Aguarde...

Agentes ambientais voluntários: conscientização e conservação




Bruno Taitson, de Manoel Urbano (AC)

José Amaro, 53 anos, nasceu e foi criado no município de Manoel Urbano, Acre. Ele começou a pescar aos sete anos, acompanhando o pai pelos lagos, igarapés e rios da região. Naquela época, a pesca era farta e os pescadores não tinham maiores preocupações. “Quando era pequeno, a gente via cardumes de tambaquis e apanhava três ou quatro de cada vez. Hoje, passo 30 dias sem ver nenhum”, resume.

Diante da redução da quantidade de peixes nos lagos de Manoel Urbano, as comunidades tiveram que se mobilizar para solucionar o problema. Afinal, a pesca é a principal atividade econômica do município, além de garantir segurança alimentar para centenas de famílias.

Com apoio do Governo do Acre, do Ibama e de organizações como o WWF-Brasil, a Colônia de Pescadores local criou normas que limitam períodos e quantidades para a atividade pesqueira, chamadas de acordos de pesca e reconhecidas como lei pelas autoridades ambientais. Criadas as regras, outro desafio surgia: a fiscalização do cumprimento dos acordos.

A solução surgiu com a criação da figura do agente ambiental voluntário (AAV), já adotada com sucesso em outras regiões do país. Pessoas da própria comunidade são treinadas pelo Ibama, com apoio de organizações diversas, para fiscalizar o cumprimento da legislação ambiental, mais por intermédio da educação do que pelo poder de polícia. O pescador José Amaro atua, desde 2007, como AAV em Manoel Urbano.

De acordo com ele, o principal papel desempenhado como agente ambiental é o de conversar com os infratores, mostrar porque estão fora-da-lei e pedir para não voltarem a descumprir as normas. “Antes de tudo, somos educadores”, destaca José Amaro. Os principais problemas enfrentados por ele são a pesca durante o período do defeso, a atividade pesqueira com equipamentos ilegais, como redes que capturam filhotes, e a caça ilegal.

José Amaro desempenha com orgulho a função de AAV, e não se importa com o fato de não ser remunerado pela atividade. “A floresta e os lagos nos permitem viver. Se derrubar, vai faltar alimento para nossas famílias. Se pescarem mais do que podem, faltará alimento pro pirarucu, que é nosso alimento, e por isso também vai desaparecer. Um problema puxa o outro”, descreve o pescador.

Vanderlei dos Santos, pescador, 32 anos, nasceu e foi criado no município de Feijó, onde atua há desde 2008 como AAV. Ele lembra que as principais infrações que combate são a caça e a pesca ilegais, além do descarte de lixo dentro dos lagos e rios da região. “Infelizmente somos poucos agentes que cobrem uma área muito grande, a polícia e o Ibama não têm gente suficiente e por isso fiscalizam pouco”, resume.

Segundo Antonio Oviedo, técnico do WWF-Brasil responsável pelos projetos de manejo de pesca, a figura do AAV é fundamental para o cumprimento da legislação ambiental em áreas remotas, pouco visitadas por fiscais e autoridades policiais. “São pessoas já conhecidas da comunidade, que acabam sendo eficientes por conhecerem os moradores e a realidade local e por estarem presentes a maior parte do tempo nas áreas ameaçadas”, avalia.

Problemas

Os dois agentes ambientais voluntários, embora atuem em áreas diferentes no Estado do Acre, afirmam desempenhar uma função arriscada, e que o apoio prestado pelo poder público deveria ir além do treinamento inicial e da distribuição de coletes. “Já fomos ameaçados diversas vezes. Tanto que, dos quatro agentes que começaram aqui em Manoel Urbano, restam apenas dois, os outros desistiram do trabalho”, relata José Amaro.

De acordo com Evandro Câmara, analista ambiental do Ibama no Acre, o papel dos AAVs é importante, mas deveriam acontecer mudanças nas normas que regulam a função. “Os agentes geram mobilização comunitária e desempenham o papel de educadores ambientais. Porém, é necessário aproximá-los do Poder Judiciário, abrindo canais institucionais diretos com o Ministério Público e as polícias militar e civil”, resume.

Segundo ele, muitos AAVs não conseguem preencher corretamente um auto de infração, por serem analfabetos ou semi-analfabetos, inviabilizando a aplicação de multas e de outras punições. “Em vez de encaminhar os autos ao Ibama, seria mais adequado encaminhar o problema formalmente à Polícia ou ao Judiciário, para a tomada de providências”, conclui Evandro Câmara.

O WWF-Brasil já apoiou a capacitação de 28 agentes ambientais voluntários no Acre, para atuar nas regiões de Sena Madureira e Manoel Urbano.


Fonte: WWF - Brasil


Álbum (3)

Álbum de fotos (3)

Marcadores

Comentários



Comunidade se mobiliza em defesa do Córrego do Urubu
Comunidade se mobiliza em defesa do Córrego do Urubu
MP da Grilagem: Carta aberta à sociedade
MP da Grilagem: Carta aberta à sociedade
Estudo aponta menor cobertura vegetal no planalto da Bacia do Alto Paraguai
Estudo aponta menor cobertura vegetal no planalto da Bacia do Alto Paraguai
Lençóis Paulista é Água Brasil
Lençóis Paulista é Água Brasil
Cúpula de Clima aquece negociações
Cúpula de Clima aquece negociações
Gradual lança fundo de investimentos que reverterá recursos para a conservação da natureza
Gradual lança fundo de investimentos que reverterá recursos para a conservação da natureza
Código Florestal: Mobilização pede veto de Dilma para reforma
Código Florestal: Mobilização pede veto de Dilma para reforma
Em Portugal, pelo menos, um terço das cidades deverá celebrar a Hora do Planeta
Em Portugal, pelo menos, um terço das cidades deverá celebrar a Hora do Planeta
O status quo não é uma opção, diz WWF
O status quo não é uma opção, diz WWF
Em nota oficial, organizações não-governamentais repudiam emendas à MP 366
Em nota oficial, organizações não-governamentais repudiam emendas à MP 366
NÓS E O CLIMA: Intervalo entre as cheias é cada vez maior
NÓS E O CLIMA: Intervalo entre as cheias é cada vez maior
Belém sedia última edição de 2007 do curso de gestão de UCs da Amazônia
Belém sedia última edição de 2007 do curso de gestão de UCs da Amazônia
Encontro de comitês de bacias em Cuiabá discute gestão de recursos hídricos
Encontro de comitês de bacias em Cuiabá discute gestão de recursos hídricos
Estradas rurais podem contribuir para conservação da floresta
Estradas rurais podem contribuir  para conservação da floresta
Senador Luiz Henrique não acata propostas do Comitê Brasil
Senador Luiz Henrique não acata propostas do Comitê Brasil
Mudanças climáticas: cientistas destacam a falta de capacitação de jornalistas
Mudanças climáticas: cientistas destacam a falta de capacitação de jornalistas
Relatório aponta que ações brasileiras contra desmatamento são boas para o clima e para a economia
Relatório aponta que ações brasileiras contra desmatamento são boas para o clima e para a economia
22 de maio: Dia da Biodiversidade
22 de maio: Dia da Biodiversidade
Código Florestal: ministra sai em defesa das águas
Código Florestal: ministra sai em defesa das águas
Um ano de muitas realizações
Um ano de muitas realizações