Aguarde...

Apagão reforça necessidade de diversificar matriz elétrica




Por Gadelha Neto e Mariana Ramos
WWF-Brasil

Na terça-feira (10/11), metade do país ficou às escuras durante quase cinco horas, levando o completo caos a cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, que consomem mais de 44,6% da energia residencial no país.  Milhões de pessoas em mais de 800 cidades de 18 estados do país e em todo Paraguai foram atingidas diretamente pela falta da energia elétrica da Usina Binacional de Itaipu.

De acordo com o Operador Nacional do Sistema (ONS), São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul e Espírito Santo foram totalmente afetados. Já os estados de Minas Gerais, Mato Grosso, Goiás, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Acre, Rondônia, Bahia, Sergipe, Paraíba, Alagoas, Pernambuco e Rio Grande do Norte foram afetados parcialmente.

Naquela noite, em entrevista coletiva, o ministro das Minas e Energia atribuía a falha a “questões atmosféricas”, tese reforçada pelos porta-vozes de Itaipu de que o problema estaria na transmissão e não na geração de energia. Furnas informou que a falha ocorreu em três linhas de transmissão entre os estados de Paraná e São Paulo.

O fato é que, sem ter para onde enviar os 14 gigawatts de potência geradas naquele instante, todas as turbinas de Itaipu foram automaticamente desligadas. Os porta-vozes de Itaipu disseram que a usina operava a toda potência, e que, no momento do apagão, era esta a energia que abastecia a maior parte das regiões dos estados atingidos.

Diversificando o menu  -- Enquanto especialistas e críticos vão aos jornais falar da “fragilidade do sistema”, “falta de investimentos” ou “falha de gestão”, pouquíssimos se lembraram de chamar a atenção para uma possibilidade há muito defendida pelo WWF-Brasil: a inclusão, no sistema, de fontes renováveis não convencionais limpas e investimento em eficiência energética.

Atualmente, a matriz energética depende fortemente de energia hidrelétrica, com apoio de usinas termelétricas – que, diga-se de passagem, são altamente poluentes – e, em menor grau, de usinas nucleares, eólicas e de biomassa.  Com todos os ovos em uma só cesta, seria presumível que uma falha pudesse ocorrer, com grande impacto.

O WWF-Brasil defende a diversificação das fontes de energia limpa – principalmente com o uso de produção eólica e de biomassa – como forma de preparar o país para as incertezas de um futuro pautado pelas mudanças climáticas (que atingem primeiramente os recursos hídricos, fonte primordial da matriz brasileira, hoje), e reduzir o impacto da produção de energia sobre o ambiente e as pessoas.

Para o WWF-Brasil não se trata de substituir a energia hidrelétrica pela produzida por fontes não convencionais, mas de oferecer ao sistema um menu diversificado e ambientalmente sustentável, que possa ser somado à matriz.

A organização ambiental acredita que investimentos de médio e longo prazo em novas fontes de energia não somente irão oferecer segurança energética como, também, reduzir a dependência de recursos hídricos e a demanda por novas barragens e seus impactos negativos sobre o ambiente e sobre a cultura e o meio de vida das populações ribeirinhas.

Alternativas -- Entre as chamadas fontes alternativas ou não convencionais de energia elétrica destaca-se a eólica – energia produzida pelos ventos – que, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), em seu Atlas da Energia Elétrica do Brasil, tem um potencial de nada menos que 143,4 GW – ou dez Itaipus – ,metade dos quais concentrados no Nordeste.
Enquanto isto, o boom de produção de álcool esperado para um futuro próximo pode ampliar o volume de biomassa residual da cana, que, hoje, tem um potencial de produção de cerca de 10GW, apenas no Sudeste.  Atualmente, somente 3,1GW são efetivamente aproveitados.

A Agenda Elétrica Sustentável 2020, do WWF-Brasil, publicada em 2006, propõe um cardápio considerado até conservador, que poderia ser oferecido em 2020, com o investimento adequado e a vontade política necessária:  a biomassa responderia por 7,6% da energia produzida no país e a produção eólica ofereceria 6%.  O percentual de energia hidrelétrica do país seria reduzido de 75% para 67,9%.  Já seria um ganho enorme para a natureza, para a população e para os negócios.
 


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (1)

Álbum de fotos (1)

Marcadores

Comentários



Submarino e Wal-Mart Brasil apoiam WWF-Brasil no Dia do Meio Ambiente
Submarino e Wal-Mart Brasil apoiam WWF-Brasil no Dia do Meio Ambiente
Dia do Pantanal
Dia do Pantanal
Conservação da biodiversidade e áreas protegidas: mundo avança, mas não alcança metas
Conservação da biodiversidade e áreas protegidas: mundo avança, mas não alcança metas
WWF-Brasil não apóia companhia circense ‘Le Cirque’
WWF-Brasil não apóia companhia circense ‘Le Cirque’
Gestão de áreas protegidas em debate
Gestão de áreas protegidas em debate
Bailarinos brilhantes iluminaram a Malásia escurecida
Bailarinos brilhantes iluminaram a Malásia escurecida
Mudanças nas discussões do clima
Mudanças nas discussões do clima
Certificação cresce no mundo e já é diferencial competitivo
Certificação cresce no mundo e já é diferencial competitivo
Abertas as inscrições para a Bolsa Prince Bernhard 2011
Abertas as inscrições para a Bolsa Prince Bernhard 2011
Entidades ambientalistas se retiram da negociação sobre código florestal e pedem ao Presidente seriedade por parte do governo
Entidades ambientalistas se retiram da negociação sobre código florestal e pedem ao Presidente seriedade por parte do governo
Negociações de clima não podem falhar
Negociações de clima não podem falhar
Ibama reconhece novos acordos comunitários de pesca no Alto Purus
Ibama reconhece novos acordos comunitários de pesca no Alto Purus
Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente adere à Hora do Planeta
Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente adere à Hora do Planeta
Lars Grael nomeado Embaixador das Águas do WWF-Brasil
Lars Grael nomeado Embaixador das Águas do WWF-Brasil
COP-15: Agora é a hora!
COP-15: Agora é a hora!
Resultado de Cancún viabiliza acordo global
Resultado de Cancún viabiliza acordo global
Especialistas debatem vulnerabilidades da Bacia do Rio Acre
Especialistas debatem vulnerabilidades da Bacia do Rio Acre
Semana do Meio Ambiente
Semana do Meio Ambiente
ARTIGO: Um Código para o desenvolvimento sustentável
ARTIGO: Um Código para o desenvolvimento sustentável
Semana decisiva para as florestas brasileiras
Semana decisiva para as florestas brasileiras