da propriedade que não se presta para a produção.

Cabe agora às lideranças modernas da sociedade brasileira, à presidente Dilma Roussef e ao governo federal convencerem os parlamentares a fazerem as alterações necessárias para termos uma reforma que aponte para uma agricultura sustentável, com ganhos para agricultores, consumidores e a sociedade em geral.

O que precisa ficar claro é que não é brigando com a natureza e com as florestas que o país conseguirá produzir, exportar alimentos e manter seu meio ambiente equilibrado, como estabelece, aliás, a nossa Constituição. A produção agrícola depende diretamente da manutenção das florestas, responsáveis pelo solo, pela água e pelo clima de que precisamos para plantar e colher. 


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (1)

Álbum de fotos (1)

Marcadores

Comentários



Relatório aponta as grandes ameaças das mudanças climáticas na América Latina
Relatório aponta as grandes ameaças das mudanças climáticas na América Latina
WWF-Brasil lança publicação voltada para madeira legal
WWF-Brasil lança publicação voltada para madeira legal
WWF-Brasil promove eventos paralelos durante o V Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação
WWF-Brasil promove eventos paralelos durante o V Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação
Brasil tem a maior área certificada FSC da América Latina
Brasil tem a maior área certificada FSC da América Latina
Gradual lança fundo de investimentos que reverterá recursos para a conservação da natureza
Gradual lança fundo de investimentos que reverterá recursos para a conservação da natureza
Estudantes acampam em frente ao Congresso Nacional em defesa das florestas
Estudantes acampam em frente ao Congresso Nacional em defesa das florestas
Relatório mostra que crédito ambiental do planeta se esgotará em 2030
Relatório mostra que crédito ambiental do planeta se esgotará em 2030
Lei que estabelece unidades de conservação completa 10 anos
Lei que estabelece unidades de conservação completa 10 anos
Água e adaptação às mudanças climáticas na pauta de Cancún
Água e adaptação às mudanças climáticas na pauta de Cancún
Escolas são incubadoras de mudanças sociais
Escolas são incubadoras de mudanças sociais
Curso Introdutório para Gestores de Unidades de Conservação na Amazônia começa hoje no Acre
Curso Introdutório para Gestores de Unidades de Conservação na Amazônia começa hoje no Acre
Adesão de cidades à Hora do Planeta chega a 80 em todo o Brasil
Adesão de cidades à Hora do Planeta chega a 80 em todo o Brasil
WWF-Brasil no projeto "Quartas Sustentáveis" da Universidade de Brasília
WWF-Brasil no projeto "Quartas Sustentáveis" da Universidade de Brasília
Entrevista: Sofia Martins Carvalho, embaixadora do Clima
Entrevista: Sofia Martins Carvalho, embaixadora do Clima
Manejo de pesca alcança resultados e é ampliado no Acre
Manejo de pesca alcança resultados e é ampliado no Acre
ONGs entregam estudo sobre o Pantanal ao governador do Mato Grosso do Sul
ONGs entregam estudo sobre o Pantanal ao governador do Mato Grosso do Sul
Cidades brasileiras se mobilizam para a Hora do Planeta 2012
Cidades brasileiras se mobilizam para a Hora do Planeta 2012
ARTIGO: A natureza merece esse estímulo
ARTIGO: A natureza merece esse estímulo
Inovação e mobilização de recursos são desafios para o Brasil na COP11
Inovação e mobilização de recursos são desafios para o Brasil na COP11
Países discutem biodiversidade
Países discutem biodiversidade