Aguarde...

Apenas fundo voluntário não basta para deter o desmatamento




Por Mariana Ramos

O governo brasileiro lançou hoje em Bali a proposta detalhada para o fundo voluntário de combate ao desmatamento, que deve entrar em vigor no Brasil já no primeiro bimestre de 2008.

Para Mauro Armelin, coordenador do Programa de Desenvolvimento Sustentável do WWF-Brasil, só o fundo voluntário não é o suficiente para combater o desmatamento. “A proposta brasileira mostra uma via para a colaboração dos países desenvolvidos com os países ‘florestais’ nas reduções oriundas do desmatamento, porém é importante lembrar que a via do mercado, representada pelos créditos de carbono, também tem uma série de vantagens”, afirma. “É preciso combinar os dois mecanismos para ter um bom resultado”, completa.

De acordo com a idéia apresentada, será estabelecida uma linha-base com os números do desmatamento nos últimos dez anos e será traçada uma média para servir de coeficiente para o cálculo da redução de emissões. E, caso a meta não seja cumprida, ficará como déficit acumulado para o próximo ano.

Segundo Tasso Azevedo, diretor do Serviço Florestal Brasileiro, o fundo será coordenado pelo governo federal e governos estaduais, organizações da sociedade civil, representantes da indústria e do setor acadêmico.

O banco responsável pela gestão do mecanismo será o BNDES. Inicialmente, o governo brasileiro irá monitorar apenas a Amazônia, mas o plano é expandir o controle para todos os biomas até 2011. Como base para os cálculos redução de emissão de carbono, foi estabelecido que um hectare equivale a 100 toneladas de carbono na Amazônia.

O governo anunciou ainda que o fundo pode receber doações de empresas nacionais, multinacionais, ONGs, pessoas físicas e também por organismos ou empresas internacionais.


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (1)

Álbum de fotos (1)

Marcadores

Comentários



Sociedade civil e metas de biodiversidade
Sociedade civil e metas de biodiversidade
IR Ecológico será debatido em Campo Grande
IR Ecológico será debatido em Campo Grande
É hora de demonstrar seriedade no compromisso com o clima
É hora de demonstrar seriedade no compromisso com o clima
Personagens que fazem a expedição acontecer
Personagens que fazem a expedição acontecer
Senado aprova urgência mas, voto, só na terça
Senado aprova urgência mas, voto, só na terça
Fórum Mundial da Água: promessas evaporam na Cidade do México
Fórum Mundial da Água: promessas evaporam na Cidade do México
Garimpeiros surpresos com criação do parque
Garimpeiros surpresos com criação do parque
Holanda estimula a produção sustentável da soja
Holanda  estimula a produção sustentável da soja
Alerta: ruralistas tentam votar mudanças no Código Florestal em regime de urgência
Alerta: ruralistas tentam votar mudanças no Código Florestal em regime de urgência
Comprar ou não comprar, eis a questão
Comprar ou não comprar, eis a questão
No Parque do Povo, em São Paulo, gerações se unem na luta pelo meio ambiente
No Parque do Povo, em São Paulo, gerações se unem na luta pelo meio ambiente
Conter o aquecimento global é possível, diz relatório da Rede WWF
Conter o  aquecimento global é possível, diz relatório da Rede WWF
Ambiente amistoso, mas com poucos avanços nas negociações de clima
Ambiente amistoso, mas com poucos avanços nas negociações de clima
Aumenta a pressão aos senadores contra alterações no Código Florestal
Aumenta a pressão aos senadores contra alterações no Código Florestal
Viagem ao Tumucumaque: Serra do Navio – portal de entrada do parque nacional
Viagem ao Tumucumaque: Serra do Navio – portal de entrada do parque nacional
Reserva do Iratapuru antenada com o mundo
Reserva do Iratapuru antenada com o mundo
COP de clima termina com um pequeno passo à frente para o Protocolo de Quioto
COP de clima termina com um pequeno passo à frente para o Protocolo de Quioto
Campanha do Passaporte Panda sobre energia termina com sucesso
Campanha do Passaporte Panda sobre energia termina com sucesso
Semana decisiva para as florestas brasileiras
Semana decisiva para as florestas brasileiras
Reconhecimento das áreas indígenas gera desafios técnicos e políticos nos nove países da Bacia Amazônica
Reconhecimento das áreas indígenas gera desafios técnicos e políticos nos nove países da Bacia Amazônica